Palavra de Deus: Totalmente, completamente e completamente bem

20 de julho de 2021

Homem Rosto Claro na Escuridão

por Michael Haehnel

Depois de receber meu chamado para a missão no Japão, deveria ter sentido paz e realização. Em vez disso, estava preocupado.

Naquela época, eu havia aprendido o suficiente sobre como Deus trabalha comigo para suspeitar que algo estava faltando. Esse tipo de sentimento perturbador já havia acontecido antes, como na época em que eu estava preparando um discurso na reunião sacramental de acordo com meu costume: algo espirituoso seguido de algumas escrituras e uma ou duas histórias pessoais. Isso sempre tinha recebido ótimas críticas antes. Mas, no final da adolescência, senti que algo estava errado. Quando eu enfrentei Deus sobre isso, Deus me disse que era hora de levar a sério e parar de usar o púlpito como meu palco pessoal.

O sentimento que tive depois de receber meu chamado para a missão foi semelhante. Ficou claro que Deus queria falar comigo.

Em pouco tempo, eu entendi. Deus não queria que eu fosse para o campo missionário sem divulgar minha atração por outros caras. Eu tinha passado pela adolescência, várias entrevistas com o bispo, algumas confissões adicionais ao meu bispo e algumas oficinas de conferência de jovens de fogo e enxofre, sem nunca sentir a necessidade de dizer que experimentei desejos homossexuais. Talvez seja porque eu cresci no Oriente. Talvez seja porque meu bispo nunca recomendou nenhuma das principais leituras da época, como O milagre do perdão. Talvez seja porque nossa ala viu muita contenda entre os conservadores George-Wallace e os conservadores Richard-Nixon, então os adultos estavam preocupados demais para trazer à tona a abominação da homossexualidade. Em qualquer caso, eu vi minhas tendências gays como preocupantes, mas não debilitantes. Enquanto meu comportamento se mantivesse no estreito e no estreito, por que diabos eu incomodaria alguém com meu conjunto particular de tentações? Não que eles não fossem nada. Eles eram uma pedra de moinho em volta do meu pescoço. Mas era só minha pedra de moinho e só meu pescoço, então por que arrastar alguém mais para baixo?

Aqui estava eu, no entanto, a meses de embarcar primeiro para a Missão de Treinamento de Idiomas e depois para o Japão, e Deus estava me dizendo para contar.

Liguei para meu bispo e marquei uma reunião. Fui até sua casa - a meia hora de distância, porque é assim no Leste - e o observei enquanto ele terminava de ligar as lâmpadas que seus filhos tinham montado como parte dos negócios da família. Ele então me convidou para sua casa e para a sala onde mantinha seu escritório.

Ele era um homem de boas maneiras, calmo e seguro de si. Ele era o tipo de pessoa que navegava em águas turbulentas como um navio de cruzeiro - cortando as ondas sem balançar. Sentamos nas cadeiras e ele me disse que o chão era meu.

“Estou sujeito à tentação homossexual”, disse eu.

Não consigo me lembrar da primeira coisa que ele disse. Não acho que tenha sido uma frase. Mais como uma série de começos e paradas. O Titanic acabara de bater em um iceberg. “Bem,” ele finalmente disse. “Terei de contar ao presidente da estaca sobre isso.”

E foi isso. Algumas semanas depois, encontrei-me com o presidente da estaca - a uma hora e meia de distância - e ele me instruiu a contar ao meu presidente de missão assim que chegasse ao Japão. Sem histrionismo. Nem uma palavra sobre rescindir meu chamado para a missão. Suponho que tenha a ver com o fato de meu bispo ter formação em psicologia e, portanto, saber que as coisas nem sempre são definitivas. Suponho que isso também tenha a ver com o fato de meu presidente de estaca ser um professor universitário liberal. Não sei. Enfim ... sem raios, sem trovões. Apenas a diretriz de avisar meu presidente de missão.

Quando chegou a hora de minha despedida missionária, meu bispo fez uma coisa incomum. Após a reunião sacramental, ele pediu a nossa família que fosse à sala da Sociedade de Socorro. Lá, sentados em círculo, estavam todos os meus colegas, as crianças com quem cresci. Não é uma multidão enorme - dez no máximo, sendo o Oriente. Havia uma cadeira vazia em um lado do círculo e meu bispo me pediu para sentar nela.

Ele estava de volta a si mesmo agora. Ele estava em pé firme. Ele sabia o que queria e tinha um plano.

Ele disse que, ao longo dos anos, eu o consultava de vez em quando para ver se estava "bem". Acho que esse era seu eufemismo para as vezes em que confessei esta ou aquela transgressão. Suponho que ele também estava incluindo minha recente admissão de que era gay. Ele continuou, dizendo que eu estava bem. E ele queria que eu soubesse que eu estava bem. Portanto, o exercício em questão era que cada um dos meus colegas no círculo me contaria o que viam em mim e como achavam que eu estava bem.

Foi estranho e constrangedor. Tive dificuldade em saber como reagir. Uma das irmãs - aquela que havia sido a presidente da classe Laurel ao mesmo tempo que eu era a primeira assistente do quórum de sacerdotes - meio que gritou comigo e me disse para parar de olhar para o chão enquanto ela me cumprimentava.

Eu sabia que era um gesto de tranquilização da parte do meu bispo. Achei que era porque ele estava preocupado comigo.

Eu também sabia que havia uma contradição por trás de tudo isso. Ele sabia que eu era gay. Então, como ele poderia dizer que eu estava bem? Claro, eu não estava bem. Eu estava quebrado. Eu estava fazendo o meu melhor como um ser intrinsecamente inferior - sempre havia feito e sempre faria - mas de forma alguma na terra de Deus um homossexual estava bem. Eu sabia disso e tinha certeza de que ele sabia. Então, de certa forma, tudo isso foi uma farsa.

Exceto que não foi.

Deus disse a ele para me dizer que eu estava bem. Muito bem. Totalmente, completamente e completamente bem.

Levei mais de trinta anos para finalmente entender isso. Trinta anos e algumas medidas bastante extremas da parte de Deus, me virando às vezes de cabeça para baixo para tentar passar a mensagem. E quando eu finalmente entendi e olhei para trás, vi que Deus estava tentando me dizer isso o tempo todo - começando com meu bispo, que a princípio ficou com a língua presa ... até que Deus o ensinou como responder a um jovem gay vindo Fora.

Desde então, deixei a Igreja Mórmon. Não é hospitaleiro para mim. Mas eu sei que Deus deixou claro para alguns mórmons ao longo dos anos - talvez para aqueles que não tinham todas as respostas e estavam dispostos a admitir isso - que nós gays, lésbicas, bissexuais, transexuais e queers em todos nossas variedades estão bem. Muito bem.

Postado em:

Receba o boletim eletrônico da Afirmação com conteúdo como este em sua caixa de entrada!

Deixe um Comentário