Ir para o conteúdo

A luta pela auto-aceitação

Luiz correa

8 de maio de 2016

Por luiz correa

Luiz correa

Luiz correa

Nasci em 1967. Um ano e meio depois, perdi minha mãe, que se suicidou. Meu pai se casou novamente e eu fui morar com ele e sua nova esposa quando eu tinha 4 anos. Até os seis anos, acreditava que aquela mulher era minha mãe. Um dia depois de abraçá-la e dizer que amava minha mãe, ela me jogou no chão e disse que não era mãe de um garoto de pele escura e que minha mãe havia se matado. Depois daquele dia, clamei a Deus para me proteger. Sempre o culpei pela vida que levei, sem esperança e sem amor de mãe. Freqüentemente, orava para que Deus me levasse porque não conseguia suportar tanta dor física e psicológica. Com o tempo, também descobri que havia algo diferente em mim. Desde o início, fui atraído por meninos e não por meninas.

Em 1985, Deus respondeu às minhas orações e enviou à minha porta dois missionários Mórmons que me apresentaram o evangelho de Jesus Cristo. Em março do mesmo ano, tornei-me membro da Igreja de Jesus Cristo. Senti que aqui estava a resposta às minhas orações durante anos. Pouco depois, tive meu próprio testemunho da igreja e de toda a doutrina. Em meu coração, senti um forte desejo de servir ao Senhor, mas antes disso servi meu país por um ano no exército.

Em maio de 1987, fui para a Missão Brasil Brasília e servi com honra até maio de 1989. Voltei para casa e comecei a servir ao Senhor em meus numerosos chamados, sempre trabalhando duro como professor do seminário, professor da escola dominical, líder da missão da ala e primeiro conselheiro no bispado. Mas faltava um chamado maior, o do casamento eterno. Eu sabia que precisava fazer isso, mas meu coração e minha mente disseram não, sabendo quais eram meus desejos interiores. Depois de muita pressão dos líderes, acabei me casando em fevereiro de 1996 e fui selado a minha esposa no Templo do Senhor.

Em 1997 nasceu minha filha Gabriela, que hoje tem 19 anos. Ainda tenho uma enteada de 22 anos. Após 4 anos de casamento, meu coração estava fortemente pressionado por meus desejos secretos, e não querendo decepcionar minha esposa e meu chamado, finalmente terminei meu casamento e gradualmente deixei a igreja sem contar a ninguém os motivos que me levaram a tal atitude .

Houve momentos e dias muito difíceis para mim, porque ainda não me aceitava como gay. Tentei três vezes tirar a minha vida, depois de uma das tentativas fiquei inconsciente por três dias sozinho em casa. Levei algum tempo para me aceitar como sou. Por muitos anos, pedi ajuda ao Pai Celestial para mudar, tendo feito minha parte na missão de tempo integral, casando-me no templo e servindo em Sua igreja com dignidade.

Descobri que queria algo que o Pai não queria.  Ele sabia que era eu e que eu precisava me aceitar como sou. Agora sou um filho gay de Deus que ama o evangelho de Jesus Cristo, que tem a aceitação das minhas filhas, que me apóiam e cultivam um carinho especial pelo parceiro com quem estou há oito anos. Depois de alguns anos de separação, minha ex-mulher se declarou gay e se casou com uma mulher. Em tudo isso tenho um respeito enorme pelas minhas filhas Gabriela e Thays. Eles aprenderam a lidar com toda essa mudança em sua família - completamente fora dos chamados padrões normais da sociedade - e a nos apoiar como pais gays. Por muitos anos lutei, primeiro para ter o amor de alguém que me desprezava. Então lutei para ser alguém que não era, depois lutei para aceitar quem realmente sou.

13153238_1090979074273962_1962053210_n 13199367_1090979184273951_383657467_o

Busquei na Igreja o que Jesus Cristo disse em Mateus 11:28: “Vinde a mim, todos vós que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei”. Ele me aliviou. Ele me ajudou a saber que eu sou quem eu sou. Não deixei de ser filho dele por ser gay. Posso ter sido abandonado nesta vida por pais terrenos, mas meu Pai celestial nunca me deixou. Ele me ajudou a superar barreiras e dificuldades. Sempre senti sua mão em mim nos momentos em que não tinha forças, quando desisti. Ele não queria que eu deixasse esta terra.

Tenho um forte testemunho de que Deus vive e que Jesus Cristo é meu Salvador. Eu sei que ele me ama como eu sou. Como diz minha bênção patriarcal, sou um vaso valioso aos olhos de Deus e ninguém pode dizer o contrário. Eu sei que o Pai tem um propósito para mim aqui nesta terra, que é servi-lo. Depois disso, tenho um grande testemunho do evangelho restaurado. Eu conheço o amor incondicional do Pai por todos os seus filhos, sem distinção de qualquer espécie. Eu sei que o amor de Cristo pode mudar pensamentos e atitudes. Acredito que, pelo dom da palavra e pela paciência, todos seremos abençoados com o amor fraterno e incondicional de Cristo. Sei que o Pai Celestial nos ama, que Cristo vive e que cada um de nós aqui presente na Terra são seus filhos amados. Deixo este meu testemunho em nome de nosso Senhor Jesus Cristo. Amém.

944826_519148348182857_213040125_n

Caro leitor, ao encerrarmos 2022, considere apoiar nosso trabalho para ser um refúgio para LGBTQIA+ atuais e ex-santos dos últimos dias e seus familiares e amigos para pousar, curar, compartilhar e ser autêntico. Seu generoso apoio hoje ampliará nossa capacidade de afirmar o valor próprio inerente dos indivíduos LGBTQIA+ e apoiá-los conforme eles definem sua espiritualidade individual. E, graças a um doador generoso, sua doação hoje será dobrada até atingirmos nossa meta de desafio de correspondência de $30.000. Por favor DOE agora.

Deixe um Comentário





Role para cima