Um ex-bispo sai

Por anônimo
Afinidade, 16:12 [dezembro de 1992]

Quando eu tinha quase trinta anos, fui chamado para servir como bispo de uma ala grande e culturalmente diversa. Por vários anos, mergulhei totalmente no serviço dedicado aos membros da ala e tive muitas experiências gratificantes e promotoras da fé que agora estão indelevelmente gravadas em minha mente. Na verdade, tive tantas experiências espirituais que não podem ser listadas. Eu estava bem preparado para ser bispo, desde líder em meus quóruns do Sacerdócio Aarônico, servindo quase um ano como Assistente do Presidente de Missão, servindo na Presidência do Quórum de Élderes e na Escola Dominical, e sendo conselheiro no Bispado. Sempre fui digno de todas as maneiras de participar da Igreja e de ter uma recomendação para o templo. Eu ainda estou. No entanto, pouco eu sabia (ou queria reconhecer) que a inflamação dentro de mim eram aspectos ocultos de quem eu realmente sou. Eu sou gay

Estatisticamente, cerca de 10% da população masculina está predisposta à atração pelo mesmo sexo. Eles são homossexuais. Dentro da Igreja, isso inclui seus irmãos, filhos, pais, namorados, maridos, professores, bispos e presidentes de estaca. Na maioria dos casos, eles são bons homens que ainda possuem Recomendações para o Templo, que parece ser o padrão de dignidade na Igreja. No entanto, a resolução da própria identidade e orientação sexual, especialmente se for do mesmo sexo, não é fácil, especialmente se se deseja permanecer na Igreja e manter uma família. Essas eram as minhas preocupações. Sou casado e tenho filhos há vinte anos. Um filho está servindo missão atualmente. Embora minha esposa seja minha melhor amiga e companheira, sei desde minha adolescência que sinto atração por homens, embora até recentemente esses sentimentos fossem mantidos bem escondidos e nunca totalmente confrontados. Eu não tinha percebido até agora o quão fortes eram meus sentimentos pelo mesmo sexo. Agora também percebo que os verdadeiros sentimentos heterossexuais não existem. Então, como você reconcilia esses sentimentos internos de quem você realmente é, quando foi tão completamente doutrinado com os ensinamentos e políticas homofóbicas da sociedade e da Igreja?

Por algum tempo, estive extremamente preocupado com as respostas sexuais presentes em minha vida. Cada vez mais, percebia conscientemente que meus interesses sexuais, mesmo que fossem classificados por outros como um casamento heterossexual bem-sucedido, eram de homens, não de mulheres. Por quê? Não sei, mas sei que esses sentimentos são reais e não podem ir embora. Quando busquei interiormente e percebi que era gay, passei por períodos de depressão e dúvidas, que para mim eram totalmente estranhos à minha natureza. Perguntei ao Senhor por que tinha tamanho fardo colocado sobre mim, já que não havia escolhido ter esses sentimentos. Durante esse tempo de reconciliação com meus verdadeiros sentimentos, comecei a examinar minha vida. Percebi que desde minha adolescência eu sentia atração por homens, não por mulheres. Eu não tinha vontade de namorar. A única pessoa com quem namorei foi aquela que demonstrou amor por mim quando eu sentia que ninguém me amava. Ela era minha melhor amiga e acabamos nos casando no Templo. Ela ainda é minha amiga e a mãe de meus filhos. Mesmo que eu sempre tenha sido sexualmente atraída por homens, eu nunca realmente confrontei totalmente esses sentimentos até agora. Agora percebo que nunca tive muita atração heterossexual, embora o casamento tenha sido bom para mim. Eu sei que o casamento não é a solução para muitos mórmons gays. Agora tenho problemas que eles nunca terão. Uma vez que não compreendi totalmente a minha orientação sexual depois de muitos anos de casamento, gostaria de mantê-lo, mas sei que será extremamente difícil, senão impossível, visto que meus sentimentos pelo mesmo sexo são muito fortes. Minha decisão afetará meus filhos que amo. No entanto, percebo que tive algo que muitos homens gays nunca experimentarão: as alegrias de ter uma família.

Sou grato por pessoas dispostas a me ajudar em meio à turbulência que vivi. Eu sou grato pelo livro Pessoas peculiares: mórmons e orientação para pessoas do mesmo sexo, mas foi esse livro, ironicamente, que ajudou a me convencer de quem eu realmente era. Embora eu tivesse suspeitado por muitos anos que pudesse ser gay, não percebi como esses sentimentos eram precisos. Eu me encaixo em todas as classificações que envolvem preferências pelo mesmo sexo. Concluí que provavelmente tinha pelo menos 5,0 na escala de Kinsey, e isso me assustou intensamente. Naquela noite, fiquei tão perturbado emocionalmente que dormi menos de 2 horas em meio a períodos de choro intenso. Acredito que foi durante esta noite que percebi plenamente que sempre tive tendências gays. Eu questionei Deus por quê, por quê, por quê ??? Durante esse tempo, meu apetite diminuiu, meu estômago tinha uma sensação constante de desconforto e eu chorava com frequência em períodos de depressão. Acordei com lágrimas nos olhos e perguntando: ”Por que, se Deus me ama tanto, Ele me faz sofrer por essas coisas que são incontroláveis e difíceis de enfrentar? Por que eu, que tenho sido tão fiel, tenho que ter esse lado sombrio para mim, embora eu saiba que não tenho controle sobre quem eu sou? Por que é tão natural para mim sentir o que sinto pelos homens? Por que esses sentimentos são tão condenados? ” Eu sei que não escolhi ter esses sentimentos! Por que eu deveria? Eles podem literalmente destruir minha vida, inclusive dividir minha família e afetar minha posição na Igreja, até mesmo meu emprego. Eu sei o que sou, mas era mais fácil viver uma mentira do que pegar o touro pelos chifres e encarar esse assunto de frente.

Por fim, havia a questão mais difícil de enfrentar, como posso contar para minha esposa? Cada vez que pensava em contar a ela, desabava e soluçava incontrolavelmente! Como eu diria a minha esposa que a amo como pessoa, como amiga, não como parceira sexualmente íntima? Achei que ela ficaria devastada emocional e sexualmente. Ela era, mas ela tem sido amorosa. Não me arrependo de não ter entendido totalmente a minha orientação sexual até agora porque tive oportunidades de "esconder parte de mim" que muitos de minha orientação nunca chegarão a experimentar, como ser um bom bispo e ser bonito, crianças bem equilibradas. Se meus sentimentos por orientação sexual foram resolvidos anteriormente, como antes ou depois de minha missão, posso não ter casado (na verdade, me sentindo como agora, tenho certeza de que não).

No momento, pelo menos, é difícil imaginar como meus sentimentos pelo mesmo sexo poderiam ir embora. Agora sei que eles estiveram lá para sempre. Eles estão agora na superfície e sendo confrontados, mas não é fácil. Há um grupo de pessoas como eu, que são indivíduos carinhosos e amorosos que só querem ser reconhecidos por serem quem são. Espero que o número de presidentes de estaca e bispos amorosos e compreensivos aumente para ajudar aqueles de nós que desejam ajuda. Saiba que não somos conscientemente responsáveis por nossa orientação sexual. Muitos de nós queremos fazer parte da Igreja que amamos. Somos filhos de Deus e Ele nos ama. Servimos em uma missão honrosa e honramos diligentemente nosso sacerdócio desde a juventude.

Agora sei quem eu realmente sou. Eu sei que sou um filho de Deus. Ele é meu pai. Por que sou gay? Não sei, mas fico feliz em saber quem sou porque não preciso mais me questionar. Deus se agrada quando fazemos o melhor com as circunstâncias que nos rodeiam. Estou convencido (por meio de orações e outros sentimentos pessoais) de que Deus me ama, embora eu seja gay. Não me sinto uma pessoa má. Recebi respostas às minhas orações e tenho a certeza interior de Sua aceitação. Fico feliz em dizer que agora tenho muitos amigos gays. Alguns ainda estão na Igreja, mas alguns foram expulsos. Espero poder ajudar alguns daqueles que buscam se entender melhor e têm dificuldades com a orientação para o mesmo sexo. Como filhos de Deus, eles precisam se sentir amados. Como membro da Igreja, terei como objetivo de vida ajudá-los a se sentirem necessários e apreciados. Eles têm muito a oferecer.

Espero poder sobreviver à turbulência e aos desafios pelos quais devo passar por causa da minha homossexualidade. Acredito que, para ser verdadeiro comigo mesmo e com Deus, devo viver minha vida sem pretensão e com toda a honestidade, mesmo que isso signifique vivê-la sozinho. Farei o que achar correto e apropriado para mim e minha família. Não importa o que aconteça, minha vida nunca mais será a mesma, nem minha família, a quem amo.

Também percebo que, por um terrível capricho do destino, minha história também pode ser sua.