Demorou muito para perceber quem eu sou, já que ninguém nunca falou sobre garotas serem gays

28 de junho de 2018

Chelsea Gibbs

por Chelsea Gibbs

Este é para as meninas.

Talvez você tenha percebido que as questões LGBTQ geralmente parecem centradas nos homens. Lembro-me de sair com meus amigos mórmons progressistas quando o desastre do Prop 8 estava acontecendo, e muitos deles diziam coisas como: “Quem se importa se meu filho quer se casar com um cara algum dia? Ele deve ser capaz! " Eram amigos que também tinham filhas, mas nunca houve menção à possibilidade de que essas filhas gostassem de meninas. Tenho certeza de que não foi um descuido intencional, mas percebi.

Quando comecei a buscar apoio mórmon gay alguns anos depois, não consegui encontrar testemunhos de mulheres queer. Havia mulheres, sim, e eu ficava animado toda vez que clicava em uma miniatura para vê-la falar, apenas para ter meu coração afundar de decepção cada vez que ela se anunciava como uma aliada direta de seu irmão ou tio gay ou outro parente masculino.

Não é minha intenção atacar aliados ou dizer que não precisamos deles, porque certamente precisamos. É que tive a sorte de já estar em posição de saber que havia mórmons por aí que não seriam homofóbicos. O que eu queria saber era se havia outras mulheres como eu. Levei muito, muito tempo para encontrá-los, mas finalmente consegui. Podemos estar em menor número (e todo mundo tem suas teorias por quê), mas estamos aqui.

Então, senhoras, vocês não estão sozinhas! Minhas irmãs cis e irmãs trans vocês não estão sozinhas. Irmãos trans, vemos vocês. Amigos não binários, você também não está sozinho. É verdade que a maioria dos eventos queer gerais dos quais você participa terá a predominância de nossos maravilhosos irmãos cis gays (e dependendo do espaço, aliados), mas isso não significa que você não pertence a eles. A primeira vez que participei da Afirmação, três anos atrás, fui a uma sessão de discussão para mulheres queer e minorias de gênero. Foi minha parte favorita da conferência porque pude estar com meu pessoal, pessoas que me pegaram. Era emocionante, embora houvesse menos de dez de nós na sala. Na conferência do ano passado, houve mais do que o triplo desse número em nossa sessão. A consciência está sempre crescendo!

Parte desse crescimento, espero, está relacionado ao fato de as pessoas terem seu "aha!" momentos em idades mais jovens. Enquanto eu estava me descobrindo, freqüentemente voltava a supor que era heterossexual porque, mesmo na casa dos vinte anos, eu sentia que já teria sabido se fosse gay. Novamente, isso pode ser porque, a este ponto, a maior parte do meu entendimento sobre queerness veio de caras cis gays, que foram condicionados não apenas pela igreja, mas pela sociedade em geral a ter mais consciência de sexo / sua sexualidade do que as meninas. Espera-se também que as meninas sejam mais melindrosas com seus amigos, que se relacionem emocionalmente mais com seus amigos e sejam capazes de elogiar a aparência de outras meninas muito mais do que os homens "podem" com outros rapazes. Uma garota acariciando outra amiga ou dizendo a ela o quão gostosa ela está é apenas como as amigas heterossexuais interagem. Um cara fazendo a mesma coisa com outro cara seria rotulado de gay. Coisas como essa me faziam questionar o quão “gay” eu poderia realmente ser. Além disso, quando eu estava crescendo, a representação da mídia não amava as lésbicas muito mais do que a igreja. O que vi nos filmes e na televisão transmitiu a mensagem de que as mulheres queer eram predatórias, grosseiras, risíveis e totalmente indesejáveis. Que garota gostaria de se associar a isso?

Embora eu tenha sentido a insistência da igreja de que homossexualidade é algo que você tem (“ele lutou contra a atração pelo mesmo sexo”) e não algo que você é (“rótulos são burros! O mundo quer que você se chame de gay! A única identidade que importa é que somos filhos de Deus! ”) foi limitante e incorreto, acho que devo ter internalizado a noção. Pensamentos fugazes de "huh, ela é bonita" podem ser ignorados porque nunca levam a nada substancial.

Minha história é longa, mas basicamente, na pós-graduação, percebi que havia me apaixonado por uma amiga minha que por acaso era uma menina. Nem admiração, nem paixão, amor de ponta-cabeça, amor de todas as canções. A igreja pensa que é simples dizer apenas "não aja com a atração pelo mesmo sexo!" Mas a ideia subjacente - insidiosa, se não intencional - é "não se apaixone". E isso, é claro, nunca é uma escolha que as pessoas fazem conscientemente.

Uma das primeiras pessoas que procurei foi o bispo de minha ala, meu ex-professor da Escola Dominical dos Jovens. Um ano, quando eu estava na faculdade e em casa no verão, ele me chamou para ensinar os jovens. Como ele tinha sido tão bom no chamado, pedi alguns conselhos a ele. Ele disse: “O ideal é que você receba algum tipo de evangelho para levar lá. Mas o mais importante é que você faça dele um lugar que eles queiram estar. ” Lembrar disso fez dele alguém que eu sentia que poderia assumir, alguém que estava menos preocupado com: "Eu devo doutrinar você!" do que com, "Você se sente feliz aqui?"

Fiquei em seu escritório por mais de uma hora e havia muitas lágrimas. Ele não recitou a linha do partido para mim. Ele afirmou meus sentimentos. Ele entendeu que eu me sentia dividido entre minha identidade espiritual e a orientação que ela dizia que eu não poderia ter. Ele me conhecia como uma aluna ansiosa do seminário com um ótimo recorde de frequência, um orador entusiasmado nas reuniões sacramentais e conferências de estaca, uma professora de escola dominical engajada, alguém que amava visitar sua ala de origem porque realmente se sentia como uma família.

Ele sabia que não havia realmente uma boa resposta para mim. Ele e a enfermaria poderiam ser tão afirmativos e acolhedores quanto poderiam (e são), mas não seria necessariamente o caso em todas as enfermarias que frequentei. Além disso, havia rituais dos quais eu seria excluído se acabasse com um parceiro que não fosse homem. Em vez de tentar me assustar ou me punir, ele encerrou nossa conversa dizendo: "Espero que seja qual for o caminho que você tomar na vida, a igreja possa ser útil de alguma forma." Não, “Espero que você veja a luz e desista dessa escolha de estilo de vida”. Não, "A igreja vai consertar você." Apenas um reconhecimento de que pode não ser o melhor lugar para mim e isso não significa que eu seja uma pessoa má; um reconhecimento de esperança de que poderia encontrar um bebê na água do banho para me ajudar, se eu quisesse.

Embora eu não seja muito ativo hoje em dia, ainda tenho muitas lições boas da igreja. O mormonismo formou a base de minha espiritualidade, e há muitas partes dela que sou grato por ter aprendido. Sou grato por ter revelação pessoal além da Bíblia. Sou grato por acreditar na progressão eterna e na misericórdia que se estende além de nossas vidas nesta Terra. Sou grato pelos muitos relacionamentos maravilhosos formados na igreja.

Quando ouço que um apóstolo disse algo homofóbico, fico triste não porque estou com medo de que ele esteja certo, mas porque estou com medo do efeito que suas palavras e políticas terão sobre as pessoas cujas famílias interpretam literalmente cada palavra sua como, bem, evangelho. Fiquei profundamente consolado com as palavras de Chieko Okazaki, o único líder mórmon cujos trabalhos compartilho e recomendo rotineiramente. Certa vez, ela disse: “Parte de nossa independência espiritual é simplesmente livrar-nos de mensagens errôneas sobre quem somos. Nós os obtemos de pessoas que não nos conhecem, mas que nos julgam, de pessoas que nos impedem de ser quem somos. ” Quando percebi que isso resumia meu relacionamento com (a maioria) dos irmãos, suas palavras pararam de me afetar.

Eu me senti inspirado a seguir um de meus heróis bíblicos, Esther, e falar por mim e por meus irmãos queer em um ambiente de igreja. As pessoas devem estar cientes de que há uma chance muito boa de haver uma pessoa homossexual sentada em sua classe, fechada ou não, e sou grato por estar em um lugar na minha vida onde posso ter certeza de que eles estão cientes disso. Falo não apenas na esperança de educar os mórmons heterossexuais (bem-intencionados ou não), mas também para que todos no armário saibam que não estão sozinhos. Que possuir a própria estranheza está longe de ser o fim do mundo; que ser queer é uma ótima identidade; que eles não são uma pessoa heterossexual quebrada que um dia pode ser consertada.

Confiar que Deus não me tornou esquisito por engano, essa fraqueza percebida - o que alguns podem chamar de “luta” contra a “atração pelo mesmo sexo” - tornou-se uma das minhas maiores fontes de força. Comunicar-se com outras pessoas queer de fé, para encontrar alegria na jornada de auto-realização e auto-aceitação, é meu tipo favorito de experiência espiritual.

Receba o boletim eletrônico da Afirmação com conteúdo como este em sua caixa de entrada!

5 comentários

  1. Christie Frandsen em 29/06/2018 às 10:28 AM

    Brilhante, compassivo e atraente - eu amo e admiro muito você, Chelsea !!

  2. Brita Harris em 25/07/2018 às 12:19 AM

    Chelsea, isso é tão bem colocado. Eu gostaria que mais pessoas pudessem ouvir perspectivas como a sua. Eu admiro você e as maneiras como você cresceu nesta jornada.

  3. Graham Gibbs em 25/07/2018 às 4:48 AM

    Obrigado por compartilhar sua jornada perspicaz (e bem escrita). Amo o que você aprendeu com o mormonismo.

  4. Treacy Regan em 05/08/2018 às 2:33 AM

    Uau. Sou um mórmon inativo e estou em um PC com minha esposa. Mas, como crente, me sentia sozinho. Minha esposa disse que eu posso voltar a igreja quando quiser, ela sabe que sou crente. Mas na Igreja as pessoas sentiam muito frio. Tenho filhos e netos que passaram do casamento para o ex-marido (não mórmon) (…) Sinto Deus me dizendo que ele me ama como eu sou e para viver. Especialmente, depois de fevereiro, quando fiquei na UTI assustador para minha vida, mas eu me lembro de um sentimento caloroso que conheci quando morri, vi minha avó e aqueles que passaram e uma voz disse que meu tempo ainda não é, tenho um propósito para viver para. Os médicos disseram à minha família que eu posso não acordar, mas aquela voz (eu sou surdo, mas aquela voz era pacífica) ... Eu acordei e estou vivendo de forma honesta e aberta. Estou feliz, mas espero que em breve volte à igreja

  5. Belle em 02/12/2019 às 2:58 AM

    Obrigado por compartilhar, tenho lutado para encontrar histórias femininas também e as suas me dão esperança, obrigado.

Deixe um Comentário