Eu sou abençoado por ter um pai gay e uma mãe lésbica

18 de setembro de 2018

Gabriela e Luiz Correa

Gabriela e Luiz Correa com outros da Afirmação.

por Gabriela Correa

Sou a única filha do casamento dos meus pais, mas tenho uma irmã três anos mais velha que eu, de minha mãe, nascida antes de ela conhecer meu pai. Eu nasci dentro das convenções da doutrina Mórmon. Testifiquei no primeiro domingo do mês. Participei de todas as primárias e das Moças.

Meus pais se separaram quando eu ainda estava no ensino fundamental. Naquela época eu não conseguia entender o que estava acontecendo entre meus pais. Ficamos com minha mãe e meu pai veio nos visitar.

Houve um período em nossas vidas em que minha irmã e eu fomos morar com papai. Ele sempre nos disse para ir à igreja. Ele sempre levantava cedo aos domingos, fazia o café da manhã para nós e nos levava até a porta da igreja, mas não entrava. Sempre me perguntei por que meu pai, que sempre incentivava as pessoas a ir à igreja, orar e ler as escrituras, não entrava na igreja com outras pessoas aos domingos.

Quando eu tinha 10 ou 11 anos, minha mãe decidiu nos contar que nosso pai era gay. Parecia estranho que ele mesmo não tivesse nos contado, mas isso não mudou muito nosso relacionamento. Ele era nosso pai. Dois anos depois, ele encontrou-se comigo e minha irmã para conversar, e com grande dificuldade nos contou o que já sabíamos.

No começo, meu pai ser gay não era um problema. A coisa difícil começou quando minha mãe também decidiu sair do armário quando decidiu se casar com outra mulher. Foi como um dilúvio de água fria. Como posso ter os dois pais gays? Eu tinha feito algo errado? Deus estava me punindo?

Não tive muita coragem de falar às pessoas sobre isso. Permaneci fiel na Igreja e tinha um grande desejo de servir missão, assim como meu pai. Senti que havia tomado a decisão certa ao preparar-me para uma missão de tempo integral.

Mas em 2015, a Igreja lançou uma política de não permitir que filhos de casais homossexuais sejam batizados a menos que tenham 18 anos, rejeitem o relacionamento de seus pais e se mudem de casa. Isso foi como uma faca no meu coração, porque eu amava meus pais. Eu não poderia rejeitá-los. No entanto, eu também tinha o grande desejo de servir ao Senhor em uma missão.

Como eu poderia tomar essa decisão de vida? Como poderia deixar para trás tudo o que queria e amava? Depois de muito pensar, decidi que não poderia servir missão de tempo integral. Como eu poderia ensinar às pessoas que a homossexualidade é um erro, um pecado, já que meus pais eram gays e encontraram a felicidade em suas vidas? O amor que meus pais sempre me deram e com tudo que aprendi, minha decisão não foi tão difícil. Eu apoio meus pais totalmente. Adoro eles. Eles são minha base. Eu sei que eles não fizeram nada de errado. Eles apenas seguiram seus corações para encontrar a felicidade.

Estou muito orgulhoso de meus pais. Eu não os trocaria por nada nesta vida. Eu sou a prova viva de que ter pais gays não torna você gay. Sou heterossexual e apoio as pessoas LGBT 100%. Eu sou um membro da Afirmação, ao lado de meu pai.

Hoje, estou orgulhoso de meus pais. Eu não os escondo de ninguém. Não acredito que tenhamos sido privados das bênçãos de nosso Pai Celestial. Sei que sou uma filha especial Dele e que Ele, sendo meu Pai Celestial, entendeu minha escolha de ficar com meus pais terrenos em vez de servir missão.

Inscreva-se para receber conteúdo como este em sua caixa de entrada!

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

1 comentário

  1. Rose C. em 31/08/2019 às 9:11 PM

    Obrigado por compartilhar sua história e experiência positiva! Eu me deparei com isso enquanto procurava informações sobre meu marido, que descobriu há cerca de um ano que ele é produto de dois pais homossexuais. Não tive sorte em encontrar informações sobre o assunto e gostaria de saber se você poderia me indicar a direção certa. Fatos, estatísticas, pesquisas, suporte, qualquer coisa realmente. Agradeço antecipadamente e Deus abençoe.

Deixe um Comentário