Ir para o conteúdo

Procurar

Vivo Feliz Um Dia Após o Outro - Parte I

Collage de Afirmación 2018

22 de janeiro de 2018

 
Sou Rafael Soares, tenho 35 anos de idade, moro em Fortaleza- CE casado há 11 anos e muito feliz! venho aqui para contar um pouco da minha história até chegar conhecer a afirmação.
Assim como todo jovem ativo na igreja, cumpri todos os meus metas pessoais desde que entrei na igreja em abril de 1998 com 15 anos, formei os 4 anos no seminário e 2 de instituto, fiz missão de tempo integral por 2 anos na missão Rio de janeiro norte 2002-2004 foi realmente um tempo inesquecível onde me dediquei com todo poder mente e força.
Bem, no ano de 1999 buscando me entender, fui pesquisar na internet sobre mórmons gay, se era “normal” ser um deus, logo por saber que a igreja era tão restrita em termos de sexualidade, encontrei um site Afirmação e daí vi que somente existia em Utah essa comunidade. Logo penso, isso é coisa do inimigo pensar que existe mórmons gays, daí tirei a ideia da minha cabeça e prossiga meu caminho como qualquer membro com sacerdócio ativo na igreja, namorando, estudando e com como metas de ir e voltar da missão e casar.
Até aí tudo bem, quando estava com mais de um ano na missão, observe que essa minha atração por homens realmente faz parte do meu “homem natural”, sofri muito com essa luta diária, orava para não cair em tentação e assim fiz até o final da missão, onde retornei pra casa com honra por ter cumprido minha missão honrosa.
Satisfeito e orgulhoso que tinha chegado até o final da missão, sem expor isso que estava dentro de mim, agora era uma outra luta como um missionário retornado na minha cabeça estava assim: “Ok, agora o próximo passo, casar!”, Daí conhecimentoi a minha qualificação pra chegar no grande momento do casamento, especiali a namorar com uma moça de Portland nos EUA, eramos realmente muito felizes em empolgados com esse grande dia! Meus pais estavam felizes ao mesmo tempo tristes por que eu estava indo embora e viver minha vida em outro país, com uma incerteza se voltaria para casa. E no segundo semestre de 2006 com a data marcada pra a chegada dela, deseja todos felizes e empolgados e eu finalmente teria vencido aquela batalha da minha cabeça sobre a sexualidade, mas algo aconteceu e ela não chegou na data prevista e desde então aconteceram muitas coisas, então decidimos dar fim em tudo e não nos casarmos.
Na minha cabeça era a única solução para aquele conflito interior, entre em depressão por dois meses, sem solução, com medo e perdido.
No domingo que resolvi contar para meu bispo sobre o termino dos preparativos para o casamento, ele já foi logo “catalogando” outras moças em perspectiva, só que minha cabeça estava tão confusa que disse a ele que no momento eu precisava de um tempo pra me reerguer depois que quase um ano de namoro firme.
Então um colega de trabalho me chamou para dar uma volta e conhecer lugares novos onde eu poderia me sentir melhor, ele sabia sobre o acontecido e sobre minha opção sexual, daí marcamos um dia e fomos para esse tal local. Eu senti a pior pessoa, a mais suja e com medo de encontrar alguém conhecido e me julgar o porque estava ali, logo eu que era tão popular na igreja, logo eu que tinha chamado na estaca, eu fiquei tão acoado que preferi ir embora, mas tinha algo ali que me chamava a atenção, a liberdade de ser aquilo que qualquer um poderia ser, mas… não, aquilo era obra do inimigo de me tirar da igreja me ofertando tudo aquilo muito fácil.

Deixe um Comentário





Role para cima