Imagine Dragons ‘Dan Reynolds Enfrenta a Posição LGBTQ da Igreja Mórmon

6 de diciembre de 2017

Por Andrew Barker

Da revista VARIETY

Tradução Luiz Correa

 

O líder da Imagine Dragons, Dan Reynolds, teve uma semana cheia de acontecimentos. Na terça-feira, sua banda obteve sua quarta indicação ao Grammy na carreira para o terceiro álbum da Platinum, “Evolve”. E hoje, ele está anunciando um documentário vinculado ao Sundance, do qual ele é um produtor executivo, “Believer”.

 

Dirigido por Don Argott e produzido via Live Nation Productions, “Believer” não é um documento de rock típico. Acompanhando o concerto de beneficente de August LoveLoud Fest de Imagine Dragons em Orem, Utah – que beneficiou as organizações de direitos dos homossexuais GLAAD e o Projeto Trevor, entre outros – o filme examina mais amplamente o tratamento da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias aos Membros do LGBTQ.

 

“O mormonismo é mais do que apenas uma religião, é minha cultura, é minha vida, é toda a minha família”, diz Reynolds a Variety. “Então, isso é algo que tem pesado em meu coração e mente por um longo tempo, e vi como é destrutivo e prejudicial ensinar aos nossos filhos que ser gay é pecado”.

 

Reynolds foi criado na doutrina Mórmon e experimentou seu primeiro gosto do que ele chamou de “confusão” religiosa quando ele foi expulso da Universidade Brigham Young uma semana antes do início do ano de primeiro ano, depois de ter admitido relações sexuais antes do casamento com a namorada do ensino médio. Ele conseguiu se reincercer um ano depois, e completou uma missão no Nebraska, mas ele teve outro despertar rude nos primeiros dias da Imagine Dragons quando conheceu sua futura esposa, colega músico Aja Volkman, em um concerto em Los Angeles. Os dois melhores amigos e companheiros de quarto de Volkman eram homossexuais e Reynolds lembrou que eles estavam “muito chateados” ao saber que seu amigo estava namorando um Mórmon, logo após a liderança da Igreja ter lançado a  proposta 8 da lei contra o casamento gay da Califórnia.

 

“Eles sentiram que minha esposa tinha se casado com a antítese do que eles estavam lutando”, lembra Reynolds. Tornou-se cada vez mais franco sobre os direitos dos homossexuais na Igreja – freqüentemente chamando a atenção para a alta taxa de suicídio na adolescência em Utah – e planejava que o benefício LoveLoud fosse realizado imediatamente ao lado da base de BYU da Provo. Para sua surpresa, a própria Igreja emitiu um comunicado de apoio ao concerto, que ele chama de “um passo”, e dá-lhe esperança de que a mudança institucional seja possível.

 

“Se os líderes não mudarem seus ensinamentos, são os membros que têm a dizer” isso não parece certo, e não estamos bem com isso “, diz ele. “Uma grande coisa sobre o mormonismo é que eles acreditam na revelação contínua, que Deus ainda fala com os profetas, e então eles tiveram mudanças na Igreja. Eles não praticam a bigamia mais, como fizeram nos primeiros dias, porque Deus disse ‘tudo bem, os tempos mudam, precisamos mudar’. Nos primeiros dias da Igreja, os negros não podiam se juntar ao sacerdócio e Deus desceu e disse que tem que mudar. ”

 

Com “Believer” programado para estrear em Utah, em Sundance, Reynolds espera que continue a forçar a discussão dos direitos dos homossexuais no Mormonismo em uma escala maior. “LoveLoud atingiu 20 mil pessoas em Utah, o que é muito pequeno em comparação com o número de pessoas que precisam ser alcançadas. Eu acho que a razão pela qual o filme precisa acontecer é porque eu sinto que isso é uma maneira que ninguém pode se esquecer “.

 

 

Publicado en:

¡Reciba el boletín electrónico de Afirmación con contenido como este en su bandeja de entrada!

  • Este campo tiene fines de validación y no debe modificarse.

Comentarios de 4

  1. Gabriel Ferreira en 05/06/2018 en 8:20 AM

    Mudar uma prática não é mudar uma doutrina, e essa não mudará nunca. Quer seja hétero ou homossexual, sempre existirá relações sexuais que fora dos laços do matrimônio serão consideradas pecaminosas e não vai ser a vontade do povo que mudará isso.

    • Luiz Correa en 14/08/2018 en 10:14 AM

      Olá Gabriel, a causa LGBT ela é muito maior que simplesmente sexo, nós lutamos por direitos de sermos quem somos como pessoas e como filhos do Pai Celestial, não estamos lutando contra doutrina de nenhuma religião, respeitamos a todas as doutrinas, inclusive a nossa que é a mórmon.

    • Aurélio en 03/02/2019 en 4:45 PM

      Cara, eu nasci na religião mórmon, e nasci gay, e sei como é terrível esse sentimento, não é brincadeira essa questão do suicidio, desde antes dos meus oito anos, lembro que quando eu tava chegando perto de me batizar em pensava continuamente em me matar pra não ir pro inferno, e até os meus 18 anos eu me torturei nessa questão da minha sexualidade, assim como amigos meus héteros e mórmons e amigos meus gays e mórmons, que serviram missão, que acreditam no que se ensina lá, varios já perderam a virgindade antes de se casar, meu amigo hetero pode se arrepender e fazer missão, meu amigo gay perdeu a virgindade depois da missão, mas um pode continuar guardando os mandamentos e quando se casar ter uma vida perfeitamente normal na religião que ele segue, e meu amigo gay não pode, eu já nem faço questão por que realmente não acredito e não pertenço mais a religião, mas eu sei o quanto é nocivo ser gay e adolescente nessa igreja, o quanto isso faz mal, e até hoje eu sofro com essa questão por causa da minha família e outros traumas que me foram causados, até pq de 20 anos que tenho, apenas 2 anos eu venho trabalhando isso comigo!

      • Luiz Correa en 02/10/2019 en 10:11 AM

        Aurélio sua história é muito comum entre a comunidade mórmon lgbt, alguns tem mais facilidade para se aceitar e entender que isso não é um erro, outros acabam sofrendo muito chegando ao extremo que é o suicídio. Espero que você esteja bem com tudo isso na sua vida e saiba que independente de você estar ou não dentro desta ou aquela igreja o Pai Celestial nos ama e podemos ter a certeza que somos seus filhos amados.

Deja un comentario