Ir para o conteúdo

Vencendo e perdendo: a melhor chance de uma criança na BYU

30 de setembro de 2002

por Sam Clayton

Este artigo foi o vencedor do Concurso de Redação da Afirmação de 2002. Este artigo foi retirado de arquivos da Internet e foi publicado originalmente em 2002. Algumas edições e atualizações foram feitas no texto original. É possível que as informações tratadas neste artigo como atuais estejam desatualizadas e os leitores são incentivados a verificar com fontes mais recentes. Se você acredita que uma atualização deve ser feita neste texto, Por favor nos informe.

Não é sem reservas que começo esta história, uma história que tentei escrever várias vezes, mas sempre abandonei na confusão ou na depressão. É o relato de uma das experiências que tive como estudante na BYU, quando estava vigorosa (e um tanto irritantemente) em uma cruzada por maior consciência e aceitação para gays e lésbicas na escola e na Igreja.

Os nomes e detalhes de alguns dos personagens foram alterados, exceto no caso do meu próprio e dos administradores da BYU, cujos nomes deixei muito merecidamente inalterados. Fiz o meu melhor para recriar as situações e conversas de memória e de anotações que fiz na época, a fim de obter o mínimo de licença criativa possível. No entanto, admito que minha memória não é perfeita e, como sempre, há mais de um lado em qualquer história. Esse relato é apenas a lembrança honesta de uma experiência que ajudou a moldar o curso de vida de um jovem.

Era 1997, a primavera do meu primeiro ano, e eu ainda não tinha 23 anos. Nesse ponto da minha “carreira” como ativista gay no campus, eu estava começando a me considerar um figurão. Acho que pensei que se pudesse realmente me safar de algo como ser gay, poderia fazer o que quisesse. Eu passeava com meu cabelo comprido demais, camisas de colarinho dos anos 70, jeans vintage rasgados e bolsa militar de lona com “bicha” rabiscado na lateral, esperando que alguém me confrontasse.

Eu tinha me encontrado com a reitora de alunos, Janet Scharman, e o vice-presidente de vida estudantil da BYU, Alton Wade, por vários meses como líder de uma pequena organização composta por alunos e professores cuja missão era expandir a consciência dos gays em campus. Por meio dessas reuniões, com a ajuda de uma pesquisa em todo o campus e de muita imprensa, tínhamos instigado com sucesso um processo que resultou na BYU fazendo declarações públicas confirmando que estudantes gays e lésbicas poderiam frequentar a universidade se cumprissem o código de honra .

Como resultado, parecia que a vida gay na BYU estava mais aberta do que nunca. Mais e mais alunos estavam emergindo de suas vidas secretas de salas de bate-papo e consultórios de terapeutas reparadores para fazer uma tentativa de integração - a assustadora, mas aparentemente nova e possível perspectiva de serem totalmente eles mesmos, tanto gays quanto mórmons. Eu tinha sido abertamente gay por mais de um ano e tinha me defendido com sucesso contra questionamentos do escritório do código de honra, avisos de bispos nervosos e reações de estudantes que iam de ameaças físicas a ombros frios de aço que, apesar da imagem indiferente, tentei projeto, ao qual nunca me acostumei. Minha estratégia era agir como se fosse invencível. De alguma forma, parecia funcionar. Pelo menos me enganou.

Minha outra estratégia foi o próprio código de honra. Em uma reviravolta miraculosa do destino, o código de honra deixou de ser a ferramenta que a BYU usava para erradicar pessoas como eu, para se tornar meu escudo que me protegia da BYU. O código de honra não sabia o que fazer com uma definição de gay que tinha a ver com identidade e não com sexo gay. Contanto que eu mantivesse o código de honra (ou seja, nenhuma relação sexual pré-marital, que todos os outros alunos solteiros da BYU tinham que obedecer), estava livre para ser tão sem remorso quanto me sentia.

Um dia, quando eu estava trabalhando em meu cargo de pesquisador no departamento de sociologia, recebi um telefonema do prédio Abraham Smoot (ASB), o prédio administrativo principal da BYU. Uma voz masculina amigável se identificou indiferentemente como Ryan, o que é estranho para uma voz tão madura na BYU. Normalmente seria “Irmão Snow” ou “Dr. Benson. ” Ele disse que queria falar comigo em seu escritório, mas resistiu várias vezes em me dizer pelo telefone do que se tratava. Imaginei inicialmente, porque vinha do prédio da administração, que tinha algo a ver com o trabalho que eu estava fazendo com o presidente Wade e Dean Scharman, mas fiquei um tanto amedrontado com a firmeza crescente em seu tom e seu sigilo.

Esses tipos de ligações (firmes e sigilosas) geralmente vinham da Torre Kimball, que abrigava o sinistro Honor Code Office. Eles me ligaram com bastante regularidade com alguma nova acusação idiota, que eles nunca poderiam comprovar.

“Ouvimos relatos de que você é gay.”

Eu iria olhar para eles descaradamente.

“Hum, sim, estou. Posso ir agora? Você tem mais alguma coisa? Por favor, não me chame a menos que você tenha algo sobre mim que seja realmente contra o código de honra. Obrigado."

Na verdade, eu esperava que eles me ligassem. Isso me deu uma saída para minha raiva. Nesse sentido, finalmente concordei em marcar um encontro com Ryan e desliguei.

Entrei em seu escritório no ASB, que era o seu escritório básico indefinido da BYU, e conheci Ryan Beuhring (o sobrenome dele uma pista de sua porta), que ele próprio era bastante básico e indefinido. Ele vestia camisa branca e gravata, era moderadamente atraente e era de meia-idade. Eu tinha certeza de que ele provavelmente era um bispo em algum lugar de Provo, com uma esposa normal e 4 ou 5 filhos. Ele foi amigável, apertou minha mão e me pediu para sentar. Depois de uma breve conversa sobre tópicos casuais de construção de confiança, ele fez uma pausa. Uma expressão estranha surgiu em seu rosto, uma que combinava intimidade, constrangimento e uma sobrancelha ligeiramente levantada (como se fôssemos velhos amigos e ele tivesse que trazer algo difícil e talvez um pouco constrangedor). Ele começou a explicar por que eu havia sido chamado. Aparentemente, um estudante gay confessando havia fornecido ao escritório do código de honra uma lista detalhada de outros estudantes gays - e meu nome estava na lista.

Eu o interrompi imediatamente, em parte porque a agressão havia se tornado meu novo melhor amigo e em parte porque estava tentando me dar um pouco de tempo para decidir quem esse aluno poderia ser e o que ele poderia ter dito.

“Por que meu nome estaria em uma lista se esse aluno estava confessando algo sobre si mesmo? Ele está dizendo algo sobre meu comportamento que violou o código de honra? ”

Eu não estava preparado para a brusquidão em sua resposta.

“Bem, ele está dizendo que foi com você a um bar gay, um estabelecimento chamado 'the Sun' em Salt Lake, o que eu diria que é contra o código de honra, não é?”

Ele parecia ter sentido que estava um pouco à frente de si mesmo com aquela resposta reativa depois de toda a construção de confiança, e parecia um pouco confuso por eu não parecer nervoso ou com medo. Ele não sabia que esse tipo de questionamento era rotina para mim.

“Bem, na verdade não, não conheço nenhum lugar no código de honra que diga que não podemos ir a bares gays, ou nos associar a gays, ou mesmo ir a bares. Diz que não podemos beber álcool ou ter relações sexuais antes do casamento. Não vejo como ir a este 'estabelecimento chamado Sol' verifica o envolvimento em qualquer uma dessas atividades. Sou franco sobre o fato de que sou gay e não me sinto intimidado por ninguém saber disso. ”

Ele olhou para mim por um momento com as mãos atrás da cabeça, como se contemplando com o que exatamente ele estava lidando. Eu encarei de volta com minha expressão treinada de indignação justa e condescendência presunçosa, ainda pensando que esta situação tinha algo a ver comigo diretamente e me perguntando se isso poderia realmente ser outro relatório vago sem nada para apoiá-lo. Eu ainda não conseguia entender por que essa situação estava sendo tratada no prédio da administração e não no escritório do código de honra. Aparentemente, tudo havia começado ali, com uma confissão de rotina, mas de alguma forma avançou para o terceiro andar do ASB.

Minha experiência com o ASB até este ponto foi limitada a implorar por doações de ajuda financeira e receber meus contracheques de emprego no campus. Foi um pouco difícil levar a sério essa pessoa muito séria no prédio que todos nós nos referimos alegremente como a piscina dos anos 70. Com suas paredes de azulejos aqua, teto alto do saguão, escada em espiral e multidões de alunos sorridentes e lentos, dava a impressão de estar nadando em uma discoteca ou participando de um número assustadoramente hipnótico de Esther Williams.

De qualquer forma, em breve eu aprenderia qual era o significado e que tinha muito pouco a ver comigo.

“Na verdade, só preciso que você verifique uma conversa que teve com esse aluno chamado Todd, se não se importar, e então você pode ir.”

Essa declaração me pareceu estranha. Por que ele apenas fez uma ameaça velada sobre eu violar o código de honra se ele apenas queria que eu verificasse algo?

"O que é isso?" Eu perguntei.

Ele puxou um pedaço de papel e leu um parágrafo que descrevia um cenário e personagens, o cenário sendo o estacionamento do Sol após uma noite de condescendência e os personagens sendo eu e Todd. Ele então começou a ler as linhas como em um script:

Sam: Ei Todd, você conhece um Dr. McKellen?

Todd: Sim, ele é um dos professores do meu departamento.

Sam: Acabei de conhecê-lo lá dentro.

Todd: Ele é gay?

Sam: Sim, ele é gay. Ele vem aqui.

Ficamos sentados em silêncio enquanto eu, ligeiramente em estado de choque, organizava meus pensamentos. A experiência de alguém realmente lendo uma transcrição literal de uma conversa que eu supostamente tive foi um pouco enervante (e estranhamente lisonjeiro). Eu, no entanto, sabia quem era o aluno e logo descobriria o resto da história. Todd era um menino do meio-oeste, recentemente retornado de uma missão europeia, que alternava constantemente entre ser confiante e zelosamente gay e vergonhosamente, pateticamente arrependido.

“Tudo que eu preciso que você faça é confirmar a conversa,” ele repetiu. Ele leu a transcrição novamente e fez uma pausa no final.

De repente, percebi (com horror orwelliano) do que se tratava. Isso não era sobre mim; eles estavam atrás de um professor. Beuhring estava coletando evidências para serem usadas em algum tipo de julgamento para se livrar de um professor gay. É por isso que isso estava sendo tratado por outro ramo da administração que não o escritório do código de honra.

Eu tinha ouvido rumores de que o escritório do código de honra ameaçaria os alunos confessos de que, se eles não lhes fornecessem uma lista com os nomes de todos os seus parceiros no crime, seu destino seria muito pior, mas não achei que eles poderiam fazer isso mais. Não depois dos anos 50 em qualquer caso. Eu podia imaginar a empolgação deles, entretanto, depois que o estudante exausto e perplexo deslizou a caneta e o papel de volta sobre a mesa, quando descobriu que um membro do corpo docente estava na lista - ou pelo menos a promessa de um. Todd não tinha sido tecnicamente uma testemunha ocular, mas poderia fornecer-lhes uma, eu.

O olhar do irmão Beuhring traiu uma estranha combinação de autossatisfação, convicção justa e rotina mórbida. Havia também um toque de constrangimento, como se ele estivesse pelo menos parcialmente ciente de que havia algo não totalmente respeitável em sua linha de trabalho. Ele também estava muito alerta, observando atentamente qualquer reação minha, certo de que qualquer resposta lhe forneceria informações valiosas. Ele era bom em seu trabalho.

Sua confiança casual me fez pensar de repente em uma linha muito longa de alunos assustados e confusos com os quais este homem deve ter lidado no passado, todos convencidos de que seriam expulsos se não cooperassem, e igualmente apavorados que seus pais e amigos descobririam seus terríveis segredos ou más ações. Eles estavam dispostos a fazer qualquer coisa para impedir que isso acontecesse, o que a BYU contava. Fiquei ali pensando muito rapidamente, tentando encontrar uma maneira de evitar ser manipulado para cooperar, mas também encontrar uma maneira de não ter que mentir, que poderia então ser usada contra mim como uma infração em si mesma.

Lembro-me de rir estrategicamente, uma ação da qual ainda me orgulho muito. Presunçosamente, reafirmei sua expectativa de volta para ele para ter certeza de que o entendia (uma habilidade na qual fui treinado em minha missão que na verdade é muito útil), e então comecei a explicar a ele que eu não tinha absolutamente nenhuma intenção de cooperar.

“Não vou confirmar nem negar essa conversa e quero deixar registrado que afirmo que não vou participar dessa investigação e que é intolerante e antiético. Nada naquele pedaço de papel é contra o código de honra de forma alguma, e o fato de você estar tentando fazer com que eu confirme isso me faz pensar que você está tentando descobrir se ele é gay ou não, o que obviamente acredita ser ser motivo de disciplina ou demissão, o que, a propósito, é discriminação pura. Se você quer saber se esse professor frequenta bares gays ou se é gay, por que você não pergunta diretamente a ele? É um código de honra. Isso significa que você deixa as coisas acontecerem em honra das pessoas. ”

Eu estava ficando muito enfadonho e continuei por um bom tempo, entrando em um discurso um tanto longo e apaixonado sobre a caça às bruxas de Salém e o macarthismo (com o qual ele parecia familiarizado, mas não muito feliz com a comparação), e então começou a assustar- estratégia tática de como eu não era um estudante para ser intimidado com muita facilidade. Descrevi minhas conexões com Dean Scharman e Alton Wade e disse a ele que nosso objetivo era realmente impedir que coisas como essa acontecessem.

Ele parecia um pouco chocado, mas ainda muito composto. Ele expressou (não em um tom muito convincente) desaprovação do fato de que eu ousei criticar qualquer método de investigação que foi aparentemente considerado apropriado pelos líderes da igreja. Eu era um pouco experiente demais para segui-lo por esse caminho, o que inevitavelmente levou a toda a questão de alguma forma ser transformada em uma questão de "questionar os irmãos". Em vez disso, apenas olhei para ele.

Ficamos sentados em silêncio por um tempo até que percebi de repente que não havia realmente nada mais que ele pudesse fazer. Decidi sair enquanto ainda era o vencedor, então agradeci presunçosamente e pedi licença. Eu ri enquanto caminhava pelo corredor do ASB, passando por retratos de presidentes da BYU anteriores e líderes da igreja. Eu estava realmente extasiado; Eu estava flutuando. Repassei a cena várias vezes em minha mente, saboreando os momentos de sua paralisia e minha percepção de domínio.

Eu também estava com medo. O que vai acontecer? Eles iriam deixar por isso mesmo? Foi inteligente da minha parte ter destacado minha ligação com os outros membros da administração? Ele falaria com eles e isso prejudicaria nosso progresso?

Eu não tinha certeza, mas sabia que a situação era de alguma forma muito emocionante. A primeira coisa, porém, era encontrar Todd e descobrir toda a história. Não demorou dois dias antes que eu e minha amiga Kris (uma estudante heterossexual de sociologia também em crise com a BYU mainstream, no caso dela ser uma feminista) estávamos dirigindo pela 7th East em seu Bronco e vimos Todd a pé. Demos uma guinada bem na frente dele, bloqueando sua fuga, e falamos da nossa maneira mais intimidante.

“Entre em Todd. Nós queremos falar com você"

"Não! Eles me disseram que eu não podia mais falar com você! ”

“Todd. Acalme-se. Entrar."

“Eu vou ser expulso! Eles me disseram que se me pegassem conversando ou associando-se com alguém gay, eles me expulsariam! ”

“Dê-nos um tempo, Todd. Basta entrar e nos contar. ”

Todd subiu trêmulo, vestígios do esmalte de unha recém-removido do qual ele tanto se orgulhava, ainda visíveis em suas unhas quando ele subiu no banco de trás. Ele nos contou uma história que teria sido chocante se não fosse tão rotineira. Todd não tinha feito nada realmente "errado" como fazer sexo antes do casamento, mas finalmente se sentiu tão culpado por sua nova identidade gay e atividades como sair com gays, ficar de mãos dadas com um garoto e ir ao Sol, que confessou seu bispo. Seu bispo prontamente e “lealmente” o entregou ao código de honra, que lhe explicou que ele estava com sérios problemas e seria expulso da BYU imediatamente, a menos que parasse todas essas atividades, incluindo o contato com qualquer homossexual. Eles não pararam por aí, no entanto. Disseram a Todd que, a menos que ele fornecesse uma lista de todas as pessoas gays que conhecia, ele seria considerado impenitente e expulso.

"Eu precisei. Eles iam me expulsar e contar aos meus pais. ”

“Eu sei, Todd”

Particularmente, eu estava desgostoso com os alunos que continuavam a se permitir serem vítimas de administradores que contavam com sua mentalidade de vítima e vergonha. Muitos ainda estavam inseguros de si mesmos e dispostos a acreditar nas ameaças intolerantes que recebiam. No meu livro, isso significava vulnerabilidade, o que significava se machucar. Eles nunca fariam isso comigo, eu tinha certeza disso.

“Todd, como você chegou a Ryan Beuhring? Você colocou o nome do Dr. McKellen na lista? ”

"Sim, e então ele me chamou e eu disse a ele como foi você quem o viu, não eu."

"Bem, ele também me chamou e leu uma transcrição real do que foi dito."

Eu contei a conversa para ele.

"Como ele sabia de tudo isso exatamente?" Eu perguntei a ele.

“Ele me fez escrever. Ouça, tudo que eu disse é que foi você quem o viu e que me disse que ele estava lá. É isso aí. Eu sinto Muito."

As coisas ficaram calmas por algumas semanas, e eu estava começando a pensar que tudo tinha acabado. Então recebi outro telefonema. Ryan Beuhring queria que eu confirmasse a conversa por telefone. Ele leu a transcrição novamente. Eu disse que ele estava perdendo tempo, que eu nem mesmo estava pensando em participar e que nada do que ele estava falando era contra o código de honra, de qualquer maneira. Ele me disse que iria verificar com seu supervisor, mas achou que o código de honra me obrigava a cooperar. “Sim, certo,” eu ri e desliguei.

Alguns dias depois, ele me ligou novamente. Desta vez, ele me disse que havia sido instruído a me informar que eu precisava voltar e cooperar. Do contrário, havia uma chance de uma ação disciplinar séria.

No dia seguinte, eu estava sentado em seu escritório. Ele estava fazendo um discurso bastante prolixo sobre a sacralidade do código de honra, que ele apontou que eu tinha assinado, e estava explicando como isso incluía a participação nesta investigação.

“Mostre-me”, eu disse.

"Desculpe?" Ele pareceu genuinamente surpreso com minha interrupção.

"Mostre-me. Mostre-me exatamente no código de honra onde diz que devo testemunhar sobre o comportamento dos outros. ”

Ele olhou para mim por um momento com um olhar estranho de confusão e ofensa, como se eu estivesse pedindo a ele para arrastar os Manuscritos do Mar Morto e usá-los para desafiar a tradução de Joseph Smith da Bíblia. De repente, ele girou em sua cadeira preta para o computador, falando comigo de costas.

"Tudo bem. Só um minuto."

Ele localizou uma cópia do código de honra em seu computador e, de onde eu estava sentado, pude vê-lo rolar imprudentemente o documento, tentando encontrar algo que se encaixasse. Claro, eu sabia que não estava lá, eu tinha lido uma centena de vezes, mas comecei a me perguntar se ele realmente acreditava que estava lá, e fiquei estupefata por ele ter me ameaçado com tanta confiança, sem nem mesmo fazer uma pouco de pesquisa.

"Aqui está." Ele disse, e leu para mim um trecho que dizia: “Ajude os outros a cumprir suas responsabilidades de acordo com o Código de Honra”.

“Boa tentativa”, eu ri e até fiz com que ele imprimisse para mim, para que eu pudesse usar como prova no futuro, se eu precisasse.

“Em nenhum lugar está escrito que estou violando o código de honra se me recusar a participar de investigações, especialmente uma que considero antiética”.

Ele girou de volta para mim e parou. Ele parecia frustrado. Sorri para mim mesma, pensando que estava batendo nele em algo que ele não estava acostumado a ser espancado. Eu gostei dessa sensação. Isso me fez sentir importante e animado depois de me sentir tão impotente e envergonhado por tanto tempo. Finalmente, sua paciência acabou.

"Ouço. O fato é que, se você não começar a cooperar nesta investigação agora, haverá ação disciplinar tomada contra você que pode muito bem resultar em sua expulsão da universidade. ”

Interiormente, fiquei chocado com a mudança em seu tom e percebi que ele estava falando sério. Fiquei um pouco em pânico. De repente, percebi a possibilidade de que talvez tivesse muito menos poder do que acreditava, de que entender as regras proclamadas e permanecer tecnicamente dentro delas não era tanta proteção quanto eu pensava. Eu percebi que tinha que fazer uma escolha, uma que exigiria que eu comprometesse tudo que eu acreditava ser justo e correto ou corresse o risco de ser expulso da universidade, algo que significou a derrota para mim em minha busca pela graduação na BYU abertamente gay .

Em vez disso, recorri a ameaças. Eu declarei meu caso com muita firmeza pela última vez, e ameacei que estaria disposto a tornar o caso público se fosse forçado. Ele também não parecia estar se mexendo, então comecei a pensar em estratégias que o convencessem de que eu estava falando sério, o que estava.

“Deixe-me ver a transcrição.”

Eu nunca tinha realmente visto isso e estava esperando por uma chance de conseguir uma cópia se eu tivesse que me defender mais formalmente. Relutantemente, depois de repetidos pedidos, ele abriu seu bloco de notas e me deixou ver, embora dissesse que seu supervisor não o autorizou a distribuir uma cópia. Eu li a curta conversa e fiquei surpresa ao notar que ela continuou em apenas uma frase além de onde Ryan sempre parava. Minha respiração parou, no entanto, quando eu realmente cheguei à frase. Lá, logo depois que eu deveria ter dito “Sim, ele é gay. Ele vem aqui, ”eu li no que parecia ser câmera lenta, um comentário final.

Sam: Tenha cuidado, ele é conhecido por atacar os alunos.

Eu apenas o encarei a princípio, me sentindo perplexo e surpreso, lendo sem parar, me perguntando se talvez eu estivesse lendo o documento errado. Fiquei perplexo com o porquê de uma "evidência" tão significativa ter sido ocultada de mim, especialmente se eu deveria confirmá-la. Foi uma frase tão incomum também, com uma reviravolta tão alarmante. Isso deu à conversa toda uma cor absolutamente diferente. Aliás, também foi a única linha em toda a conversa que não era verdade.

Naquele momento, todas as peças se encaixaram e eu fiquei incrivelmente enfurecido. Não enfurecido como estratégia, mas uma raiva autêntica que também mascarou uma dor muito profunda e intrigante. Eu olhei para Ryan Beuhring, que neste momento estava muito perto de mim porque ele estava nervosamente mantendo uma mão em seu caderno.

“Por que você não incluiu esta última declaração ao ler para mim esta transcrição todas aquelas vezes?”

Ele apenas olhou para mim. Minhas palavras foram lentas e duras.

“Por que você estava me pedindo para confirmar uma conversa sem incluir uma parte muito séria, na verdade, a parte mais séria de toda a suposta conversa?

Novamente, ele apenas olhou para mim.

"Isto é inacreditável!" Eu gritei. “Você queria que eu confirmasse ter visto um professor em um bar gay quando houvesse a chance de ele estar se envolvendo em comportamento predatório com alunos? Por que você deixou isso de fora? Essa é a única parte que poderia justificar uma ação disciplinar séria! Por que você não me perguntou sobre isso? "

Por um momento, não tive certeza de como continuar. De repente, percebi que talvez eles estivessem tentando me fazer admitir com raiva a primeira parte da conversa enquanto tentavam negar a parte falsa. Eu continuei, ainda com raiva, mas cauteloso.

"Você iria expandir minha confirmação de um avistamento aparentemente benigno de um bar gay para uma acusação de que esse professor ataca sexualmente seus alunos." Eu acusei. “Você nem se importa em jogar limpo, não é? Você está apenas tentando se livrar dele. ”

Nós dois sabíamos desde o início que a conversa com Todd obviamente havia ocorrido. É por isso que falamos sobre isso com tanta calma e por que eu não neguei com altivez desde o início. A transcrição era realmente extremamente precisa, pelo menos a parte que foi lida para mim. Eu realmente conheci esse professor, Dr. McKellen, no Sun. Lembro-me dele como muito bom e mais velho. Ele parecia um pouco tímido e inseguro, talvez porque estivesse preocupado em ser reconhecido. Mencionei isso a Todd no estacionamento, da maneira como sempre mencionava as pessoas uns para os outros, em minha tentativa contínua de nos convencer de que éramos muitos, de que estávamos seguros.

E foi isso. Eu não tinha absolutamente nenhuma informação sobre o Dr. McKellen ser um predador, e definitivamente nunca fiz nenhum comentário a ninguém. Fiquei pasmo por estar testemunhando táticas tão desleais sendo usadas pela BYU. Era óbvio que eles não tinham nenhuma evidência sólida sobre esse professor, como alunos alegando abuso sexual, ou eles não teriam que se preocupar comigo. Foi muita coincidência que a única parte da transcrição que eu sabia que não era precisa, era a única parte que Ryan estava deixando de fora ao tentar fazer com que eu confirmasse.

“Posso te dizer uma coisa, Ryan, e você pode considerar essa participação em sua investigação. Registrarei que nunca, em nenhuma ocasião, fiz o comentário de que esse professor se envolveu em comportamento sexualmente predatório com seus alunos. Está claro?"

Ele fez uma pausa e assentiu.

"E isso é tudo. Ainda me recuso a comentar sobre qualquer outra coisa, especialmente agora. Não posso acreditar que você me deixou sentar aqui, vez após vez, e dizer que nada naquele papel era contra o código de honra, quando você sabia que algo que era muito contra o código de honra, na verdade o mesmo coisa que foi, foi escrito no final da página. ”

Novamente ele não disse nada. Agora era sua vez de não confirmar nem negar. Finalmente, eu me levantei.

“Quem é essa pessoa que está dirigindo suas atividades?” Eu perguntei. "Você obviamente está apenas coletando informações para alguém."

Ele parecia confuso, mas bastante dócil neste ponto.

“O escritório de Assuntos Acadêmicos.”

"Que é aquele? Quem é esse supervisor a quem você sempre se refere? ”

"James Gordon."

“Bem, de agora em diante, vou lidar diretamente com ele. Não quero que você me aborreça com esse problema de novo, está claro? ”

Eu marchei para fora do escritório, muito zangado e magoado para realmente apreciar o quão dramático eu estava sendo. Nunca mais vi Ryan Beuhring, apenas o deixei sentado em sua cadeira giratória segurando seu caderno. Decidi que, como ainda estava na piscina, poderia muito bem procurar James Gordon naquele momento.

Naquela época, eu nunca tinha ouvido falar de James Gordon. Eu não tinha ideia de que ele era o mesmo Jim Gordon que fora a força motriz por trás das investigações de Gail Houston, e muitos outros como ele. Gail Houston era a professora feminista que recentemente não havia recebido o status de professora contínua (versão da BYU de mandato) devido a comentários e comportamentos que desafiavam as posições da Igreja sobre gênero. Foi a notoriedade desse caso que trouxe a AAUP (Associação Americana de Professores Universitários) nacional à BYU para sua própria investigação, uma investigação que resultou na censura pública da BYU por violações da liberdade acadêmica. O Dr. McKellen também estava interessado em continuar como professor e, aparentemente, evidências estavam sendo compiladas para negá-lo a ele também.

Localizei o escritório de Jim Gordon no ASB, identifiquei-me para sua secretária e disse a ela que estava aqui para vê-lo e que era muito importante. Esperei por um período muito curto de tempo antes de ser introduzido. Ryan Beuhring, do corredor, deve ter lhe dado um aviso rápido.

Jim Gordon era um homem muito alto e magro, com óculos impossivelmente grandes que cobriam olhos impossivelmente ampliados, semicerrados. Ele tinha o cabelo profissional mórmon penteado para trás, mãos muito grandes e modos lentos e preguiçosos quando se movia. Senti como se tivesse interrompido sua soneca da tarde.

Ele me indicou, em câmera lenta, uma cadeira em frente à sua mesa e ficou ali piscando para mim. Novamente, eu não tinha ideia de com quem estava falando e ainda estava muito energizado com minha experiência com Ryan Beuhring, então comecei a contar a história.

“Acabei de chegar do escritório de Ryan Beuhring, que diz que trabalha para você e onde tenho sido assediado por semanas por causa de um caso que repetidamente disse ser discriminatório.”

Contei toda a história, sem poupá-lo de nenhum detalhe, tentando imprimir nele meu nível de intelecto, memória e raiva ao fazê-lo. Para ser honesto, eu queria que ele sentisse como se eu tivesse todos eles em um canto. Eu queria que ele ficasse assustado, como todos os meus amigos ficaram assustados quando sentaram no escritório do código de honra acreditando que um juiz poderoso e verdadeiro os estava ameaçando. Eu disse a ele que estava chocado e enojado com suas ações e estratégias. Eu disse a ele que queria que ele se sentisse o hipócrita que era, proclamando com justiça a imoralidade dos gays enquanto usava os truques de policiais sujos para forçar a confissão de suspeitos.

Ele apenas ficou lá com sua máscara impassível, piscando para mim. Ele não negou nada. Ele não discutiu comigo. Ele apenas ouviu, piscando lentamente. Eu continuei.

“Quero que saiba que estarei acompanhando esta situação com muita atenção e, se por qualquer motivo o Dr. McKellen for demitido de seu emprego, tornarei público tudo o que sei. Estou totalmente ciente de como é um momento delicado para a BYU em termos de como os professores estão sendo tratados e não tenho medo de me identificar e de todos os outros aqui. ”

Novamente, ele realmente não foi tão responsivo. Ele estava perfeitamente calmo na maior parte do tempo, exceto por alguns levantamentos muito sutis de sua sobrancelha que eu esperava indicar pelo menos um nível leve de alarme ou estresse. Ele pronunciou apenas algumas frases curtas durante toda a reunião, na verdade, principalmente para esclarecer um detalhe ou fato. Apesar da falta de entusiasmo, definitivamente tive a impressão de que nos entendíamos. Muito do que ele parecia estar esclarecendo era o quanto eu sabia e se falaria sobre isso. Percebi que, mesmo quando lhe fazia perguntas diretas, ele nunca se defendia. Como Ryan Beuhring, ele apenas ficou sentado em silêncio.

Saí do escritório de Jim Gordon naquele dia com uma sensação de alegria quase incontida. Eu me senti incrivelmente poderoso e heróico. Eu senti como se tivesse vencido um jogo muito emocionante e obtido uma doce vingança no processo. Mas também havia uma tendência, uma sensação de pavor sutil, mas corrosivo. Era um sentimento que lentamente, sem meu conhecimento consciente a princípio, continuaria a crescer.

Observei a situação com o Dr. McKellen cuidadosamente depois disso, cumprindo minha ameaça e me perguntando se meus esforços realmente fariam algum bem. Até liguei para o Dr. McKellen (contra as ameaças diretas de expulsão de Ryan Beuhring) e expliquei tudo o que aconteceu para que ele tivesse informações honestas quando fosse questionado, em vez de seus possíveis truques. Nada nunca aconteceu com ele que eu tive orgulho de descobrir, pelo menos no ano e meio seguinte que eu estava lá. Seu contrato, com que tipo de status continuado eu não sei, foi continuado. Liguei para a BYU recentemente quando decidi escrever esta história e descobri que ele saiu da BYU por pelo menos dois anos. Não pude perceber pelo tom de voz do secretário do departamento se havia algo incomum nas circunstâncias de sua saída. Desejo-lhe tudo de bom.

Quanto a mim, continuei minha busca na BYU, nunca mais tendo notícias do ramo “Assuntos Acadêmicos” da administração novamente. A experiência me afetou, porém, e a fé idealista que eu tinha deixado. Eu não pude deixar de sentir que a BYU era mais cruel e dura do que eu acreditava ser possível, e que essa maldade se estendia por toda a igreja. Eu sabia que estava lidando com pessoas que eram muito mais conservadoras do que eu, então tentei não levar suas opiniões para o lado pessoal. De repente, parecia muito pessoal. Eu estava optando por acreditar que a BYU realmente queria gays na escola e estava até trabalhando conosco para tornar isso possível. É claro que já tinha ouvido histórias e mais histórias de julgamentos de duplo padrão em relação a estudantes gays pelo escritório de código de honra e casos estranhos de armadilha, mas ainda persistia em ter fé na possibilidade de igualdade de condições.

No entanto, aqui estava uma situação que me confrontou com algo que eu não podia negar. Enquanto um braço da administração se reunia e assegurava a alunos e professores esperançosos que um lugar estava sendo feito para eles, outro estava simultaneamente sendo desonesto e cruel, na verdade inventando coisas para eliminá-los. O confronto total com o que parecia ser as verdadeiras cores da BYU começou a me encher de uma imensa falta de esperança de que o trabalho que eu estava fazendo na BYU faria alguma diferença significativa.

Mesmo assim, naquele ponto, eu não conseguia suportar a ideia de realmente sentir a perda de minha comunidade e crenças espirituais. Apesar da imagem dura que continuei a mostrar aos outros e a mim mesmo, ambos eram muito, muito queridos para mim. Em vez disso, continuei a trabalhar diligentemente em minha busca. Trabalhei até que o medo corrosivo finalmente me alcançou.

Por fim, tive uma experiência crítica com Dean Scharman, meu único aliado percebido na administração, em que ela me ameaçou diretamente com a expulsão se eu continuasse a defender que a igreja mudasse suas políticas como havia feito com os negros e o sacerdócio. Isso foi na metade do meu último ano e eu finalmente tive o suficiente. Se tivesse sido um ano antes, sua ameaça não teria me incomodado tanto. Mas eu estava impressionado, e o que ela estava dizendo pareceu estourar meu último resquício de esperança de que a igreja mudaria, de que eu seria de alguma forma aceito de volta. Caí em uma depressão profunda e dolorosa. Eu me formei naquele abril com uma alma infinitamente mais instruída e cansada do que quando cheguei à BYU seis anos antes como um jovem de 18 anos de olhos brilhantes e esperançoso.

A vida desde a BYU tem sido uma experiência, para dizer o mínimo. A depressão durou muito mais tempo do que gostaria de admitir, e passei os últimos anos em um processo de crescimento que só agora começa a parecer uma base. Tive que aprender que a aceitação e a consciência vêm de dentro de mim e não de outras pessoas ou mesmo de uma religião. Felizmente, tenho uma capacidade crescente de compreender e mostrar mais partes de mim mesma - não apenas forte e confrontadora, mas também vulnerável, magoada e assustada. Ah, e descobri mais uma coisa. Eu novamente tenho alguma esperança.

Caro leitor, ao encerrarmos 2022, considere apoiar nosso trabalho para ser um refúgio para LGBTQIA+ atuais e ex-santos dos últimos dias e seus familiares e amigos para pousar, curar, compartilhar e ser autêntico. Seu generoso apoio hoje ampliará nossa capacidade de afirmar o valor próprio inerente dos indivíduos LGBTQIA+ e apoiá-los conforme eles definem sua espiritualidade individual. E, graças a um doador generoso, sua doação hoje será dobrada até atingirmos nossa meta de desafio de correspondência de $30.000. Por favor DOE agora.

1 comentário

  1. Michael Miner em 02/03/2020 às 3:28 PM

    Obrigado por todo o trabalho maravilhoso que foi feito para tornar esta experiência maravilhosa para todos os que compareceram e para todos nós on-line que aprendemos muito com seus comentários tão bem colocados sobre o resto da conferência. Passei 22 anos com a Afirmação e estou pensando em voltar a tempo para a conferência deste ano. THX. Mike

Deixe um Comentário





Role para cima