Resultados da Pesquisa de Afirmação sobre o Impacto da Política SUD nas Famílias Gays

6 de novembro de 2016

Os resultados da pesquisa de Afirmação sobre o impacto da política SUD em relação às famílias homossexuais foram divulgados publicamente em um fórum comunitário on-line em 5 de novembro de 2016, aniversário da data em que a política se tornou de conhecimento público.

 

Metodologia de pesquisa

Esta foi uma pesquisa on-line publicada no Affirmation.org e disseminada em grupos do Facebook da Affirmation e grupos aliados do Facebook frequentados por mórmons LGBT e suas famílias, amigos e aliados. Foi publicado em inglês, espanhol e português. As respostas foram coleito da primeira semana de setembro de 2016 até meados de outubro de 2016.

Os participantes foram convidados a pfornecer dados demográficos básicos sobre localização geográfica, idade, raça, sexo, orientação sexual, identidade de gênero, status de relacionamento, afiliação / atividade religiosa e conexão com a Afirmação. A fim de avaliar o impacto da política, os participantes foram convidados a rlembrar estados emocionais, crenças, sentimentos, relacionamentos e atividades da igreja antes da política e, em seguida, descrever estados emocionais, crenças, sentimentos, relacionamentos e atividades da igreja após a política. (Os participantes também foram solicitados a indicar até que ponto as alterações foram resultado da política.) Os participantes foram então convidados a expressar seu nível de concordância ou discordância com uma série de declarações relacionadas à política. Finalmente euSe quisessem, os participantes foram convidados a compartilhar histórias sobre suas experiências com a política.

Embora a amostra tenha sido auto-selecionada, os dados demográficos coletados sugerem que a amostra era bastante representativa da Afirmação e das comunidades aliadas. A metodologia usada para coletar dados "antes" e "depois" sobre o impacto emocional, social e espiritual da política não poderia nos fornecer dados reais "antes", mas pelo menos oferece uma visão sobre o senso atual dos indivíduos de como a política impactou-os menos de um ano depois que a política foi promulgada.

 

Sobre os entrevistados

A afirmação coletou 922 respostas completas, 795 em inglês, 87 em espanhol e 40 em português. Cerca de metade dos entrevistados são identificados como LGBT. Aproximadamente metade dos entrevistados eram mulheres, metade homens (mais mulheres heterossexuais, mais homens GBQ). Metade dos entrevistados LGBT eram solteiros, 1 em cada 3 estava em relacionamentos ou casamentos cometidos pelo mesmo sexo e 1 em 5 tinha casamentos de orientação mista. Mais de 80% de entrevistados heterossexuais eram casados, refletindo o fato de que a maioria dos aliados heterossexuais que responderam à pesquisa eram pais ou outra família de indivíduos LGBT. As idades dos entrevistados variaram de adolescentes a 80 anos, com umdistribuição de idade ligeiramente uniforme entre os dois. Sobre 75% dos entrevistados em todo o mundo eram brancos. (Cerca de 90% nas respostas em inglês eram brancas.)

Sobre 65% de respondentes LGBT e cerca de 80% de respondentes não LGBT identificaram-se como pelo menos um tanto ativos na Igreja SUD no momento da realização da pesquisa.

 

Resultados da pesquisa

As respostas mostraram ssofrimento emocional inflamado, dperda dramática de confiança nos líderes da Igreja edeclínio dramático na atividade da Igreja como resultado da política.

Cerca de um terço dos entrevistados já estava insatisfeito com a Igreja na época em que a política foi promulgada. Sobre O 40% foi identificado como “moderadamente ou extremamente leal” à Igreja antes da política e relatou que eles ficaram insatisfeitos por causa da política. Sobre 25% foi identificado como “moderadamente ou extremamente leal” à Igreja antes da política e permaneceu “moderadamente ou extremamente leal” após a política.

Sofrimento emocional

A política causou sofrimento emocional significativo. Quarenta e oito por cento (48%) dos entrevistados relataram sentir esperança ou otimismo na maior parte ou todo o tempo antes da política, e apenas 18% depois.

A porcentagem de entrevistados que relataram que se sentiram tristes ou deprimidos a maior parte ou todo o tempo antes da política foi 8% em comparação com 24% depois.

O sofrimento emocional era tão intenso ou, em alguns casos, mais intenso para membros heterossexuais da família quanto para indivíduos LGBT.

Perda de confiança

Mais de 50% de entrevistados ativos na Igreja descreveram sua confiança na Primeira Presidência e no Quórum dos Doze como “moderada” ou “extremamente” forte antes da política. Menos de 20% relatou confiança moderada ou extremamente forte nos Irmãos após a política.

Declínio nas atividades da igreja

Os entrevistados relataram uma queda dramática nas atividades da Igreja após a Política, com a freqüência semanal à igreja, a entrega de recomendações para o templo e o pagamento integral do dízimo caindo pela metade.

Crise de fé

Dois em cada três entrevistados que se identificaram como “moderadamente ou extremamente leais” à Igreja antes da política ficaram insatisfeitos com a política.

Quase dois terços (65%) dos entrevistados LGBT neste grupo relataram sentir solidão, dor e isolamento na igreja "o tempo todo ou a maior parte do tempo".

Setenta e três por cento (73%) neste grupo relataram que antes da política sua crença em Deus era “moderada ou extremamente forte”, enquanto apenas 37% achavam que sua crença em Deus era “moderada ou extremamente forte” após a política.

Por que as pessoas permaneceram leais à Igreja?

Os participantes da pesquisa foram solicitados a avaliar seu nível de lealdade à Igreja, portanto, “permanecer leal” aqui não é definido apenas como permanecer ativo na Igreja, mas como preservar um senso de lealdade e compromisso pessoal.

Pessoas que permaneceram leais à Igreja após a política não relataram nenhuma perda significativa de fé em Deus. Indivíduos LGBT que relataram um forte relacionamento com Deus tinham dez vezes mais probabilidade de permanecer ativos e leais à Igreja SUD, mesmo quando sua confiança nos líderes da Igreja diminuiu significativamente. Muitos relataram experiências espirituais que os confortaram ou os ajudaram a lidar com emoções difíceis relacionadas à política.

Setenta por cento (70%) se sentiram orientados por Deus para permanecerem ativos na Igreja. Esses entrevistados eram tai três vezes mais probabilidade de relatar altos níveis de esperança e resiliência emocional, e eramtrês vezes mais probabilidade de relatar relacionamentos positivos com membros e líderes de suas alas e estacas.

 

Histórias

As histórias individuais foram uma parte muito importante da pesquisa e nos ajudam a ver como os dados quantitativos da pesquisa estão relacionados. As histórias também nos ajudam a entender onde e como diferentes mórmons LGBT encontram esperança e por que a discussão sobre a Igreja pode ser tão polarizadora.

Indivíduos que já foram reprovados no momento da política

Indivíduos que já haviam se sentido insatisfeitos antes da política expressaram indiferença à Igreja e à política, tendo se distanciado da Igreja por algum tempo. Alguns expressaram falta de surpresa com a política ou viram a promulgação da política validando sua decisão há muito tempo de deixar a Igreja. Embora expressando admiração pelos membros e líderes da Igreja que se comportaram de maneira bondosa e solidária com os membros LGBT, os membros desse grupo descreveram a Igreja como geralmente tóxica e expressaram a crença de que o único curso de ação saudável em relação à Igreja era deixá-la.

Uma grande preocupação era que a política resultava em maior tensão entre eles e seus familiares e amigos que eram membros ativos da Igreja. Alguns descreveram amizades tensas ou perdidas ou relacionamentos familiares rompidos como resultado da política. Os indivíduos observaram danos emocionais e danos causados por atitudes de julgamento de familiares e amigos. Alguns ficaram desanimados ao ver amigos e familiares que discordavam pessoalmente da política, apesar de apoiarem a Igreja e seus líderes.

Alguns viram a mudança nas opiniões da Igreja sobre as questões LGBT como “inevitável”, enquanto a maioria expressou a crença de que a Igreja nunca mudaria suas opiniões anti-gay. Alguns viram a política como uma prova de que qualquer tentativa de estabelecer um diálogo construtivo com a Igreja era inútil. Alguns expressaram incredulidade com o fato de qualquer pessoa ter o desejo de se associar à Igreja.

Pessoas que estavam distantes da Igreja por muito tempo ou nunca realmente acreditaram na Igreja decidiram finalmente e definitivamente cortar os laços com a Igreja por causa da política. Alguns se sentiram encorajados ou validados pela decisão de amigos ou familiares de deixar a Igreja em protesto contra a política. Alguns acusaram a Affirmation de ingenuidade e criticaram a Affirmation por não tomar uma posição pública mais aberta contra a Igreja.

Indivíduos que foram rejeitados como resultado da política

Indivíduos que ficaram insatisfeitos com a política geralmente descreveram sentimentos de rejeição em termos muito fortes: sentimento "evitado", "rebaixado", "abandonado", "traído", "difamado" e "descartado". Os membros desse grupo descreveram ter tido um sentimento de esperança de progresso na Igreja antes da política, apenas para ter essa sensação destruída pela política. Eles expressaram a opinião de que o diálogo com a Igreja era impossível, que o progresso futuro da Igreja em relação às questões LGBT era impossível. Muitos acusaram a Igreja de atitudes não cristãs e sugeriram que seu amor pelas pessoas LGBT era condicional. Muitos compararam a Igreja a um cônjuge ou pai abusivo.

Para alguns, a política contradiz experiências espirituais pessoais. Alguns questionaram a inspiração dos líderes da Igreja e descreveram uma perda de fé resultante das ações da Igreja. Vários expressaram um senso de duplicidade por parte dos líderes da Igreja. Para alguns, a política reforçou dúvidas pré-existentes sobre a Igreja e seus líderes. Alguns descreveram sentimentos crescentes de tristeza, depressão, turbulência emocional e perda de autoestima. Alguns descreveram a forte rejeição de membros de sua família que eram membros ativos da Igreja. Alguns observaram aumento da intolerância, atitudes de julgamento e falta de empatia por parte dos membros da Igreja. Alguns descreveram membros da família experimentando intenso pesar e perda de fé como resultado da política.

Vários descreveram ter tido um relacionamento tênue com a Igreja antes da política. A política foi apenas a gota d'água para eles. Alguns descreveram uma sensação de alívio depois de cortar os laços com a Igreja e encontrar fé e comunidade fora da Igreja. Alguns decidiram que era melhor se distanciar da Igreja e se concentrar em seu relacionamento pessoal com Deus. Alguns achavam que a separação da Igreja era necessária para estabelecer limites psicológicos saudáveis. Alguns expressaram a sensação de que, embora o anúncio da política tenha sido extremamente doloroso, foi bom que o falso senso de progresso das pessoas tenha sido dissipado.

Indivíduos que permaneceram leais à Igreja

Indivíduos que permaneceram leais à política pós-apólice da Igreja descreveram experiências espirituais pessoais que os tranquilizaram e permitiram que permanecessem ativos apesar do desconforto ou dor causados pela política. Eles também relataram exemplos de membros e líderes da Igreja que os apoiaram ou que se tornaram mais solidários em resposta à política. Eles compartilharam a observação de que, apesar da dor de curto prazo causada pela política, ela estava promovendo mais diálogo e discussão, o que estava levando a um maior entendimento e, portanto, tendo um efeito líquido positivo. Eles descreveram o desejo de permanecer na Igreja e tentar contribuir para uma maior compreensão sobre as questões LGBT.

As fontes de dor incluíram preocupação com o impacto sobre as crianças que eles esperavam criar na Igreja, preocupação em perder uma posição na Igreja, preocupação em ser visto como indigno ou apóstata por outros membros da Igreja, um sentimento de que a política era injusta para com os gays e lésbicas, e tristeza por ver amigos e familiares deixarem a Igreja por causa da política.

Alguns descreveram a sensação de que a política não representava uma mudança, mas um esclarecimento ou reiteração da doutrina atual. Alguns viram a política como uma prova de fé e expressaram a sensação de que as pessoas precisam apenas permanecer fiéis, positivas e esperançosas. Os membros desse grupo também tendiam a expressar a sensação de que a política mudaria inevitavelmente e os indivíduos LGB um dia seriam totalmente compreendidos e aceitos como membros plenos da Igreja, sem ter que permanecer solteiros ou celibatários.

Para histórias pessoais de membros da comunidade Affirmation, visite o Rostos de Afirmação página. Para entrar em contato com a comunidade de Afirmação, consulte nossa lista de grupos online.

Postado em:

Receba o boletim eletrônico da Afirmação com conteúdo como este em sua caixa de entrada!

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

2 comentários

  1. Stephen Gragert em 11/02/2017 às 1:13 PM

    Estudo interessante, mas acho que é tão preciso quanto pensei que seria. A Igreja estabeleceu uma política e, embora alguns pensamentos tenham mudado, como os negros que recebem o sacerdócio, outros não. Eu mesmo sou bi com filhos adultos. Eu sabia que era gay desde os 7 anos. Acredito que o código genético das pessoas pode predispô-las a ser gays. Mas se nada disparar essa tendência, eles não agirão de acordo com ela. Eles podem ter ações do tipo gay, mas não mostram isso, embora sejam atraídos por pessoas do mesmo sexo. Fui estuprada por meu tio dos quatro anos de idade até ele morrer aos 64. Sim, eu disse ao meu pai, mas fui punido por isso, então fui para o armário. Casei-me aos 20 anos e tenho 5 filhos fantásticos. Eles conhecem a sexualidade do pai e me tratam como seu pai e me amam, apesar disso. Eu os criei para não julgarem os outros. Seja a cor da pele ou qualquer outra coisa. Já fui excomungado, mas às vezes vou à igreja. Mas não posso participar da oração, do sacramento ou de qualquer coisa. Então eu vou a uma Igreja de Cristo UCC. Eles são uma igreja afirmativa. Embora não sejam a igreja restaurada, são muito mais bondosos do que a ala. Isso é simplesmente errado e os líderes da igreja devem ser duros com os preconceitos e ensinar os membros a tratar os outros como o Senhor faria. Ainda pago minhas ofertas e o Senhor me abençoa dez vezes. Não posso pagar à igreja SUD por causa de sua política. Mas eu sei que o Senhor me ama, me abençoa e sei que em sua casa há muitos casarões. Ele tem um lugar para mim.

  2. Florence Marie Worthen LLP em 18/02/2017 às 11:00 AM

    Eu amo isso. Acabei de receber o batismo de uma senhora lésbica no local Mórmon da ala de Atlanta

Deixe um Comentário