A reversão da política de exclusão não significa nada para mim, o dano está feito

6 de abril de 2019

Cesta de lixo de papel amassado

por Craig Willmore

Submetido à Afirmação após a reversão de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias de suas mudanças de política de novembro de 2015 que proibiam filhos de pais LGBTQ de serem abençoados e batizados e caracterizavam membros da igreja que se casavam pelo mesmo sexo como apóstatas. Essas mudanças se tornaram conhecidas na comunidade LGBTQ Mórmon como a "política de exclusão", "política de exclusão" ou "PoX". No dia seguinte ao anúncio da reversão desta política, Nathan Kitchen, Presidente da Afirmação, convidou todos os que estivessem dispostos a compartilhar seus sentimentos autênticos e todas as suas histórias de pesar, raiva, alívio, tristeza, felicidade, confusão, o que quer que seja que esteja ao redor a rescisão desta política. “Como presidente da Afirmação, quero ter certeza de que a Afirmação não esconde você ou suas histórias à medida que avançamos”, escreveu Kitchen em seu convite. Se você tiver reações ou uma história para compartilhar sobre a reversão da política de exclusão, envie para [email protected]. Você também pode leia outras histórias e reações à reversão da política de exclusão.

Contexto: Fui rapidamente excomungado da igreja em meados de agosto de 2001. Lutei por um ano com a dor e a dor de ser exilado da igreja e dos membros. Essa era a única coisa que eu sabia era morar na igreja. Eu realmente não queria voltar para a igreja porque sabia que nunca seria capaz de corresponder às suas exigências, além disso, a reação dos membros da ala me ajudou a decidir que eu nunca queria estar associado a esse tipo de pessoa. Fiquei ferido, mas juntei os cacos e comecei a olhar para frente. Eu ia à igreja apenas quando um de meus quatro filhos estava envolvido em algo especial. Em minha carta de excomunhão, foi declarado especificamente que eu não poderia tocar órgão, piano ou cantar em qualquer coro da igreja sem a aprovação específica do Bispo. Um ano depois de minha excomunhão, minha filha mais velha atingiu a maioridade para ser batizada e pediu-me que tocasse piano em seu batismo. Minha ex-esposa conversou com o bispo para obter permissão e ele negou-me o direito de tocar em seu batismo. Fui mesmo assim para apoiar minha filha. Nunca tive permissão de tocar piano em nenhum batismo, ordenação ou despedida de missão de meus filhos. Cada vez era um punhal no coração e na alma, acrescentando frustração e raiva à igreja. Eles, a igreja, estavam punindo meus filhos por eu ter sido excomungado.

Avance para 3,5 anos atrás. A igreja faz uma declaração horrível de que os filhos de um casal gay / lésbico não podem ser batizados nem ordenados no sacerdócio até que atinjam a idade de 18 anos. Além disso, qualquer membro que atualmente vive com um parceiro do mesmo sexo é rotulado como apóstata. Que título severo para atribuir às pessoas que estão apenas tentando viver e amar a pessoa com quem encontraram um vínculo. Foi nesse momento que soube que a liderança da igreja falava com a mente e não com a vontade de Deus. Isso vai até mesmo contra uma das Regras de Fé escrita por Joseph Smith: “Acreditamos que o homem deve ser punido por seus próprios pecados e não pelas transgressões de Adão”. A igreja estava punindo descaradamente crianças inocentes por causa de seus pais gays / lésbicas que moravam juntos. Fiquei particularmente preocupado com meu filho, que tinha 16 anos na época e estava planejando ir para a missão e se o presidente da estaca o proibiria de servir porque seu pai morava com seu marido legalmente casado.

Conheci um casal de lésbicas na vizinhança que mandava os filhos à igreja aos domingos porque queriam ir com as amigas da escola. Esse anúncio os abalou e eles pararam de enviar seus filhos à igreja. Meus vizinhos SUD ficaram mortificados com o anúncio e fizeram todos os esforços possíveis para que nos sentíssemos amados e bem-vindos nas reuniões da ala. Deus os abençoe porque eram mais semelhantes a Cristo do que muitos.

Meu pensamento no anúncio há 3,5 anos foi: “Isso não é possível!” Deus nunca faria isso com um amoroso casal gay proibindo seus filhos de participarem de uma igreja que contém o nome de seu filho. Deus tem tudo a ver com amor. Uma igreja deve ser um hospital para os espiritualmente fracos. Um lugar para aprender sobre Deus, um lugar para refúgio, um lugar para cantar louvores a Ele nas alturas. Esta igreja se tornou a igreja da exclusão e alienação dos filhos de seus amigos, dividida entre os membros da família. Minha mente disse alto e claro que isso não era certo, não era a vontade de Deus. Isso foi proposital e intencional para tentar usar o medo para coagir as pessoas a mudarem quem são para se encaixar no molde da igreja.

4 de abril de 2019, a “não mais Igreja Mórmon” retrata sua declaração sobre os filhos de casais gays / lésbicos, permitindo que eles agora recebam as ordenanças e bênçãos oferecidas pela igreja, e nós, como casais gays / lésbicas, não somos mais rotulados como apóstatas , entretanto, esses lindos e amorosos casais de gays / lésbicas, como pais, ainda são tratados como adúlteros, embora muitos de nós sejamos legalmente casados. No minuto em que desejo tocar o pênis de meu marido ou ter relações sexuais com esse homem que amo, sou considerada pecadora e adúltera. Como a igreja pode me dizer que sou um pecador quando tenho intimidade com um homem a quem amo e com quem sou legalmente casada? A igreja admitiu que muitos GLBTQ nascem assim e desejam nos abraçar e amar. Por que para aí com as palavras? Por que sempre há uma exceção às regras da igreja com GLBTQ?

A decisão da igreja de rescindir a declaração de 3,5 anos atrás é enfurecedora, para dizer o mínimo. Como você começa a consertar os corações partidos e as almas daqueles cujos filhos foram engolidos por ex-namorados que não aprovavam relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo e, portanto, usaram isso para separar os filhos dos pais gays / lésbicas? Como você traz de volta a vida daqueles que sofreram tanto que não viram outra saída senão o suicídio? como você conserta a dor no coração e o vazio criado entre a família e os amigos por causa dessa afirmação há 3,5 anos? VOCÊ NÃO PODE e VOCÊ NÃO. A mágoa, a dor, o dano está feito. Eu ouvi e vi muitos posts ontem e hoje pedindo que a igreja fizesse um pedido de desculpas, mas eu pergunto: “Que bem isso faria?” Booo a você, Igreja, por tomar uma decisão irracional há 3,5 anos com base nos sentimentos dos chamados profetas e não na vontade de Deus ou no seu amor. Não odeio a igreja, mas não tenho respeito por ela hoje. Quatro anos atrás, eu ainda tinha algum respeito pela igreja. Hoje, eu tolero a igreja porque dois dos meus quatro filhos ainda acreditam e um é missionário. Dois de meus filhos ficaram arrasados com a igreja e seus membros, que os trataram tão mal como adolescentes porque têm um pai gay, então não querem ter nada a ver com a organização.

O que o anúncio de 4 de abril de 2019 faz por mim? NADA. Estou com raiva, estou magoado, estou preocupado com aqueles que perderam o amor, perderam a esperança, perderam a conexão com a família, perderam um ente querido para o suicídio. Eu costumava ter a igreja na mais alta estima. Eu acreditei em tudo que saiu da boca dos irmãos e fiz tudo o que me foi dito para fazer para que pudesse sentir o amor de Deus e ter um lugar no céu com ele. Agora eu olho para a igreja como a Grande e Abominável Prostituta do mundo que é falada nas escrituras que conduz seu 'povo por uma estrada de alta e poderosa, atitude mais santa do que tu, rindo e zombando daqueles que não participam da igreja .

Lamento que isso seja rude e doloroso para muitos ouvir e ler, porque sei que muitos de vocês ainda acreditam e isso é ótimo. Fico feliz que você acredite. Para mim e para minha casa, acreditamos em um Deus de Amor. Acreditamos que fomos criados à imagem de Deus e devemos ser GLBTQ. Acreditamos que existe um lugar no céu para cada um de nós. Acredito que cada um de nós é lindo e especial e necessário para que este mundo funcione normalmente. Elogio meus irmãos e irmãs de sangue por trabalharem juntos nos últimos 17 anos para finalmente aceitar meu marido e eu como maridos e gays. Não foi fácil para eles, especialmente porque são muito SUD. Eles conseguiram separar a igreja e a família. Eu não sinto nada além de amor por eles. Sinto amor e compaixão por meus amigos e pessoas que nem conheço que estão sofrendo por causa da forma como têm sido tratados pela igreja ou por membros da igreja que não entendem o que é ser GLBTQ.

Acredite em você. Se você quiser, acredite na igreja SUD ou em qualquer outra igreja, mas por favor, por favor, por favor, acredite que você é um filho de Deus e que Deus o ama de qualquer maneira.

Postado em: ,

Inscreva-se para receber conteúdo como este em sua caixa de entrada!

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

4 comentários

  1. Rob J em 06/04/2019 às 11:20 AM

    Amém! Verdade crua no seu melhor! Eu mudei e eles se não importavam em minha vida e felizmente meus filhos deixaram esta empresa fútil que se auto-engrandeceu - ela não deveria mais ser chamada de igreja. Não é e certamente não pode professar seguir a Cristo. Os líderes não se importam com o que fizeram! Isso por si só já deveria ser prova suficiente de a quem eles realmente servem - a eles mesmos e o pai das mentiras. Eles mentiram e enganaram muitos de nós, mas não mais, eles são vistos pelo que são - não cheios de caridade para com todos, mas cheios de orgulho e o fel da amargura. Haverá muitos para falar contra eles no dia do julgamento

  2. Susan HM em 06/04/2019 às 12:16 PM

    Jesus deu o último e mais fácil teste de tornassol: por seus frutos os conhecereis. Eu deixei. Não sou LGBTQ, mas tenho pessoas que amo muito que são. Parece que a Igreja SUD precisa deixar de fora as pessoas simes, começando com nossos irmãos e irmãs negros. Agora são irmãos e irmãs LGBTQ. Ninguém é menos aos olhos de Deus. Meu Deus é seu: um Deus de amor. ❤️

  3. Michael Haehnel em 06/04/2019 às 8:38 PM

    Continuo com a Igreja, mas sei que não é a coisa certa para todos. Mas não sinto mais nenhum sentimento de lealdade para com a Igreja. Não sinto que devo mais nada à Igreja. A Igreja nos rejeitou clara e claramente. Não há racionalização ou argumento complicado que possa mudar isso. Bom para você por encontrar paz, companheirismo e apoio de sua família. Isso é o que conta. Na verdade, estar na Igreja não significa mais nada. Isso costumava significar tudo, mas agora não significa nada para mim.

  4. Cambria em 07/04/2019 às 9:57 PM

    Deus nos ama. Eu acredito que porque Deus nos ama, Ele nos deu o evangelho. Seus profetas são pessoas que às vezes cometem erros - Cristo era o único perfeito. Ainda há muito bem que o evangelho traz à vida.

Deixe um Comentário