Em busca da minha identidade: quem sou eu de verdade?

15 de outubro de 2018

Carlos Andrés Uribe Cortes:

Estou feliz e satisfeito no momento, mas vou falar sobre como era há alguns anos. Eu era um mórmon, cresci em uma família amorosa que vive, ou pelo menos tenta viver, os mandamentos de Deus. Falar sobre a Igreja pode ser desconfortável para alguns de vocês, já que sempre fomos rejeitados por ser quem somos. Eu estava procurando minha verdadeira identidade por mais de dez anos; anos de luta e frustração, implorando a meu Pai Celestial. Por que eu fui diferente? Por que eu não poderia ser como os outros? Isso foi o que eu pensei. Pedi a Deus que me permitisse ter sentimentos pelas mulheres.

Achei que na missão esses sentimentos mudariam e que o Pai Celestial exerceria esse milagre em mim, mas deixe-me dizer que isso nunca aconteceu.

José David Mora Olarte:

Lembrar minha infância é pensar nas palavras de Néfi: “Nasci [...] de bons pais e, portanto, recebi algumas instruções em todas as ciências de meu pai.” Cresci como um membro fiel da Igreja com uma família amorosa. Aos onze anos aconteceu algo que marcou minha trajetória de vida. Depois de um ano lutando contra o câncer, minha mãe morreu. Minhas últimas palavras para ela foram: “Mãe, vou para uma missão, vou me casar e prometo vê-la novamente”.

Minha vida foi guiada por esta promessa; Servi como missionário na Missão Pachuca México e conheci uma linda jovem com quem pensei em ter minha família eterna. Eu seguiria o que Deus e minha família esperavam de mim. Mas eu sabia que não era meu jeito. Quando cheguei em casa, lembro-me de me ver em meu quarto e de me perguntar: "É isso que eu quero?" Serei feliz? Vou mentir para minha esposa e o resto da minha vida mentir sobre quem eu realmente sou?

Decidi contar à minha família que era gay e que queria algo muito diferente para mim.

Amor em todas as coisas

Nunca pensamos que teríamos um ao outro em nossas vidas. Ou o pensamento estava em total harmonia com os ensinamentos da Igreja.

Em uma bela manhã de domingo, nossos olhos se entrelaçaram e também nossas histórias. Quem diria que tudo mudaria daquele momento em diante! Não sabemos se foi destino ou acaso, mas, naquele momento, uma bela amizade começou. Apoiamo-nos mutuamente nas nossas batalhas pessoais e, aos poucos, fomos crescendo um amor genuíno e incondicional. Decidimos nos dar uma chance. Fomos descobertos, separados e abertos quanto ao nosso relacionamento. Aqueles que pensávamos serem nossos amigos na Igreja não estavam mais lá. Aos poucos as esperanças se extinguiram.

A afirmação nos ajudou a entender que existem muitas maneiras de ser feliz e que tudo exige decisão e sacrifício. Esse entendimento permaneceu em nossos corações. Decidimos ficar juntos e fomos excomungados, mas isso deu início a uma bela história que ainda continua.

Amar a nós mesmos como somos é o caminho da felicidade que devemos seguir. Todos nós temos potencial divino, e se olharmos além de nossas imperfeições, saberemos que somos verdadeiramente perfeitos como somos.

Inscreva-se para receber conteúdo como este em sua caixa de entrada!

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

1 comentário

  1. Anônimo em 19/09/2019 às 11:42 AM

    Obrigado

Deixe um Comentário