Mórmons LGBT na América Latina Encontrando a Totalidade Juntos

18 de maio de 2015

Por John Gustav-Wrathall

Tive o enorme privilégio de participar de duas das três conferências de Afirmação na América do Sul, em Santiago, Chile (1 a 3 de maio) e em Buenos Aires, Argentina (8 a 10 de maio). (No fim de semana anterior à conferência de Santiago, de 24 a 26 de abril, uma conferência foi realizada em Lima, Peru.) Os encontros foram menores do que as duas conferências de que participei na Cidade do México no ano passado (em fevereiro e novembro de 2014), mas os participantes vieram de coração aberto, compartilhando desde o início os elementos mais vulneráveis de suas jornadas e de suas vidas: suas incertezas, suas esperanças, suas dores e suas dúvidas, seu ceticismo e sua fé. No cadinho do Espírito, forjamos laços de irmandade e irmandade que não podem ser dissolvidos nem com o tempo nem com a distância. Juntos, enfrentamos grandes questões, os maiores tipos de questões que podemos enfrentar na vida. Não encontramos respostas - não podíamos esperar encontrar respostas para essas perguntas. Mas encontramos consolo na fraternidade e irmandade, encontramos esperança na plenitude final que o Evangelho promete a todos os filhos de Deus e encontramos orientação na voz mansa e delicada do Espírito.

Sjgo_templo

 

O maior conforto para mim na conferência foram as expressões profundas e vulneráveis de fé na Igreja Restaurada e no Evangelho Restaurado. Em todas as conferências latino-americanas de que participei, sempre fui profundamente inspirado pelo tenaz compromisso com a Igreja e o Evangelho entre nossos irmãos e irmãs LGBT SUD. No entanto, ao relembrar um dos participantes do encontro, sinto-me profundamente grato por meu irmão Elias, em Santiago, que foi o mais descarado em suas expressões de dúvida e ceticismo. Agradeço-lhe porque não teve medo de dizer o que pensava, da forma mais franca possível. Em nossas reuniões, é essencial que possamos falar nossa verdade, e não posso deixar de acreditar que, em qualquer reunião da qual Elias participe, as verdades serão faladas sem medo. Mais importante, sou grato a ele porque sua presença mostrou o quão incondicional pode ser nosso amor um pelo outro. Nosso amor um pelo outro não era baseado no alinhamento perfeito de perspectivas ou opiniões. Estava alicerçado em nossa humanidade, em nossa vulnerabilidade, em nosso respeito pela santidade de cada alma presente. O amor era a grande verdade.

Sjgo_lunch

Um dos temas mais consistentes da conferência foi expresso nos muitos depoimentos de mórmons LGBT que, diante de grandes angústias pessoais e intensa solidão, encontraram forças no relacionamento com Deus. Carmen Paz falou sobre seu relacionamento com Deus na conferência de Santiago e Roxana Lopez abordou este tema em Buenos Aires. Às vezes, experiências pessoais de amor e aceitação de Deus surpreendem as pessoas que não se consideram dignas disso. Em outras ocasiões, a confiança em nossa capacidade de nos voltar para Deus e receber orientação e consolo era uma constante que ajudava as pessoas a enfrentar os desafios, mesmo quando ninguém mais estava lá para ajudá-las. Um dos momentos mais emocionantes da conferência aconteceu em assistindo a um vídeo produzido recentemente pela USGA, no qual estudantes lésbicas, gays e bissexuais da BYU prestaram testemunho de que Deus está lá para todos nós, e que todos nós - independentemente da orientação sexual ou identidade de gênero - podemos ser abençoados pela cura e consolo que vem ao invocar a expiação de Cristo.

lourdes_carmen_marcelo

Joaquin Sepulveda e Marcelo Fuentes (em Santiago) e Ezequiel Rojas (em Buenos Aires) abordou o tema da autoaceitação. Ezequiel falou eloqüentemente sobre sua jornada de autoaceitação em relação à sua sexualidade; mas então sua fala tomou um rumo não convencional quando ele descreveu seu processo de perceber que sua jornada de autoaceitação não estava completa até que ele aceitasse seu testemunho. Perto do final da conferência, Ezequiel prestou testemunho do insight que recebeu de que sua fé não depende de seu status na Igreja ou do que os outros pensam dele, mas dos desejos de seu coração e de seu testemunho, que ninguém pode tirar.

roxana_arrival

Os pais de Ezequiel e sua sobrinha estavam na conferência. Durante a discussão após sua palestra, enquanto discutíamos a relação entre autoaceitação e nosso relacionamento com Deus, o pai de Ezequiel falou sobre seu amor intenso por seu filho e seu orgulho por ele. "Como eu poderia não amá-lo?" ele disse: “Ele é uma parte de mim”. Lourdes Peña Alguin viajou da Cidade do México para falar nas conferências do Chile e da Argentina sobre relacionamentos familiares e sobre sua experiência como mãe de um filho gay. Ela falou sobre sua própria jornada de total ignorância sobre a homossexualidade a um crescente sentimento de admiração e gratidão pelos mórmons LGBT que ela conheceu. Ela descreveu como ficou surpresa ao descobrir pessoas de tremenda fé, coragem e paciência. Os participantes da conferência foram movidos por sua gentileza e graça. Em reconhecimento ao Dia das Mães, seu filho capturou todos os nossos sentimentos ao enviar-lhe uma mensagem agradecendo-a por fazer o sacrifício necessário para viajar a essas conferências, a fim de apoiar e fortalecer os mórmons LGBT. Marcia Sepúlveda, mãe de Joaquin, esteve presente na conferência de Santiago testemunhando seu orgulho pelo filho e seu amor incondicional por ele. A mãe de Roxana Lopez, embora precisasse usar cadeira de rodas na maior parte do tempo para se locomover, viajou onze horas de ônibus com a filha. Durante a conferência, ela expressou seu amor pela filha. “Se eu rejeitasse minha própria filha por ser lésbica”, disse ela a um participante da conferência, “eu seria aquela que estaria doente. Não minha filha! "

Randall_Roxana

Embora encorajador testemunhar tantos testemunhos de amor incondicional e apoio dos membros da família que estavam presentes, a pungência de seus testemunhos foi um lembrete de muitos indivíduos LGBT que experimentam incompreensão e rejeição em suas famílias. Mas se o relacionamento familiar pode ser um desafio, foi o relacionamento dos indivíduos LGBT com a Igreja que gerou algumas das discussões mais desafiadoras nas conferências. No minha própria conversa sobre este assunto, Eu compartilhei minha própria experiência da alegria que pode ser experimentada como membros da Igreja, tanto gays quanto heterossexuais, realmente deixar a Igreja ser um lugar onde praticamos o Evangelho uns com os outros. Mas os participantes de ambas as conferências expressaram preocupação com a rejeição dos líderes e membros da Igreja, resultando em alienação, depressão e suicídio. Outros descreveram a ansiedade, a frustração e a dúvida como fatores que os levaram a abandonar a Igreja. Talvez a parte mais íntima e comovente da conferência para mim foi quando um participante descreveu sua conversão à Igreja SUD. Ele descreveu a alegria que o Evangelho trouxe a ele e compartilhou seu próprio belo testemunho do Evangelho e a alegria que veio por servir uma missão fiel. Agora, menos de um ano desde sua missão, ele enfrenta um conselho disciplinar e possível excomunhão. Seu amor pelo Evangelho e pela Igreja permanece intacto, embora ele não acredite que seja bom para indivíduos gays caminharem sozinhos pela vida, sem possibilidade de companhia.

Ezequiel

Um participante da conferência também prestou seu testemunho da Igreja, mas descreveu ter ficado inativo após o fracasso de suas esperanças de que a atividade e a fidelidade na Igreja pudessem transformá-lo ou curá-lo de sua homossexualidade. Após dez anos de inatividade, ele confessou um desejo renovado de voltar à Igreja, embora não soubesse muito bem como fazer isso. Sua participação na conferência de Afirmação foi motivada pelo menos em parte por esse anseio. Tanto na conferência de Santiago como na de Buenos Aires, a participação no domingo de manhã na ala SUD mais próxima foi planejada para quem quisesse. Este indivíduo terminou seus dez anos de inatividade indo à Igreja novamente pela primeira vez com uma dúzia de outros mórmons LGBT como parte da conferência de Afirmação.

roxana

Assistimos à Igreja em Santiago no Domingo de Jejum e Testemunho. Perto do final da reunião de testemunhos, Randall Thacker prestou seu testemunho, descreveu a missão da Afirmação e compartilhou com a congregação o fato de que os membros da Afirmação estavam presentes, participando como um grupo. Depois da reunião, os membros e líderes da ala abordaram Randall e outros membros do grupo. Os líderes e missionários da ala expressaram sua sensação de que a Afirmação estava fazendo uma coisa boa ao ajudar os mórmons LGBT a reconciliar sua sexualidade e sua fé, e dando apoio àqueles que desejavam ser ativos na Igreja. Membros da ala que tinham parentes LGBT também nos procuraram e agradeceram nossa presença. Quando Beth Ellsworth, meu marido Göran e eu estávamos no aeroporto de Santiago, fomos abordados por um dos funcionários de uma loja de souvenirs. Ele se apresentou como membro dessa mesma ala e puxou conversa conosco. Ele também expressou gratidão pelo trabalho e presença da Afirmação e, por fim, compartilhou conosco o fato de que seu irmão era gay e sua esperança de que a Afirmação pudesse ser um recurso para seu irmão. Em Buenos Aires, Randall também falou com um membro do bispado, que expressou gratidão pelo trabalho que a Afirmação está fazendo.

group_BA_ward

Uma equipe de câmeras estava presente nas filmagens da reunião sacramental de Buenos Aires devido ao interesse da mídia local na rededicação do templo de Buenos Aires. Acontece que uma dúzia de pessoas foram batizadas no sábado anterior, então houve doze confirmações seguidas. Demorou cerca de meia hora para que todas as confirmações fossem concluídas. Durante nossa própria reunião de testemunho de Afirmação, realizada separadamente depois que voltamos ao local da conferência, Randall comentou como foi comovente ouvir cada oração para que o membro recém-confirmado “recebesse o Espírito Santo”. Foi um lembrete para ele da importância de cada um de nós estar disposto a “receber o Espírito Santo”, e ele prestou testemunho de nossa capacidade de ter o Espírito conosco, se o buscarmos.

Sjgo_templo_2

Em Santiago e Buenos Aires, conversamos sobre a organização local e as maneiras de fortalecer o ministério para e com os mórmons LGBT, suas famílias e amigos nessas áreas. O foco estava no pragmatismo, cooperação e permanecer focado no quatro pilares da missão e visão da Afirmação. O foco não está em instituições ou organizações específicas, mas em fornecer o serviço mais eficaz para os mórmons LGBT necessitados.

dinner_roberto_juan

Uma das coisas que fiquei comigo foi parte de um discurso de um membro da Presidência da Estaca na reunião sacramental em Buenos Aires. Ele citou a seção do livro do Apocalipse que descreve os santos adorando no altar do templo de Deus. Ele nos disse que, de certa forma, o altar do templo descrito no livro do Apocalipse é o nosso próprio coração, e nós somos os santos adorando nesse altar. Ele queria nos lembrar que é nossa fé e devoção a Deus que torna o templo um lugar sagrado, não o tipo de construção que ele é. Este foi um lembrete reconfortante para mim do poder da fé. Não é no edifício exterior, não em nossa “pessoa” que Deus é adorado, mas em nossos corações.

É lá, em nossos corações, onde sabemos o que o Espírito tem para nos ensinar, onde encontramos o conforto de que precisamos e a orientação de que precisamos para viver uma vida de fé, esperança e caridade. É lá onde começamos a encontrar as respostas de que precisamos tão desesperadamente, fazendo, agindo, abençoando a vida de todos que tocamos.

Postado em:

Inscreva-se para receber conteúdo como este em sua caixa de entrada!

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.