Cantando na igreja uma década depois de ouvir que eu não poderia ser gay

1 de março de 2015

Rance Wright

por Rance Wright

Recentemente, fui convidado a compartilhar minhas idéias sobre ter a chance de cantar na igreja. E por que depois de 9 a 10 anos sendo dito pelos líderes da igreja que eu não era digno devido ao meu estilo de vida abertamente gay, isso foi tão importante para mim. Aqui está um pequeno vislumbre desse momento para mim.

Em primeiro lugar, sim, foi muito importante para mim, pois tudo sobre o meu testemunho em minha vida foi baseado na música. Sinto Deus perto quando canto. Sei que Ele existe por meio desse talento superior que recebi por meio da voz. Cerca de 9 a 10 anos atrás, quando eu estava sendo desassociado da igreja por levar um estilo de vida gay ativo, um dos sumos conselheiros da Estaca St. George East conhecia meu amor por cantar e me disse que continuar a tocar seria apenas ajude-me a ser gay. Ele decidiu que eu não deveria cantar enquanto estivesse ativamente buscando o estilo de vida gay. Tudo o que o conselho ouviu, e me disseram, era que eu não podia mais cantar na igreja. Ele me disse que os gays são encontrados principalmente na minha escolha de carreira. Todos nós sabemos como isso NÃO é verdade. Eu soube naquele momento que o que ele estava dizendo não era de Deus. Então, minha fé nos líderes da minha igreja começou a diminuir. Comecei a perder a fé. E de certa forma, comecei a perder Deus de vista.

Quando criança, fui molestado pelo meu chefe dos escoteiros, então isso não ajudou em nada a causa. Isso confundiu minha essência como ser humano. Envolvi-me com drogas, álcool e comportamentos selvagens sexualmente. Eu estava procurando qualquer forma de aceitação e amor. E eu definitivamente não poderia encontrar isso na Igreja Mórmon. Ainda não consigo encontrar isso na Igreja Mórmon, infelizmente. Eles não criaram nenhuma orientação ou esperança para os gays.

Quando cantei há duas semanas no ramo de adultos solteiros na cidade de Nova York ... foi como se o público tivesse dado uma olhada nos últimos 20 anos da minha vida. No momento em que abri minha boca e comecei a cantar (chorar / falar) essas palavras “Onde posso buscar a paz ...” Eu literalmente pedi a Deus. Por vinte anos estive literalmente sem. Ao longo da peça foi ficando cada vez mais forte, pois senti o apoio dos meus amigos. Depois que terminei, muitos olhos se encheram de lágrimas. Virei-me para sair do pódio e o conselheiro da estaca pediu que ficasse e compartilhasse por que aquele momento me tocou tão profundamente. Comecei com “Bem, sou gay” e compartilhei uma história simples.

Naquele dia, quase 32 amigos meus da Afirmação e de todas as esferas da vida apoiaram este momento importante da minha vida. Dobramos a frequência daquela filial naquele dia. Nunca poderei agradecer a meus amigos e Jon Pinney o suficiente por compartilharem este lindo dia comigo. Vocês, meus amigos, estão onde vejo a luz de Deus. Pois como você, Deus vem sem nenhum julgamento de mim, ele me ama incondicionalmente e me ama por ser o GAY imperfeito lindo que eu sou. Deus acelere, queridos amigos.

Postado em:

Receba o boletim eletrônico da Afirmação com conteúdo como este em sua caixa de entrada!

6 comentários

  1. Roger Cazier em 01/03/2015 às 11:57 PM

    Fui criado na cidade natal de seus pais. Sua mãe me tratou como se eu fosse alguém, em um momento da minha vida em que não me importava muito. Temos permanecido bons amigos ao longo dos anos aqui em St. George.
    Eu estava conversando com uma amiga sobre a raiva que sentia por uma de minhas filhas que não viveu uma vida ótima, percebi que também sou pecadora e não queria que o Pai Celestial ficasse com raiva de mim. Na verdade, senti seu amor e perdão muitas vezes, então eu sabia que era errado sentir raiva. Este amigo explicou: “O Pai tem um plano para todos nós, Jesus veio para pagar todas as nossas dívidas, Ele vai compensar onde ficamos aquém, todos nós temos falhas, que o reino celestial não tem a forma de uma pirâmide, mas o contrário, que o reino celestial será mais pleno do que os outros reinos, porque o pai deseja estar com o maior número possível de filhos. Continue trabalhando em sua fé. A música é uma ótima ferramenta pela qual podemos sentir o espírito. O Pai irá abençoá-lo se você exercer fé nele, ore, pois a oração é a chave do céu.

  2. Patrick em 02/03/2015 às 12:39 AM

    Experiência incrível, meu caro amigo.
    É muito, muito bom ler histórias como nossas.

    Pd. Você tem os olhos azuis mais incríveis.

  3. John Arnaldi em 02/03/2015 às 8:47 AM

    Obrigado por compartilhar seus muitos dons. Obrigado por continuar a cantar sua verdade com tanta coragem. Grandes abraços!

  4. Max em 03/03/2015 às 8:34 PM

    Eu nem sei o que quero comentar, exceto que me sinto da mesma maneira. Música é minha vida. Eu cantava na igreja a cada dois meses enquanto crescia. Eu amo isso.
    Eu me sinto um covarde porque tenho 30 anos e sou gay e só contei a 2 amigos por medo de como as pessoas reagirão. E isso só aconteceu nos últimos dois meses.
    Acho que quero agradecer por compartilhar essa história. Isso me faz sentir um pouco menos ... sozinho.

  5. alan em 09/03/2015 às 9:15 PM

    Comovente absolutamente! Eu definitivamente me identifico. Alguma filmagem de vídeo?

  6. Sergio Oscar Alunni em 16/12/2020 às 10:08 AM

    Mi querido Hermano y si me lo permite amigo Rance y todos los que aqui lean mi saludo: ele foi bautizado y recibi el sacerdocio de Aaron mis 17 años en Argentina, en lo que en ese momento era el Barrio de Moreno con una unica Capilla… la que vi construirse asi como el Templo de Ezeiza el primero de mi pais… fui traicionado por um companheiro de trabalho al que siendo miembros SUD le confese mi preferencia gay y al poco tiempo yo un joven mormon de 19 años el un adulto de mas de 44 fue llamado como Obispo en mi cmunidad… recibi en el lugar de trabajo por parte de uma amenaza de que seria excomulgado de la iglesia por ser gay… por joven inexperto me asuste y déje de asisitir a la capilla y me aleje de la Iglesia hasta hoy 14 de diciembre del 2020 teniendo 54 años… viviendo mi vida de uma manera etica y moral… .como cualquier ser humanos y de manera Cristiana… pero algo que no puedo saber como explicarlo… llegue a Afimacion y retome contacto com la Iglesia nuevamente … .Al dia de hoy estoy en proc eso de reincorporarme de manera actvia… pero como desapareci tantos años de la Iglñesia estan investigando mi situacion real: por lo que aun não sabemos si fui excomulgado aunuqe jamas me llamaron uma reunião disciplinaria ni fui notificado sobre nada… en los registros de la estaca no hay datos mios… asique ahora averiguaran en estos dias en la iglesia en el centro de datos geenrales para ver si hay algo sobre mi… .Actualemnte vivio hace años en La ciudad de Quilmes (Barrio Quilmes 3) miispo de 29 años un joven ex misionero con una viison mas moderna y adecuada também tiempos actuales… se ha mostardo muy feliz de ayudarme a regresar… mi relacion con los misioneros es alta ya veces oficio como un misionero de barrio a ellos… .si bien no hemos alcarado mi persona como un miembro Gay… na comunidade se lo saben las autoridades… sim, ele recibido por ahora mas que amistad y muy buena acogida…

    E estos años que ele vivido me recibi como Licenciado en Teologia y me especialice en Teologia QUERR-LGTBIQ y comparto estas cosas con mi obispo y misioneros… los que la reciben muy bien y me agradecen les coaprta otra mirada y tambien les comarto mucho material sobre Afirmacion….

    En lo personal me, ele fez sentido con el llamamiento a trabajar y luchar from dentro de la Igelsia para que los cmabios sean favorabes para nosotros los LGTBIQ y para que o atual Presidnete Nelson pueda junto a la demasas autoridades recibir esa revelação necesaria para que los gays seamos parte del plan divino de la planificacion eterna familiar… y ejerzamos enplenitud nuestra vida afectiva y minsterios o llamamientos como cualquier miembro en la Iglesia… pues trabajndo from adentro lograremos quizas mas que dejando que otros ocupam los espacios que nos son hoy en su totalidad por como se dice lecturas and interpretaciones ambiguas that en palabras del hermano Daniel Beker el lo dice muy claro: basándose en argumentos que, si se quiere estudiar en profundidad, se basan en su mayoría en tradiciones, estereotipos y un carácter muy anacrónico. interpretación de las escrituras.

    asique mi amigo y hermano y demas hermanos de la Igelsia en actividad y no actividad: tengo mucho para contarles de mi vida… y mucho aun por trabajar…

    Te abrazo desde donde tu yo estemos…

Deixe um Comentário