Vozes da comunidade: Reações à recente declaração sobre a declaração pública da Igreja SUD de 27 de janeiro de 2015

fevereiro 1, 2015

Anna empey

Anna empey

Anna empey

De muitas maneiras, sinto que a declaração é um grande passo à frente para a igreja. Sei que é difícil ser totalmente positivo por algumas das coisas que foram ditas e pela atitude que elas carregaram. Sinto que este é um grande passo e, de certa forma, pode ajudar a melhorar as coisas e, de outras formas, torna as coisas mais difíceis. Espero que as coisas continuem a ser respeitosas e que todos os lados sigam o exemplo de amor, bondade e compaixão do Salvador. Embora possamos não entender todas as coisas, eu sei que ao longo de minhas experiências na vida essa é a única maneira de obter respeito para demonstrá-lo. Tenho um coração repleto de muitos pensamentos e perspectivas diferentes e, de muitas maneiras, estou tentando digerir tudo o que aconteceu e ainda estou esperançoso e certo de saber que o Pai Celestial me ama, conhece meu coração e sabe como Estou sentindo. Quero enviar amor e apoio a todos os meus irmãos e irmãs LGBT e lembrá-los de que não estamos sozinhos.

Christian Jacob Frandsen

Christian Jacob Frandsen

Christian Jacob Frandsen

Minha reação inicial à entrevista coletiva foi amplamente negativa, mas à medida que os dias se passavam e o Élder Oaks e o Élder Christofferson esclareciam suas intenções em entrevistas subsequentes, me senti melhor em relação a tudo isso. Ainda estou imensamente satisfeito por finalmente ouvir a liderança da igreja usar a sigla LGBT e tenho esperança de que essa prática encontre seu caminho na conferência geral e na linguagem mais ampla da igreja. Igualmente encorajador foi o reconhecimento da irmã Marriott da discriminação histórica contra gays e da legitimidade do movimento pelos direitos LGBT. Também estou entusiasmado com os comentários do Élder Christofferson nas Perguntas e Respostas sobre os membros ativos da igreja serem livres para apoiar os direitos dos homossexuais e o casamento entre pessoas do mesmo sexo, embora permaneçam em boa posição na igreja. Outro momento muito positivo foi a desaprovação inequívoca do Élder Oaks às famílias que rejeitam ou expulsam seus filhos gays. Espero que esta declaração seja amplamente divulgada. Acima de tudo, fiquei comovido com a maneira como o Élder Christofferson falou sobre seu irmão e o amor incondicional que a família Christofferson demonstrou a Tom, tanto dentro quanto fora da atividade da igreja. De modo geral, embora os líderes da igreja tenham cometido erros e falado incorretamente durante suas aparições na mídia esta semana, estou confiante de que eles estão fazendo esforços de boa fé para sustentar o cisma entre a igreja SUD e a comunidade LGBT.

Christy Cottle

Christy Cottle

Christy Cottle

O golpe publicitário da Igreja SUD em relação aos direitos LGBT me deixou profundamente desapontado. Parecia muito com um lobo em pele de cordeiro. Até que eles possam parar de dizer "nós apoiamos os direitos LGBT, mas ...", sua mensagem é inútil para qualquer kind de progresso. Eles exibiram uma total ignorância do cerne da questão, que é que eles estão perdendo indivíduos e famílias às centenas por causa de sua falta de compreensão sobre este assunto. Crianças e adultos estão morrendo. Enquanto eles continuam a balançar a cenoura, muitos continuarão a reconhecer a armadilha e se voltarão para ambientes mais saudáveis e afirmadores e talvez religiões. Acredito que o bispo Gene Robison disse isso melhor em seu artigo recente: “Projetos de lei antidiscriminação, como o adjetivo sugere, têm o objetivo de proteger aqueles nomeados de serem discriminados. A “nova” postura dos mórmons apenas proclama que eles agora favorecem projetos de lei que proíbam a discriminação contra lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros (LGBT), desde que aqueles que os discriminem recebam proteção para fazê-lo. Essa abordagem distorcida estende tanto a linguagem quanto a substância de tal legislação a uma forma irreconhecível e nos leva ao reino do absurdo ”.

Diane Oviatt

Diane Oviatt

Diane Oviatt

Como mãe de um filho gay, tenho me sentido extremamente triste nos últimos dias. Fiquei momentaneamente esperançoso antes de perceber que o abraço caloroso era mais como um estrangulamento em nossos queridos irmãos e irmãs gays. Eu continuo ouvindo as palavras de Isaías 29:13. E seEnguias como esses apóstolos do Senhor estão falando da boca para fora, mas seus corações estão longe da maneira como o próprio Cristo trataria nossos amigos LGBTQ. A falta de vontade de pelo menos pedir desculpas pela dor causada pela retórica do passado está além da minha compreensão como um santo dos últimos dias por toda a vida. E o desejo contínuo de impedir que essas pessoas maravilhosas gozem dos mesmos direitos e privilégios que elas próprias gozam é nada menos que intolerância. Nossa igreja centrada na família está realmente destruindo famílias.

Fred Bowers

Fred Bowers

Fred Bowers

Um de meus heróis pessoais, Eleanor Roosevelt, quando foi convidado a se sentar em assentos segregados em um auditório de Birmingham, Alabama, enquanto participava da Conferência Sul sobre Bem-Estar Humano em 1938, optou por se sentar em uma cadeira no corredor. Durante minha vida, sentei em minha cadeira no corredor entre as muitas comunidades das quais faço parte para mostrar que discriminação contra qualquer pessoa é discriminação contra todos. O recente anúncio dos direitos LGBT da Igreja SUD me faz sentir que não só preciso continuar sentado em minha cadeira no corredor, mas também para uma viagem acidentada. Eu, como Eleanor, espero por um futuro onde os filhos de Deus não experimentem a segregação por lei ou doutrina em um ambiente religioso ou secular. A escritura SUD nos ensina em 2 Néfi 26:33 e novamente em Doutrina e Convênios - Declaração Oficial 2 (2013) “todos são semelhantes a Deus”. Aguardo o dia em que todo mórmon LGBT “sentado no corredor” entre ser LGBT e ser membro integral da Igreja possa retirar sua cadeira dobrável “virtual” de volta ao seu devido lugar - em algum lugar no salão cultural da ala.

John Gustav-Wrathall

John Gustav-Wrathall

John Gustav-Wrathall

Eu entendo porque muitos mórmons LGBT estão reagindo à declaração da igreja com frustração. Eu mesma senti um pouco dessa frustração. Fomos submetidos a todos os tipos de discriminação que o Élder Oaks reclama que os membros da Igreja estão começando a sentir, e muito mais. E a igreja simplesmente não parecia se importar com a dor que estávamos sentindo até que começou a perder nas urnas. Eu entendo a dor e o ceticismo. Ainda assim, esta é, no escopo, a declaração mais ampla e forte em apoio à legislação anti-discriminação para pessoas LGBT que a igreja já fez. Ele tem o potencial de mudar drasticamente a conversa sobre os direitos LGBT nos estados e países onde os Mórmons são politicamente influentes, bem como em alas e famílias SUD. A declaração do Élder Holland sobre as isenções religiosas foi moderada e qualificada, de forma alguma uma declaração de apoio ao direito geral de recusar o serviço que muitos parecem sugerir. Não espero que nenhuma conversa além da diferença seja fácil, e sempre sou grato por uma conversa melhorada.

Peter Howland

Peter Howland

Peter Howland

Há aspectos positivos na declaração e fico feliz em saber que eles apoiarão a legislação antidiscriminação. No entanto, parece que para cada passo que dão para frente, há dois passos para trásard. Não gosto que peçam isenções. “Sim, apoiaremos a legislação anti-discriminação, desde que não se aplique a nós. Não posso concordar com isso. ”

Peter van der Walt

Peter van der Walt

Peter van der Walt

Eu concordo totalmente com a Igreja. O casamento entre pessoas do mesmo sexo é de fato uma questão de liberdade religiosa. Eu acredito - e não estou sozinho nisso - que o casamento entre pessoas do mesmo sexo é um direito moral e espiritual. Insistir que a oposição de algumas igrejas seja consagrada na lei secular é dizer que essas igrejas são melhores do que outras. Que as convicções religiosas de uma pessoa devem triunfar sobre as de outra na esfera pública. Por um lado, a igreja pede que as proteções de seus direitos sejam legalmente estabelecidas - de forma que todos os outros na esfera pública respeitem seus direitos. Por outro lado, eles insistem que apenas sua visão (e a das igrejas que não afirmam que as pessoas LGBT são iguais) deve ser respeitada quando se trata da questão do casamento entre pessoas do mesmo sexo. Esse é um padrão duplo que - lamento dizer - tipifica o comportamento dos SUD na questão LGBT. Faz anos. Atualmente está sendo revestido com açúcar - e isso é bom. Nós apenas temos pena deles agora, em vez de chocá-los com eletrodos, forçando-os a se casar com pessoas por quem eles não são naturalmente atraídos ou excomungando-os (pelo menos em algumas enfermarias, na maioria das vezes). É muito bom exigir respeito mútuo e táticas mais agradáveis. Boicotes e intimidação não são legais. Nem são coisas pelas quais você pode ser multado pelo FPPC. Mas reformular o SUD como vítima na questão do Prop 8 é, francamente, nojento. Se as pontes devem realmente ser construídas - se a reconciliação deve acontecer - ela deve proceder de um lugar de honestidade. Não PR. Acredito em Deus porque encontrei fé nas páginas do Livro de Mórmon. Eu acredito que Joseph foi um Profeta. Não sou membro da Igreja. Por oito anos, lutei para manter minha fé - apesar de suas ações. Para ser honesto - o que a igreja faz com seus próprios membros é assunto seu. Insistir para que o resto do mundo os acompanhe, infelizmente, não é apenas assunto deles. Não tenho dúvidas de que a igreja vê meu parceiro e eu como intrinsecamente imorais e fundamentalmente imperfeitos para nosso estilo de vida um tanto pedestre. Mas sua insistência de que essa visão deve ser aplicada como lei secular? Quando você critica a família das pessoas - mesmo em um tom doce - isso as perturba. Dado o histórico desta igreja nesses assuntos - e digamos, a contagem de corpos - eles dificilmente ficarão surpresos se as pessoas se recusarem a aceitá-lo. Insistir para que todos sejam amáveis, neste ponto, é tão desavergonhado.

Ron Raynes

Ron Raynes

Ron Raynes

Reconheço que a conferência de imprensa da Igreja SUD e as entrevistas de acompanhamento apresentam uma faca de dois gumes, especialmente para aqueles que vivem com o fardo da discriminação. O que foi instigante e surpreendente para mim foi a igreja pedido aos legisladores para “fazerem o árduo trabalho de conciliação” e para que ambos os lados estejam dispostos a “desistir” de algo. Isso não soa como a mentalidade Mórmon típica de 'tudo ou nada'. Além disso, o apelo por um tratamento equilibrado, dizendo que não devemos discutir questões pertinentes a um grupo (LGBT), sem também levar em consideração as necessidades de um grupo oposto (os religiosos) de viver de acordo com os ditames de sua consciência. É difícil para mim argumentar contra isso em princípio, exceto que realmente não vejo como o tratamento igual no emprego ou na moradia para pessoas LGBT afeta os direitos religiosos de outras pessoas. No entanto, talvez à medida que pessoas com pontos de vista opostos conversam e ouvem umas às outras, o progresso necessário será alcançado em algum lugar no meio.

Sam Edwards

Sam Edwards

Sam Edwards

Tenho sentimentos confusos sobre esta entrevista coletiva. Estou feliz em ver um esforço tão unificado e forte para alcançar oportunidades iguais de emprego e moradia para pessoas LGBT feito pelos líderes da Igreja de forma tão pública. No entanto, considerei a conferência uma desculpa para justificar as atividades e comportamentos da igreja aos olhos do público e fazer uma exigência para que a Igreja e seus membros fossem deixados em paz. É verdade que algumas atividades extrapolam o atentado às liberdades religiosas, mas apenas seguem os exemplos de seus concidadãos religiosamente ativos. Se a conferência foi sobre direitos LGBT, então isso é o que deveria ter sido abordado, se a conferência foi sobre direitos religiosos, então isso é o que deveria ter sido abordado, não os dois juntos, pois só cria confusão. O Élder Christofferson disse que não houve nenhum anúncio de mudança na doutrina “hoje”. Isso pareceu deixar a porta aberta para revelações futuras, algo que nenhum dos outros dois apóstolos se sentiu confortável em fazer. Por último, fiquei muito impressionado com as palavras da irmã Marriott e senti que ela tinha uma compreensão mais sólida de quais eram os problemas em questão e como abordá-los.

Sam Noble

Sam Noble

Sam Noble

Esta declaração recente de líderes da igreja é mais um padrão que vi pessoalmente em declarações e conferências recentes da igreja. Eu ouço e sinto a voz de Deus por meio de alguns daqueles que falam. Também ouço, por falta de melhor expressão, “o philosofismas dos homens, mesclados com as escrituras. ” Um lado meu quer apontar um dedo acusador, perguntando-me por que a suposta “única igreja verdadeira” parece estar se agarrando a qualquer coisa. Adoro a pergunta de Dieter Uchtdorf: “Quantas vezes o Espírito Santo tentou nos dizer algo que precisávamos saber, mas não conseguimos passar pelo enorme portão de ferro do que pensávamos que já sabíamos?” e quero perguntar exatamente isso quando ouço as pessoas dizerem que “sabem” ou que certas coisas “nunca” vão mudar. Ainda outra voz me lembra quando eu mesmo me apeguei fortemente a pontos de vista que aprendi crescendo na igreja, o oposto do que vejo agora. Aceito que estamos todos (incluindo os líderes no topo) aprendendo e mudando. Talvez o que mais me incomode seja a crença que uma vez tive - e que receio que muitos ainda tenham - de que, de alguma forma, ser feito uma Autoridade Geral significa que se compreende claramente a vontade de Deus em todas as coisas e não deve ser questionado. Em resumo, sinto que esta é uma boa lição que me ensina a continuar a ajustar minhas expectativas em relação à Igreja.

Postado em:

Receba o boletim eletrônico da Afirmação com conteúdo como este em sua caixa de entrada!

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

1 comentário

  1. Jerry Johnson em 02/02/2015 às 8:09 AM

    Estou tentando renovar minha associação na Afirmação e também me inscrever para a próxima conferência de setembro. Não consigo realizar nenhum dos dois. Você pode ajudar? obrigado

Deixe um Comentário