Dois graus fora do centro: balançando o barco

13 de agosto de 2017

Dois graus fora do centro”É um blog de Rich Keys sobre as lutas pessoais, problemas e tópicos que falam da experiência SUD / LGBT. Às vezes será sério, às vezes engraçado, mas sempre abordará as coisas de uma perspectiva ligeiramente diferente.

_______________________________

Dois graus fora do centro

Por Rich Keys

Balançando o Barco
Agosto de 2017

Na Conferência Geral de outubro de 2014, o Élder M. Russell Ballard falou sobre os apóstolos enfrentando uma tempestade em Lucas 8.  Quando seu barco foi sacudido e eles começaram a temer por suas vidas, eles buscaram a ajuda do Salvador, mas Ele estava dormindo durante todo o processo.  Isso não foi muito bem para os apóstolos, e eles O acordaram reclamando que ele estava dormindo em seu posto.  O Senhor manteve a calma, ordenou que a tempestade cessasse e a paz foi restaurada.

De repente, “Stay in the Boat” se espalhou pela Igreja como um mantra oficial de Salt Lake.  Tornou-se o tema de todas as reuniões, conferências e lições do Quinto Domingo de Juneau a Joanesburgo.  A resposta para todos os problemas e orações da vida era "ficar no barco".  Tudo o que precisávamos fazer era colocá-lo na geladeira ao lado da Proclamação, e ele nos ajudaria em cada tempestade que a vida nos lançou.

Quando isso chegou à minha ala como o tema da conferência da ala, eu já estava farto.  E quanto à outra tempestade em Mateus 14 quando Pedro saiu do barco? Outra tempestade, outro barco, mas desta vez Peter saiu do barco em vez de ficar nele.  A diferença com esta tempestade é que Jesus não estava no barco.  Ele estava andando sobre as águas, e Pedro exerceu sua fé para ir até ele.  Quando ele foi distraído pela tempestade, ele começou a afundar, mas enquanto seus olhos e fé estivessem voltados para o Senhor, ele se aproximava Dele. 

Quando procuro o princípio constante nas duas tempestades, parece que a chave não é ficar no barco - a chave é ficar com o Senhor. 

Desde que descobri que sou gay e descobri a Afirmação, fiquei impressionado com o nível de fé dos mórmons LGBT de todos os rótulos - ativos, inativos, desassociados, excomungados, errantes, fora ou enclausurados, nadando com a corrente ou contra ela , e tantos outros.  Eu esperava encontrar fraqueza em muitas formas.  Em vez disso, encontrei força - força na fé, no discernimento, no conhecimento, inteligência e sabedoria, nos testemunhos, na oração e nas respostas a eles, e no amor por todos os seus semelhantes, não apenas pelos outros membros. 

Com isso, aprendi que quanto mais nos sentimos tratados como cidadãos de segunda classe no Reino de Deus, mais nos aproximamos cada vez mais do Senhor em busca de conforto, consolo, orientação e respostas.  Como os israelitas no Egito e os santos no Missouri, nossas provações parecem nos unir, fortalecer e sustentar até o dia de nossa libertação.  Ao contrário dos mortais, Seu amor é perfeito, um conhecimento perfeito, sem preconceitos ou pontos cegos.  Ele sabe o que está em nossos corações, onde estamos em nossas jornadas, e contanto que sejamos sinceros e O tornemos #1 em nossas vidas, Ele nos sustentará nas piores tempestades.

Fique aquele barco.

Se você gostou desta postagem, certifique-se de conferir todas as postagens no Dois graus fora do centro série de blogs.

Receba o boletim eletrônico da Afirmação com conteúdo como este em sua caixa de entrada!

Deixe um Comentário