Centenas, milhares, milhões de vezes

24 de setembro de 2021

por Jody England Hansen

AVISO DE TÓPICO - Esta postagem discute o suicídio e a prevenção do suicídio. Por favor, não leia se você não estiver em condições de ler sobre este tópico. Se você ou alguém que você conhece está pensando em suicídio, ligue para a Linha Direta de Prevenção de Suicídio pelo telefone 800-273-8255.

Algumas reflexões aos 20 anos ...

Duas semanas atrás, eu conduzi o treinamento de prevenção de suicídio QPR para a Conferência Internacional da Afirmação. Este ano, a conferência é toda online, então pude ter no treinamento pessoas de todo o mundo.

Cada vez que conduzo este treinamento, apresento o assunto pedindo às pessoas que considerem uma maneira diferente de pensar sobre o suicídio. Muitas pessoas podem pensar que quem pensa em suicídio está querendo morrer. É difícil para muitos entender como ajudar uma pessoa que está pensando em suicídio, porque querer morrer vai contra a natureza humana básica e o instinto de sobrevivência. Falo sobre como evitar a dor também faz parte da natureza humana e do instinto de sobrevivência. Quando alguém sente dor - uma dor intensa - e não consegue encontrar uma maneira de escapar ou acabar com ela, às vezes a única solução que pode ver para escapar da dor é acabar com sua vida. Quando eles se sentem presos, sem esperança e impotentes para escapar da dor, eles podem procurar uma maneira de acabar com ela.

Quando estou cobrindo esta parte do treinamento, mostro esta imagem das Torres Gêmeas em 11 de setembro, logo após a queda do segundo avião. É uma ilustração nítida para essa discussão sobre como o suicídio não é uma questão de querer acabar com sua vida, mas de querer acabar com a dor. As pessoas que ficaram presas nos andares acima das explosões devem ter sentido uma dor inimaginável. Essas eram pessoas que se levantaram naquela manhã sem planos de morrer. Eles tinham entes queridos, empregos e futuros pelos quais ansiavam. Então, apenas alguns momentos depois, eles foram presos e incapazes de escapar das chamas intensas. Só posso imaginar o quanto eles tentaram descer pelo prédio. Pouco depois da queda dos aviões, havia pessoas pulando dos andares superiores. Alguns pularam com outra pessoa, de mãos dadas enquanto caíam. Tecnicamente, eles morreram de suicídio. Duvido que alguém quisesse morrer. Considere o seguinte - leva 20 minutos em chamas para queimar até a morte. Demorou alguns segundos para alcançar o solo depois de pular. Eles escolheram fazer isso para acabar com a dor. No treinamento, peço às pessoas que considerem que suicídio não é querer morrer, é acabar com a dor.

Como humanos, todos nós sabemos o que é sentir dor. Espero que todos nós saibamos a diferença que faz sentir apoio e conexão com os outros quando estamos com dor, como faz diferença ser capaz de suportar a dor quando não nos sentimos isolados, quando pertencemos ou nos sentimos incluídos em nossas comunidades. Se estamos recebendo ajuda para ver que existem maneiras de superar e fugir da dor insuportável, não há uma necessidade tão desesperada de escapar morrendo. Não posso deixar de me lembrar da imagem de pessoas segurando as mãos umas das outras enquanto pulavam. Mesmo no momento terrível, havia essa necessidade de não estar sozinho.

Tenho conduzido este treinamento há mais de três anos, para pelo menos 180 grupos diferentes, e nunca o apresentei em 11 de setembro. Pensei em como me adaptar apresentando esta imagem neste dia, exatamente, quase no minuto, 20 anos a partir de quando foi tirada. Existem muitos sentimentos, ainda crus para mim e incontáveis outros, sobre qualquer memória daquele dia. Eu esperava ser sensível a isso, enquanto ainda cumpria o propósito do treinamento.

Mesmo assim, no momento em que coloquei essa foto na tela, fiquei emocionado e não consegui falar.

Foi apenas por alguns segundos, mas todo o horror daquela época voltou. O impensável acontecera apenas algumas semanas antes. Meu pai morreu. Eu não tinha dormido mais do que alguns momentos desde sua morte. Eu não poderia imaginar este mundo, minha vida, sem a presença de papai. Agora, outro evento impensável ocorreu. Sempre fiquei chocado com a maneira como nós, como sociedade, um povo, um país, uma comunidade, podíamos encontrar maneiras de justificar a guerra. Papai foi uma pessoa que abriu espaço para eu lutar contra isso, olhando para a humanidade por trás das armas, a tendência de defender nossas próprias ações violentas, enquanto condenava e atacava qualquer um que não concordasse ou se conformasse. Tenho uma camisa de 2001. Diz “A guerra não mostra quem está certo. Só quem sobrou. ” Foi quando comecei a ver que WAR é um acrônimo de três letras para We Are Right. Nós, como país, há muito justificamos dedicar vastos recursos e incontáveis vidas para travar longas guerras que se resumem a provar de alguma forma que estamos certos, e destruiremos aqueles que estão errados.

Eu não tinha percebido como havia lutado, marchado, me reunido e protestado, e falado sobre isso de um lugar de privilégio, um país cujo continente nunca havia sido atacado por inimigos estrangeiros em solo nativo. Esse privilégio terminou há 20 anos.

19 homens lançaram aviões contra edifícios e no solo, para provar que estavam certos e para destruir os que consideravam errados.

Muita coisa mudou. Infelizmente, não aprendemos com isso.

Continuamos atacando e matando uns aos outros, para provar que estamos certos e eles errados.

Atacamos edifícios sagrados e erguemos forcas para remover aqueles que não concordam conosco.

Aprovamos leis para criminalizar e controlar pessoas que têm experiências, ideias, crenças, aparências, herança e opções diferentes das nossas.

Falamos em púlpitos ou ficamos online, retirando qualquer referência de dogma, ou banalidades, ou qualquer visão estreita do que pensamos que uma vida correta deve ser, e insistimos que não é apenas verdade, mas que é a única verdade. E nos apegamos a essa retórica para justificar que estamos certos sobre a verdade, mesmo quando há corpos deixados em nosso rastro.

Atacamos aqueles que não corresponderam perfeitamente às nossas expectativas. Somos rápidos para desenvolver e usar armas - reais e virtuais - para destruir qualquer um que não concorde, aceite e responda perfeitamente em todos os sentidos à nossa própria jornada. Usamos todos os meios para ter certeza de que qualquer pessoa que possa nos ter causado dor terá que sofrer cada vez mais, porque estamos certos e eles errados.

Nós inventamos mentiras, ou prontamente acreditamos em mentiras que justificam nossas opiniões firmemente sustentadas, ao invés de considerar que a ciência, ou história, ou fatos, ou mesmo a fé ou visão de alguém, podem desafiar nosso paradigma ou nos confrontar, e nos pedir para deixar uma um estado confortável de estar certo e, possivelmente, uma necessidade de mudar de ideia ou receber mais luz e conhecimento. Como aqueles que voaram os aviões, cairemos em chamas antes de considerarmos que pode haver uma maneira diferente de ver o mundo, de ver nossos semelhantes.

Não pude deixar de me perguntar naquela época, e muitas vezes desde então, o que meu pai teria feito? Qual teria sido sua luta para levar seus pensamentos, seus escritos a um novo nível de experimentar, sentir, buscar mais luz e conhecimento, após essa devastação?

Naquele dia, tentei imaginar o que ele poderia ter feito naqueles momentos em que tantos estavam deixando esta vida, apenas algumas semanas depois de ele ter deixado esta vida. Em qualquer estado de presença, de existência, imagino que ele estaria lá para convidar e confortar aqueles que foram violentamente arrancados.

Aqui está outra parte difícil para mim. Eu sei que meu pai não era perfeito. Eu o vi lutar para ser a pessoa que disse que queria ser, para seguir os ensinamentos mais profundos e confrontadores de Cristo, para amar e perdoar e se arrepender e ter misericórdia, mesmo quando era difícil, mesmo quando não havia garantir que faria alguma diferença. Ele freqüentemente falhava. E eu o vi tentar novamente. Embora ele não encorajasse ninguém a justificar ou permitir o abuso, eu o vi ir até aqueles que procuravam feri-lo e destruí-lo. Eu o vi buscar aprender e compartilhar. Eu o vi tentar considerar qualquer coisa que pudesse criar uma conexão, mesmo com seus inimigos, mesmo que por um momento, na esperança de que pudesse haver uma transformação para longe de ser inimigo, para longe de estar em guerra.

Ainda é difícil para mim, mas não posso deixar de me perguntar se papai também estava lá para cumprimentar alguns dos que sequestraram os aviões. Ele se sentou com eles e tentou entender? Ele estava lá quando possivelmente viram algo diferente do que esperavam? Houve alguma transformação, porque havia alguns, como meu pai, que estavam criando espaço para isso?

Pode ter sido semelhante ao que é descrito em uma das últimas cenas de “A Última Batalha” de CS Lewis. O mundo está terminando em uma última batalha que foi criada a partir da ganância, mentiras e conspirações que destroem tudo. Todos deixam o mundo pela porta para um estábulo escuro. Quem tem olhos para ver se encontra no paraíso, na presença de um amor avassalador, na presença de Deus. Aqueles que não verão têm certeza de que estão em um estábulo escuro e cheio de esterco, e não serão movidos. Eles não desistem de insistir que estão certos.

Por mais horrível que seja considerar ter misericórdia de tal destruição em 11 de setembro, Deus me convida a ter espaço para a transformação de tal medo mortal em remorso e cura para todos. Quero pensar que papai fez parte disso, para quem quisesse ver.

Há 20 anos foi um dia de tantas perdas, não há palavras para o descrever. Ouvimos sobre os números totais. E o número total continua desde então. Tantos mortos e feridos nesse tiroteio, nessa batalha, nesse tumulto, nessa guerra, nessa pandemia, nessa escola, nesse hospital, nessa fome. São tantos, não consigo compreender.

Pouco depois de 11 de setembro de 2001, li o relato de um homem que tentava descobrir como contar a seu filho que sua mãe morrera quando as torres desabaram. Demorou dias, e o momento em que finalmente contou ao filho foi de partir o coração. A vida nunca mais seria a mesma. Chorei ao ler isso, assim como chorei quando estava lendo ou vendo qualquer coisa na época. Cada relato me fez reviver o momento em que meu pai morreu.

Nada jamais seria o que era.

O grande número parecia uma forma de nos proteger da experiência crua e real daquele jovem, sabendo que sua mãe nunca estaria lá novamente.

Comecei a perceber que, embora os números totais importem, e é importante que estejamos atentos - precisava sempre pensar em cada um. O que isso fez com este menino? O que isso fez com cada filho que perdeu um dos pais, com cada pai que perdeu um filho?

Quando há guerra, batalha, retórica e dogma, bullying, leis destrutivas, desesperança, tiroteios, motins, aviões voando contra edifícios, não são 52, ou 600, ou 3200, ou 125.000 pessoas que morrem. Não são dezenas, centenas ou milhares de pessoas que perderam um ente querido.

É uma pessoa que morreu - centenas, milhares, milhões de vezes.

Eu preciso ver, ouvir, ouvir, sentar com, lamentar, perdoar, arrepender-se, ter misericórdia, aprender com, ser um com - uma pessoa. De novo e de novo e de novo.

É a única maneira de garantir que as coisas nunca mais sejam as mesmas daquele dia. Nunca mais.

Postado novamente de O expoente com permissão.

Postado em:

Receba o boletim eletrônico da Afirmação com conteúdo como este em sua caixa de entrada!

Deixe um Comentário