Eu amo meu filho há 13 anos e não sabia como desligar isso

1 de agosto de 2013

A mãe mórmon Wendy Montgomery foi ovacionada de pé na estreia de “Famílias são eternas, ”Um documentário de 21 minutos que descreve suas experiências, junto com as de seu marido, criando uma família que inclui um filho gay de 15 anos.

“Ter um filho gay tem sido uma bênção inesperada em minha vida”, disse Wendy a uma audiência de 300 pessoas reunidas para a sessão de abertura do Simpósio Sunstone. “Isso me tornou um cristão melhor e me ensinou mais como o Salvador deseja que eu ame.”

“Há 13 anos que amo meu filho”, declarou Wendy. "Eu não sabia como desligar isso."

Wendy disse ao público que crescendo em um lar SUD muito tradicional e conservador, ela ouviu muitas coisas sobre os “'males da homossexualidade'”. “Então, quando descobri que meu filho era gay, minha mente foi para todas as coisas negativas que eu tinha ouvido sobre a comunidade gay”, disse Wendy.

“Lembro-me de pensar que meu filho NÃO era NENHUMA dessas coisas”, acrescentou Wendy. “Então comecei o processo de jogar fora todos os meus velhos estereótipos, ideias preconcebidas e julgamentos - e reaprender o que significava ser gay. Tornei-me um pesquisador mestre - lendo tudo que pude encontrar em fontes SUD e não SUD. No começo, eu não conseguia comer. Eu não conseguia dormir Eu estava tão motivado para encontrar respostas para ajudar meu filho e descobrir como fazer tudo isso funcionar dentro do contexto do mormonismo.

Wendy explicou que ela não tinha paz até encontrar o Projeto de Aceitação da Família. “Parecia o sol no meio dos dias mais sombrios da minha vida”, disse ela. “Serei eternamente grato por esta organização maravilhosa que salva vidas.” Outros pontos que Wendy fez durante sua apresentação:

  • Algumas das melhores pessoas que já conheci são gays. Eles se tornaram minha família. Eu os amo tanto!
  • Todos os dias de minha vida foram gastos como mórmon. E eu sou mãe de um filho gay incrível. Esses dois mundos às vezes parecem irreconciliáveis.
  • Ter um pé em ambos os mundos não nos deixa pertencer a nenhum.
  • Descobri que posso reconciliar esses dois mundos seguindo os dois grandes mandamentos de Cristo: Amar a Deus e ao próximo. NÃO devemos julgar os outros. Esse é o trabalho de Cristo, e somente Dele. Devemos APENAS AMAR.
  • Não devemos mais dizer: “Ame o pecador, odeie o pecado”. Deve ser “Ame o pecador”. Período. Somos todos pecadores.
  • Meu pai (avô de Jordan) é muito mais solidário agora do que o que é retratado no filme. Esta é uma jornada para todos nós e todos nós progredimos.
  • Uma das razões pelas quais continuo ativo em nossa igreja é pelas outras crianças gays, para as quais podemos apoiar. Já recebemos algumas dessas crianças.
Postado em:

Receba o boletim eletrônico da Afirmação com conteúdo como este em sua caixa de entrada!

Deixe um Comentário