A Igreja e o casamento entre pessoas do mesmo sexo: a questão pastoral

12 de julho de 2015

Postado originalmente por Michael Austin em bycommonconsent.com 

“Deus me criou para prestar-Lhe algum serviço definido; Ele confiou a mim um trabalho que não confiou a outro. ”- John Henry Newman

aGen2114Dore_TheExpulsionOfIshmaelAndHisMotherA menos que todo mundo que conheço tenha interpretado mal as folhas de chá, o casamento entre pessoas do mesmo sexo logo será legal em todos os 50 estados. Na chance de que isso não aconteça em junho, acontecerá algum dia. Passamos do ponto de inflexão e um maioria clara de pessoas nos Estados Unidos agora favorecem esses sindicatos. Mesmo em uma democracia tão disfuncional como a nossa, a maioria clara geralmente acaba conseguindo o que quer.

As leis universais para o casamento entre pessoas do mesmo sexo terão consequências para a Igreja. Eu não estou falando sobre o terrível desfile de horríveis no final das encostas escorregadias de Glenn Beck. Ninguém forçará a Igreja SUD a realizar casamentos gays em seus templos, nem forçará uma religião a dar reconhecimento eclesiástico àquilo que foi unido civilmente. A Cláusula de Livre Exercício da Primeira Emenda não será gentil naquela boa noite, e o casamento gay não despertará os Gigantes de Gelo.

As consequências reais serão muito menos drásticas, mas ainda muito reais. Por um lado, a Igreja provavelmente enfrentará algumas questões legais sobre coisas como moradia para casais em suas universidades (veja a excelente contribuição de Sam Brunson aqui) Também haverá questões políticas. Vamos apoiar os esforços inevitáveis para anular ou protestar contra uma decisão da Suprema Corte? Ou vamos concluir que, tendo lutado o bom combate, devemos encontrar uma maneira de construir o Reino de Deus em um país que permite que gays se casem?

De longe, porém, a questão mais significativa que enfrentaremos como Igreja será pastoral: como devemos, como comunidade religiosa, tratar nossos membros gays legalmente casados? A maioria das pessoas que conheço acha que esta é uma pergunta fácil. O problema é que cerca de metade deles acha que é fácil em uma direção, enquanto o restante acha que é fácil na outra. Na verdade, é uma pergunta muito difícil. Mas também é extremamente importante, pois pode determinar a natureza de nossa comunidade pelos próximos cem anos.

O que torna essa questão tão difícil é que, mais do que talvez qualquer outra religião nos Estados Unidos, os santos dos últimos dias amarraram nossa definição de “moralidade” firmemente aos caprichos do estado. Isso provavelmente era inevitável, dados os problemas que tivemos quando nos afastamos muito dessa definição no século XIX. Mas depois que decidimos nos submeter às leis do país, começamos a usar essas leis para traçar uma grande linha clara sobre a atividade sexual. A linha está marcada como “legalmente e legalmente casado”. De um lado está a vida eterna; por outro lado está o pecado próximo ao assassinato.

No que diz respeito às linhas, esta funcionou muito bem. Ele fez todas as coisas que as linhas deveriam fazer; mas não é nossa linha. Subcontratamos o trabalho árduo de definir moralidade ao estado, que não funcionará mais de acordo com nossas especificações. A linha na areia se tornou mais arenosa exatamente quando precisávamos que ela se tornasse mais linear. No mínimo, teremos que esclarecer isso.

Mas a indefinição dessa linha também nos apresenta oportunidades pastorais que não devemos ignorar. Ao dar sanção legal às relações monogâmicas entre pessoas do mesmo sexo, o estado poderia ajudar a Igreja a criar espaços para seus membros gays entre o celibato vitalício e a excomunhão. Como um de meus colegas de blog recentemente colocou, “para mim o casamento gay foi um presente, uma maneira de estancar o sangramento, ao fornecer um caminho para bons jovens mórmons gays visualizarem uma vida feliz na Igreja”.

Deixe-me deixar bem claro que não estou sugerindo nada que exija mudanças em nossa teologia. Mudanças profundas nas doutrinas fundamentais teriam de ocorrer antes que a Igreja pudesse solenizar os casamentos de pessoas do mesmo sexo no templo ou declará-los válidos para esta vida e toda a eternidade. Mas a barreira para o casamento no templo não precisa ser a mesma que a barreira para não separar as pessoas da Igreja, revogar seus batismos e entregá-las às bofetadas de Satanás.

A Igreja conseguiu acomodar muitas pessoas que não são casadas para esta vida e toda a eternidade em algum nível de atividade aquém dos golpes de Satanás. Muitas dessas pessoas também são pecadoras de um tipo ou de outro, o que é realmente o ponto principal da Igreja. Para responder ao chamado de Cristo, devemos nos tornar um hospital para os enfermos e não um museu dos santos. Não expulsar pessoas não constitui um endosso ao seu comportamento ou estilo de vida. Ele simplesmente reconhece que, apesar de suas fraquezas, o evangelho ainda pode tornar suas vidas melhores

Por um século e meio, a Igreja tolerou mentirosos, fofoqueiros e malandros em nosso meio. Não excomungamos as pessoas por serem pouco caridosas, orgulhosas, críticas ou relutantes em ajudar os outros. E damos passe livre para a maioria dos coisas proibidas em Levítico. Eu acredito que existem algumas razões pastorais muito poderosas para adicionar gays legalmente casados à lista daqueles que permitimos que existam em nossa comunidade. Aqui estão alguns deles:

    • A monogamia comprometida é uma coisa boa, e sua bondade não depende de sua configuração de gênero. Promiscuidade e infidelidade são espiritualmente destrutivas, e essa destrutividade independe da orientação sexual. Uma vez que concordamos que alguns tipos de relacionamento são espiritualmente superiores a outros - independentemente da orientação sexual dos parceiros - os princípios do cuidado pastoral ditam que devemos encorajar os primeiros. Excomungar as pessoas por se casarem faz exatamente o oposto.
    • As duas únicas opções agora disponíveis para gays que desejam permanecer parte da Igreja SUD são 1) um compromisso com o celibato vitalício; ou 2) um casamento de orientação mista. Nenhuma dessas opções se mostrou eficaz para manter as pessoas na Igreja ou ajudá-las a viver uma vida feliz e espiritualmente plena. A Igreja nunca será capaz de atender às necessidades espirituais de mais do que uma pequena fração de seus membros gays sem outra opção.
    • O casamento é mais do que simplesmente uma licença para fazer sexo. Quase todas as discussões sobre esse assunto em que estive envolvido focalizaram excessivamente a expressão sexual (o que, na verdade, não requer casamento, seja gay ou outro). Relacionamentos comprometidos, de longo prazo e monogâmicos tratam de intimidade, proximidade, ternura, apoio mútuo e o poder transformador de amar outra pessoa nos mesmos termos em que se ama a si mesmo. Esse é o tipo de coisa que vimos à Terra para aprender, e nossa biologia é tal que é difícil experimentá-las sem atração sexual.
    • As excomunhões podem ter efeitos traumáticos na família e podem forçar os pais, irmãos, filhos e outros membros da família a escolher o lado da Igreja e seus entes queridos. Muitas vezes, essas situações resultam na perda do apoio de sua família pelos membros excomungados ou na saída dos próprios membros da Igreja. Falando pastoralmente, essas duas coisas são ruins.
    • A mudança geracional na questão do casamento do mesmo sexo foi profunda e isso terá consequências. Os jovens de hoje são muito mais propensos a apoiar o casamento do mesmo sexo do que seus pais e a considerá-lo uma importante questão de direitos civis também. Isso significa que as consequências pastorais da excomunhão de membros gays legalmente casados não se limitarão aos membros e suas famílias. Uma geração inteira estará assistindo para ver o que fazemos.

É difícil ver quais objetivos pastorais são alcançados excomungando pessoas por uma orientação sexual, sobre a qual não têm controle, ou por escolherem expressar essa orientação da maneira mais casta, socialmente aceitável, legalmente oficial e espiritualmente positiva disponível para eles. - um casamento monogâmico cometido.

Em quase todos os outros casos que consigo pensar, a disciplina pastoral concentra-se em comportamentos que as pessoas podem mudar e, ao fazer isso, viver uma vida mais feliz. Não pune as pessoas por serem quem são. Precisamos encontrar maneiras de ministrar às pessoas que estão fazendo o melhor que podem nas circunstâncias que prevalecem. Acredito que este seja o segundo motivo mais importante pelo qual precisamos encontrar maneiras de abrir espaço para mórmons gays casados em nossas congregações.

Mas há uma razão ainda mais importante, que outro de meus colegas BCC apontou ontem em seu brilhante post “Erros não forçados. ” Simplificando, precisamos desesperadamente de nossos irmãos e irmãs gays para expulsá-los de nosso meio. Precisamos de suas forças e seus desejos para servir. Precisamos da perspectiva que eles trazem para nossa comunidade e dos dons que eles trazem para o altar de Deus. Se não conseguirmos encontrar uma maneira de usar esses dons, privaremos a nós mesmos e à Igreja daqueles que Deus colocou na terra para fazer alguma obra que Ele não confiou a outros. Se não conseguirmos encontrar uma maneira de permitir que todos façam o trabalho que têm de fazer, todos seremos diminuídos pela ausência. Não podemos nos dar ao luxo de jogar ninguém fora.

Postado em:

Inscreva-se para receber conteúdo como este em sua caixa de entrada!

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

1 comentário

  1. Al Smith em 13/07/2015 às 6:04 PM

    Eu concordo plenamente com o último parágrafo. Ao longo dos anos, ao ver gays e lésbicas exagerarem, percebi que a igreja estava desperdiçando muito talento e devoção.
    Minha paixão são rimas. Meu blog de poesia está vinculado a este comentário. Lá postei poemas sobre muitos tópicos diferentes, mas nenhum louvando a Deus ou ao mormonismo, porque fui excomungado.

Deixe um Comentário