Tania Micaela vai para a Sociedade de Socorro

8 de dezembro de 2017

Tania Micaela Transgender Argentina

Tania Micaela

Por Roxana López, Presidente da Afirmação Argentina
Traduzido por Joel McDonald

Tania é uma jovem transgênero argentina que vive na província de Chaco. Por um longo tempo, ela ficou longe da comunidade Mórmon para evitar confusão durante a transição. Ela deseja ser uma profissional e trabalhar como professora de inglês.

Por muito tempo, ela meditou sobre como realizar o desejo de voltar à igreja. Ela temia o que aconteceria se ela voltasse como uma mulher transgênero, e recuou da ideia de retornar muitas vezes. Sua espiritualidade não mudou com seu gênero. Ela sempre se sentiu unida à Igreja por meio de seu testemunho. Foi seu testemunho que manteve vivo o desejo de voltar para a Igreja, mas ela esperou o que sentiu ser o momento certo e que surgissem respostas sobre como deveria proceder.

A Decisão de Retornar à Igreja

Em 12 de novembro, ela deu o primeiro passo em direção à bênção de retornar à igreja. Por algum tempo, Tania sentiu que não poderia avançar pessoalmente. O mais importante para ela era compreender os pais. Ela sentiu que retornar à Igreja permitiria que ela se inspirasse e resolvesse, de uma vez por todas, seu relacionamento com a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

Bons amigos desempenhavam um papel importante em sua vida, e sua força motriz era o desejo de progredir. Ela não queria aplausos, mas queria ser confiável, respeitada e ter certeza enquanto avançava em direção a seu tão esperado objetivo. Freqüentemente, os mórmons LGBT são questionados: “Por que você insiste em ficar em um espaço onde não é compreendido e muitas vezes é excluído?” Para Tania, a resposta a essa pergunta é muito simples de responder:

“O evangelho é verdadeiro, é por isso que quero ficar lá.”

Seus pais, seu apoio

Ninguém nunca disse que seria fácil para uma pessoa LGBT ser um membro ativo desta igreja. Nessa história, os pais de Tania foram seu apoio. Eles fornecem a ela o apoio necessário para perseverar em sua fé e religião. Seus amigos e outras pessoas que o conhecem na Igreja o encorajam e motivam com palavras de amor e motivação. O presidente do ramo de Tania ficou surpreso com seu desejo de retornar à Igreja e foi educado sobre as questões LGBT na Igreja.

Tania mostra interesse nas discussões e compartilha seu testemunho onde expressa seu relacionamento com o Pai Celestial. Ela não perdeu seus direitos como membro da Igreja até agora. Hoje, ela está se preparando para se tornar ativa na Sociedade de Socorro de seu ramo. Ela organizou sua vida para ser mais segura, estável e é fortalecida por seus pais que a acompanham em seus esforços para progredir pessoalmente. Cada membro envolvido sem dúvida crescerá espiritualmente por meio disso.

Da Afirmação Argentina aos Líderes SUD

Nossa afirmação: Mórmons, famílias e amigos LGBT Argentina. Estamos muito felizes e gratos pela boa disposição das Autoridades da Igreja na Argentina. De nossa organização, pedimos a todos os líderes, professores e irmãos que forneçam sua compreensão e todo o apoio necessário para as pessoas que se identificam como mórmons LGBT que permanecem dentro da Igreja. Pedimos que não se sintam ameaçados ou intimidados, eles estão diante de um ato de puro amor ao verdadeiro evangelho.

Sabemos que eles podem estar inseguros porque estão passando por um processo de aprendizado, um aprendizado de que somos todos filhos de um Pai que nos ama e ninguém pode ser excluído ou proibido de se aproximar do Senhor. Seja respeitoso, compreensivo, atencioso e grato por ter uma pessoa LGBT ativa em suas capelas com um desejo intenso de cumprir os princípios do evangelho e da doutrina sem criticar ou modificar nada.

Como pessoas LGBT, não sabemos porque nascemos assim e, enquanto aguardamos a resposta, devemos continuar com nossas vidas da melhor maneira que pudermos. Nossos desafios não são simples de entender e é por isso que pedimos aos líderes que cuidem de suas palavras, pois elas podem causar feridas mortais àqueles que desejam sair de seu abismo. Nossa luta não é contra a Igreja, mas contra a depressão e a dor que é causada pelo vazio de não sermos ouvidos ou compreendidos, quando somos abandonados ou quando se mostra desinteresse, ou quando pedimos ajuda.

Nosso jeito como pessoas LGBT

Pedimos sua empatia. Temos que passar por grandes desafios onde nossa auto-estima e aceitação pessoal estão em jogo. Mas, primeiro, devemos definir que tipo de pessoa queremos ser, quer continuemos ou não na Igreja.

Mesmo que decidamos que devemos nos separar da religião, fazemos isso para viver uma vida saudável, sem conflitos, desejando progredir pessoalmente. Estudamos, trabalhamos e às vezes formamos famílias. Educamos irmãos e cuidamos de nossos pais com gratidão pelo amor que eles nos dão. Fazemos todo o possível para preservar nossas famílias.

Nosso Trabalho como Afirmação Argentina

Não temos nenhum relato de discriminação contra pessoas LGBT dentro da Igreja Mórmon na Argentina. Felizmente, não recebemos notícias de tentativas de suicídio que causem alarme na comunidade. Desejamos muito dialogar com as autoridades e encorajar os pais e parentes a não abandonar seus filhos LGBT. Incentivamos os membros de nossa Afirmação a manter um espírito de gratidão e solidariedade a todos aqueles que desejam discutir nossos objetivos. Consideramos que todas as pessoas que têm um testemunho do Evangelho e da história acreditam que cada pessoa tem valor e que todos merecem a oportunidade de viver em harmonia da melhor maneira possível, sem causar mal a ninguém.

Receba o boletim eletrônico da Afirmação com conteúdo como este em sua caixa de entrada!

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Deixe um Comentário