A Comunidade de Fé

23 de fevereiro de 2016

Palestra proferida no domingo, 21 de fevereiro de 2016, na primeira conferência anual Affirmation Colombia, Chinauta, Colômbia

Por John Gustav-Wrathall, Presidente, Afirmação

Tenho muitas lembranças boas das alas SUD em que cresci, as alas Rochester 2 e Pittsford. A maioria de meus amigos mais próximos eram outras crianças com quem frequentei a Escola Dominical e, posteriormente, as atividades do quórum do sacerdócio. Como minha família era ativa na Igreja, isso significava que, se precisássemos de ajuda para nos mudar, ou se um de meus pais adoecesse, ou se nós, filhos, precisássemos de carona para alguma atividade, os membros da Igreja sempre estariam lá para ajudar. A amizade de meus pais com outros membros de nossa ala significava que sempre havia outros adultos sábios e amorosos em nossa vida, sobre os quais poderíamos fazer perguntas ou buscar conselhos e orientação, algo que se tornou cada vez mais importante para mim à medida que comecei a amadurecer e idade adulta. Quando eu tinha dezesseis anos, meu professor do seminário percebeu que eu estava lutando contra grandes questões e preocupações e tornou-se um amigo meu. Nós nos reuniríamos para conversar um a um depois da Igreja ou do seminário. Ele me emprestou livros, e eu os lia e conversávamos sobre eles juntos. Um livro que ele me emprestou, Stephen R. Covey Raízes Espirituais das Relações Humanas, foi um livro particularmente importante e mudou minha vida. Festas da ala, atividades juvenis e projetos de serviço foram oportunidades para eu aprender, crescer, criar e fortalecer amizades. E então, é claro, nossas reuniões semanais da igreja - reunião sacramental, escola dominical e reuniões do sacerdócio - formaram a espinha dorsal de minha vida espiritual. Foi nessas reuniões e por meio de conversas individuais e entrevistas com líderes da Igreja que senti o Espírito, aprendi sobre o evangelho e fui desafiado a colocar em prática o que havia aprendido. Aos dezesseis anos, comecei a ter encontros regulares com os missionários. Admirei sua maturidade e compromisso com o Evangelho, e eles se tornaram modelos importantes para mim quando jovem. Mais tarde, servi minha própria missão, que foi uma parte importante para me tornar um homem. Muitas das melhores partes de quem sou hoje, sou por causa de minha atividade na Igreja.

As escrituras descrevem a Igreja como um corpo de santos que ensinam e servem uns aos outros, que se regozijam juntos e choram juntos e se esforçam para amar uns aos outros perfeitamente até que tenham um coração e mente, até que vivam na perfeita unidade que as escrituras refere-se como “Sião”. A Igreja foi e continua a ser tudo isso para mim.

Mas embora a igreja fosse uma fonte de amizade, diversão, aprendizado, oportunidades de serviço e formação emocional, social e espiritual, também foi um lugar onde, como um jovem gay, sofri graves ferimentos e até abuso emocional e espiritual. Aquela lesão e abuso foram tão profundos que quase me levaram ao suicídio aos 23 anos, alguns anos depois de minha missão. Para que eu tivesse saúde e segurança, foi necessário me distanciar da igreja por muito tempo. Não acredito que alguém na Igreja me tenha feito mal intencionalmente. Eu acredito que aqueles que mais me machucaram tinham boas intenções. No entanto, acredito que de maneiras muito significativas minha igreja me falhou, e eu conheço muitos outros indivíduos LGBT que também falharam em sua igreja. Como foi possível, à luz de todas as coisas maravilhosas que a Igreja fez por mim em minha vida, que também pudesse falhar comigo de forma tão trágica? Como e por que, especificamente, minha igreja falhou comigo? O que devemos fazer se não nos sentirmos mais seguros na Igreja? Como os indivíduos LGBT podem participar da igreja para que sejamos protegidos de danos ou abusos? Podemos ao menos, ao construir uma base espiritual forte para nós mesmos, estar em posição de nos envolvermos com os membros e líderes de nossa igreja e ajudá-la a viver de acordo com seus ideais de perfeita unidade e amor?

Como foi possível, à luz de todas as coisas maravilhosas que a Igreja fez por mim em minha vida, que também pudesse falhar comigo de forma tão trágica? Como e por que, especificamente, minha igreja falhou comigo?

A igreja em que cresci era uma igreja imersa na cultura profundamente homofóbica da sociedade circundante. Ninguém na igreja realmente questionou os mitos populares sobre ser gay, como o de que é uma doença ou que ser gay é o resultado de pensamentos imorais ou más escolhas. Havia um tabu profundo contra falar sobre homossexualidade na cultura em que cresci, então, quando comecei a amadurecer sexualmente, começando por volta dos 10 ou 11 anos de idade, não tinha como falar, processar ou entender os sentimentos muito naturais de atração que estava sentindo por membros do mesmo sexo. As poucas declarações de líderes da Igreja que ouvi ou li sobre a homossexualidade refletiram esses mitos da homossexualidade. Então comecei a internalizar atitudes muito prejudiciais de vergonha, sentimentos de indignidade e me culpando por ser gay. Além disso, passei a acreditar que isso era algo com que eu tinha que lidar sozinho, porque se alguém mais soubesse sobre mim, eles me condenariam e rejeitariam. Esses sentimentos de vergonha e isolamento me deixaram muito vulnerável ao tipo de depressão que quase me levou ao suicídio.

Depois de minha missão, meus líderes da Igreja disseram-me que minha responsabilidade número um era encontrar uma esposa, casar-me e começar a ter filhos. Quando aceitei o fato de que essa não era uma possibilidade para mim, isso aprofundou meus sentimentos de vergonha e desânimo. Eu me sentia culpado por minha masturbação ocasional. No penúltimo ano na Universidade Brigham Young, confessei ao meu bispo e ele negou-me o chamado, tirou minha recomendação para o templo e disse-me que não deveria tomar o sacramento antes de ficar livre da masturbação por pelo menos três meses . Quando perguntei a meu bispo que conselho ele tinha para ajudar com esse problema, ele me disse que eu deveria me casar com uma mulher o mais rápido possível. Saí de seu escritório sentindo que nunca seria digno novamente e me senti cada vez mais alienado e separado das fontes de conexão com Deus - o templo, o sacramento e o serviço religioso. Cada vez mais comecei a pensar em suicídio.

Os detalhes específicos do conflito que experimentei são únicos. Mas muitos outros mórmons LGBT experimentaram e continuam a experimentar intensos conflitos semelhantes entre sua identidade sexual ou de gênero e sua fé. Por causa desses conflitos, e porque suas famílias e amigos na Igreja não sabem como apoiá-los, eles descobrem que sua comunidade de fé não oferece mais um contexto de apoio e crescimento. Já não parece seguro.

O que devemos fazer se não nos sentirmos mais seguros na Igreja?

Primeiro, quero enfatizar que Deus nos ama, não importa o que aconteça. A Igreja existe para nos ajudar a crescer e nos apontar para Deus. Se não estamos encontrando crescimento, amor e apoio em nossa igreja, precisamos encontrar em outro lugar. Deus estará conosco e nos apoiará em nossos caminhos, enquanto continuarmos a buscá-lo.

Tirar férias da nossa igreja local está OK. É normal sair um pouco e depois voltar quando ou se nos sentirmos mais fortes e mais capazes de lidar com algumas das tensões.

Explorar outras igrejas pode ser uma oportunidade para aprendermos e crescermos também. Podemos encontrar Deus em muitas igrejas e comunidades espirituais diferentes. Por muitos anos, fui ativo na Igreja Luterana e, mais tarde, na Igreja Unida de Cristo. Os membros dessas igrejas eram menos homofóbicos e apoiavam mais a mim e a meu marido, e aprendi muito ali.

A afirmação não foi projetada para ser um substituto para a Igreja, mas nos esforçamos para ser uma comunidade que é amorosa e solidária, que abraça os princípios de Cristo, os princípios do Evangelho, enquanto afirma e ama as pessoas independentemente de sua orientação sexual ou identidade de gênero. Encontrar apoio em uma comunidade é muito importante!

Como os indivíduos LGBT podem participar da igreja para que sejamos protegidos de danos ou abusos? Podemos ao menos, ao construir uma base espiritual forte para nós mesmos, estar em posição de nos envolvermos com os membros e líderes de nossa igreja e ajudá-la a viver de acordo com seus ideais de perfeita unidade e amor?

Para termos um relacionamento saudável com a Igreja, devemos ter um relacionamento forte com Deus. Precisamos acreditar no amor de Deus por nós e confiar que Deus pode nos guiar no caminho da nossa maior felicidade, mesmo quando esse caminho parece ser contrário ao que nossos amigos e familiares ao nosso redor esperam.

Se é difícil para nós acreditar em Deus, no mínimo precisamos confiar em nós mesmos. Precisamos acreditar em nossa própria bondade e nossa própria capacidade de discernir o que é verdadeiro e o que é falso, e encontrar o caminho certo para nós. Precisamos acreditar que nossas experiências são válidas e que nossas vidas são importantes. Precisamos acreditar em nós mesmos.

Como aprendemos a acreditar em nós mesmos? Primeiro, desistindo do perfeccionismo. Podemos começar aceitando que não há problema em cometer erros. É normal aprender com a experiência. Temos direito à nossa própria experiência. Temos o direito de aprender as coisas da maneira como precisamos aprendê-las. Se tentarmos um caminho e esse caminho não funcionar, sempre podemos voltar atrás. Sempre podemos tentar novamente. É assim que adquirimos sabedoria e nos conhecemos. Este é um processo que dura a vida toda.

Como aprendemos a acreditar em Deus? Procurando ser como Deus. Para mim, Jesus Cristo, conforme o vemos retratado nos evangelhos e no Livro de Mórmon, oferece a melhor visão de Deus. Amor, humildade, paciência, bondade e serviço, exemplificados por Cristo, são todas virtudes que podem aumentar nossa sensibilidade aos sussurros do Espírito e nos ajudar a acreditar e sentir-nos em sintonia com Deus. Este também é um processo que dura a vida toda.

À medida que aprendemos a acreditar em nós mesmos, tornamo-nos menos dependentes dos julgamentos dos outros. Podemos aprender a ser nós mesmos e confiar que estamos bem, e não nos preocupar com o que os outros pensam de nós.

À medida que aprendemos a acreditar em Deus, tornamo-nos mais capazes de retribuir o amor mesmo àqueles que nos trataram mal. Aprendemos a nos preocupar mais em servir aos outros do que em ser servidos. Ao aprendermos como ser perdoados por Deus por nossas deficiências, podemos aprender a perdoar os outros pelas suas.

Com o tempo, aprendi que é claro que a Igreja não é perfeita. É claro que os membros e líderes da Igreja cometem erros. Não existe uma igreja perfeita no mundo. Se você encontrar uma igreja perfeita, por favor, me avise! Eu também não sou perfeito. Eu cometo erros o tempo todo! É por isso que precisamos de comunidades de fé - qualquer comunidade de fé com a qual escolhermos nos alinhar! É na comunidade, em nossos relacionamentos uns com os outros, que melhor aprendemos as virtudes e as qualidades exemplificadas por Cristo.

Precisamos cuidar de nós mesmos. Precisamos ser gentis conosco. Especialmente aqueles de nós que foram feridos pela homofobia em nossas famílias e em nossas igrejas. Precisamos ser pacientes e amorosos conosco. Precisamos confiar em nós mesmos, acreditar em nós mesmos e nos amar. Esse é o começo do caminho, e oro para que todos possamos encontrá-lo.

Em nome de Jesus Cristo.

Amém.

Postado em:

Receba o boletim eletrônico da Afirmação com conteúdo como este em sua caixa de entrada!

Deixe um Comentário