Reflexões sobre o Dia das Mães

10 de maio de 2014

cristãoPor Christian Jacob Frandsen

Quando penso no Dia das Mães, as palavras familiares das canções primárias vêm à minha mente. Acho que era quase o único menino na minha classe primária que não apenas cantava sobre “caminhar pelos prados de trevo” para “colher braçadas de flores”, mas também gostava de sair e fazer pequenos buquês para minha mãe. Isso é o que o Dia das Mães significava para mim quando eu era jovem. Mas enquanto eu estava colhendo flores, minha mãe estava ocupada com outra coisa - telefonemas de missionários. Ao longo dos anos, minha mãe recebeu doze telefonemas no dia das mães com seus filhos; seu último será neste domingo.

Foi em minha missão que passei a apreciar o valor daqueles preciosos telefonemas. Compreendi por que minha mãe precisava tanto ouvir a voz de seus filhos, porque eu precisava muito ouvir sua voz para me sustentar nas dificuldades de minha missão. Essas dificuldades incluíam descobrir finalmente que, por mais obediente e fiel que eu fosse, minha orientação sexual não mudaria. Foi em minha missão que, depois de muitas orações, lágrimas e noites sem dormir, finalmente verbalizei o segredo que tentava esconder e negar desde que era um garotinho brincando nas flores. Foi em minha missão que comecei a enfrentar a realidade de minha vida como um mórmon bissexual. Foram passos gigantescos para mim - os primeiros de um longo e difícil caminho que me levou a abrir o caminho para minha família sete meses depois de completar minha missão.

Mas não fui o único em uma jornada importante. Foi durante meus dois anos longe dela que minha mãe começou a ler nas entrelinhas das minhas cartas e perceber que eu não estava lutando com saudades de casa ou choque cultural, mas que estava lutando para me aceitar. Ela falou com algumas de minhas irmãs que, no fim das contas, sabiam de minha sexualidade antes mesmo de mim. Ela aprendeu o máximo que pôde sobre o que significa ser um mórmon gay. Ela se preparou para me apoiar, nutrir e amar da maneira que eu precisasse.

Foi graças à sua preparação e amor que eu assumi quando o fiz. Depois de minha missão, resisti a assumir o cargo por vários meses. Embora meu coração me dissesse que eu precisava, eu estava com medo. Durante uma conversa particularmente comovente no ano passado, minha mãe seguiu o Espírito e perguntou em meio a lágrimas de amor se o fardo que ela sabia que eu carregava estava relacionado à minha orientação sexual. Este foi um momento crítico para mim. Eu respirei, vi sua devoção por mim em seu rosto e falei com ela. Se ela não tivesse me fortalecido com sua coragem naquele momento, não sei quando eu teria encontrado coragem suficiente para sair.

Desde então, ela tem sido um anjo de apoio. Cada vez que converso com ela, ela me lembra o quanto se importa comigo e me garante que terá orgulho de mim, não importa o caminho que eu escolher e que tudo o que ela quer para mim é ser feliz e saudável. Ela me aceitou e me amou quando eu não conseguia me aceitar e me amar. Ela segurou minha mão ao longo deste caminho e, mais do que qualquer outra pessoa em minha vida, me ajudou a encontrar paz. Serei eternamente grato pelo amor que ela derramou sobre mim nos meses desde a minha saída. Sempre “levantarei e a chamarei bem-aventurada” pela influência cristã que ela teve em minha vida. As palavras de outra música principal vêm à mente para encerrar: Mãe eu te amo. Mãe, eu quero. O Pai Celestial me enviou a você.

Postado em:

Inscreva-se para receber conteúdo como este em sua caixa de entrada!

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

4 comentários

  1. Christie Frandsen em 11/05/2014 às 11:56 AM

    Cristão, este é o presente de Dia das Mães mais precioso que já recebi. Agradeço ao Pai Celestial diariamente pela bênção e honra de ser sua mãe. Aprendi mais com você sobre o amor e devoção incessantes de Deus, sobre como é “confiar no Senhor de todo o coração”, sobre andar pela fé nas trevas, um passo de cada vez, do que qualquer outra coisa em minha vida. E sei que você tem mais a me ensinar e a toda nossa família. Deus sabia o que estava fazendo quando o enviou para nós.
    Você fez muitas coisas em sua vida que deixaram a mim e a papai orgulhosos de ser nosso filho, mas nada maior do que o que está fazendo agora. Para citar outra música favorita da Primária:
    Eu amo Christian, ele me ama - Somos uma família feliz!
    Eu vou te amar para sempre - mamãe

  2. Gabrielle Turner em 11/05/2014 às 11:07 PM

    Cristão, isso era tão lindo. Toda a sua família o ama mais do que podemos dizer e caminhará com você por toda a vida.

  3. Jenny T. em 20/05/2014 às 10:18 PM

    Cristão, como seu (ex) membro da ala e amigo, estou ao seu lado e o apoio. Que bênção ter uma mãe tão linda que deseja amá-lo como o Salvador o ama. Lembre-se de que em LCI, iremos acompanhá-lo.

  4. Whitney Stryker em 02/06/2014 às 5:56 PM

    Christian - Olá, sou seu primo Whitney (Hansen). Você provavelmente sabe quem eu pareço, mas isso é tudo, já que nunca conversamos muito um com o outro. - Cara, nossa família é tão grande !! - Me deparei com este post pelo facebook. Este é um belo testemunho sobre a maternidade e ser corajosa. Eu só queria dizer que estou feliz por você fazer parte da minha família. Desejo a você o melhor ao abraçar seu futuro por meio dessa nova perspectiva e aceitação de si mesmo.

Deixe um Comentário