A identidade está no centro de nosso ser e nos ajuda a entender quem somos

17 de setembro de 2018

por Ron Raynes

Esta foi uma palestra proferida em 10 de junho de 2018, em um culto da Comunidade de Cristo.

Identidade. Pense por um momento no significado e nas implicações dessa palavra. A identidade está no centro de nosso ser e nos ajuda a entender quem somos. Muitos aspectos de nossa identidade individual vêm desde o nascimento sem nossa decisão consciente, como nossas características físicas herdadas, personalidade, gênero, orientação, etnia e assim por diante. Também não escolhemos as famílias em que nascemos, a cultura social ou as crenças religiosas em nossas casas, nosso acesso à educação ou a pobreza ou riqueza que pode nos cercar ao longo da vida. Mas então, é claro, existem inúmeras escolhas que cada um de nós tem, para decidir por nós mesmos quem queremos ser ou o que fazemos com nossas vidas, nossos talentos e dons, dia após dia, ano após ano. Tudo isso faz parte da nossa “Identidade”.

Quando Jesus perguntou: "Quem são meus irmãos?" (Marcos 3:33) ele não estava se distanciando intencionalmente de sua família esperando do lado de fora, mas sim abrindo uma visão da comunidade de Deus e convidando todos nós a assumirmos Sua identidade e Seu serviço na casa de Deus. Aceitei esse convite quando tinha 17 quase 18 anos. Tomei uma decisão que alterou radicalmente a identidade e o curso de minha vida ... Entrei nas águas correntes do Rio Rogue, onde fui batizado em uma nova vida de fé e prática religiosa conhecida como mormonismo. Fiz uma escolha consciente de me tornar “religioso” como um jovem adulto, separado de minha família e sem saber as implicações e as realidades posteriores dessa escolha.

Isso foi há quase 44 anos e, de fato, muita água desceu aquele velho rio nesse ínterim! Ao longo de toda essa jornada de fé, aprendi e evoluí em minha identidade como crente e como ser humano moral. Não me arrependo de minha decisão religiosa - ela informou minha vida e proporcionou oportunidades e crescimento que me ajudaram a compreender Deus e minha relação espiritual comigo mesma e com os outros, e como amar, servir e interagir com as muitas pessoas de minha vida. Mas também não foram todas rosas e arco-íris. Ao longo do meu caminho, também aprendi a questionar e duvidar da autoridade religiosa. Nos últimos anos, tenho lutado contra a dissonância espiritual, a rejeição religiosa e, francamente, a perda de fé. É a partir dessa parte conflitante de minha jornada que quero refletir em minha palestra de hoje, porque acredito que é aqui que aprendemos mais com nossas vidas.

Para vocês que não sabem, eu sou um garoto gay, que como muitos da minha geração crescendo e atingindo a maioridade nos anos 70, realmente não queria ser gay! Acho que parte do motivo pelo qual me afiliei à Igreja SUD foi porque eu tinha medo de minha identidade inerente e queria abraçar uma vida de família, regras e estrutura que fariam isso ir embora. Eu acreditei na confiança da Igreja SUD de que ser gay era apenas uma escolha mundana e que eu poderia superar essa "fraqueza" por meio da obediência a um padrão de vida justo, onde a família e a atividade na igreja substituiriam minhas atrações naturais por uma orientação mais aceitável para Deus. Uau, eu estava errado, não apenas nessas falsas esperanças, mas em confiar nos outros para ditar quem e o que eu deveria ser, sem verificar primeiro e acreditar em mim mesmo, e acreditar em um Deus amoroso, que me apoiaria para seguir meu coração!

Então, cerca de 18 anos atrás, após quase 20 anos de casamento, comecei a perceber que quem eu era, tanto espiritual quanto fisicamente, estava espremido dentro de um armário feito por mim mesmo e que eu precisava “sair”. Comecei a abrir minha porta fechada e buscar a compreensão que estava faminta, mas também temia pelo bem estar da minha família e para onde esse processo poderia nos levar. E então o câncer de minha mãe saiu da remissão e eu me deparei com a realidade de como a vida realmente é curta e frágil.

Durante nossa última visita real, a mãe me disse: “Eu só quero que você seja feliz”. Percebo agora que essas eram palavras em código. Ela sabia que eu era gay, mesmo que eu não admitisse. Depois que minha mãe faleceu, tomei a decisão determinada de voltar para casa em Oregon, deixando um emprego estável em Cincinnati, e isso viraria nossas vidas de cabeça para baixo pelos próximos dez anos. Em meio a esse caos, descobri como o Senhor conhecia minha jornada, do começo ao fim.

Parte do meu eu “gay” que me trouxe grande alegria em toda a minha vida é a identidade criativa com a qual fui abençoado e que ampliei, os dons da imaginação, curiosidade e expressão pessoal através da música, arte e palavras. A maioria de vocês conhece minha voz para cantar, mas também tenho uma voz poética, e quero compartilhar quatro de meus poemas com vocês porque eles falam em uma imagem e em significados em camadas que eu não poderia comunicar de outra forma. Poemas são uma maneira pela qual a voz do Espírito fala comigo e, mais importante, uma maneira pela qual eu ouço e encontro a verdade.

O primeiro poema é, “Rosto em direção a Sião”. Comecei a escrever este poema na minha encruzilhada em Cincinnati em 2001. O poema se desdobrou em três estrofes, as duas primeiras falando do meu passado e a última estrofe voltada para o presente e olhando para o futuro:

Rosto em direção a Sião

Na confiança da Spring, minha visão do coração pesquisa
Vales de montanhas distantes, contemplando oceanos desconhecidos.
Devo dar as costas aos doces campos verdes de casa?
Os cordeiros balidos seguem suas mães por apenas um certo tempo,
Em seguida, encontre suas próprias pastagens. Vou sonhar com pradarias,
Infinito como o céu e cheio de promessas de amanhã.

Deixe para trás a civilidade das coisas boas, o aperto terno
De pais e amigos, para nunca mais ver ou abraçar novamente.
Devo morder o lábio, deixar a lágrima enrugar um canto da minha alma,
No entanto, avance com firmeza, um pé na frente do outro.
Oh, deixe-me ver além das montanhas para vislumbrar a cidade brilhante
Onde Aquele que zela nem cochila nem dorme.

Hoje vou ouvir a Sua voz, vou me ajoelhar ao lado do riacho silencioso
E nunca mais tenha sede! Guia-me, ó grande Jeová,
Ao longo da lama lamacenta infinita ou da estrada poeirenta e quente, não importa.
Alegremente puxo meu carrinho de mão para me juntar a Enoch e aqueles de um só coração -
E se eu apenas sou um estranho na terra, então deixe-me encarar
Sião, enquanto fecho suavemente os olhos e espero no Senhor.

Eu não sabia que esse poema seria meu roteiro de "assumir o armário", mas foi. Não tenho tempo para explicar todos os detalhes, mas este poema, baseado nas escrituras favoritas e na alegoria dos Pioneiros Mórmons, fala sobre deixar o confortável para trás e estar disposto a desistir de tudo pela causa de Sião e de nos encontrarmos através da fé. Já havia feito isso antes, décadas antes, quando saí de casa e me filiei à Igreja Mórmon, e agora estava preparado para fazer tudo de novo. Eu acreditava plenamente que o Senhor me mostraria o caminho. E eu ainda amo.

O último verso do poema falou-me poderosamente uma década depois de escrevê-lo: “E se eu apenas sou um estranho na terra, deixe-me olhar para Sião, enquanto gentilmente fecho meus olhos e espero no Senhor”. Desta única linha viriam mais três poemas.

Mas o que eu estava dizendo: “Se ao menos eu fosse um estranho na terra?” Eu estava com medo de me tornar aquela pessoa estranha! Como poderia ser um estranho em minha querida terra de Sião?

Então, aqui está o segundo poema, “Stranger In the Land”, que explora e começa a abraçar minha identidade gay. Aqui estão elementos de desejo e a tensão de eu amar um homem, mesmo que esse homem seja a própria Divindade.

Estranho na terra

Ele veio até mim tarde da noite,
Como em um sonho, de alguma forma desconectado,
Eu podia ver seu rosto, a imagem pairando.

Há tempo entre nós, mundos diferentes
Cruzando-se no espaço, mas ele acena
Para mim, sorrindo ... Bondade em seus olhos.

Como devo chegar até ele, esperando lá
Na minha cama, estendendo a mão para mim?
Eu agarro a imagem e ainda assim ele se foi.

Oh, que eu possa abraçar a verdade sobre ele!
Os pés com sandálias levantando a poeira do deserto,
A água quente de seu frasco de barro.

Não medirei palavras. Ele me consome.
Esse estranho, esse homem de meios simples.
Não posso descansar, mas seguir seus passos.

Por trás da acácia espinhosa, eu o observo.
Observe as multidões pressionando sobre ele, necessitados.
Tirando vida dele, mas apenas para deixá-lo.

Deixe-me ir até ele, gentilmente acariciar seu rosto,
Sorriso de volta por sorriso terno. Ele será
Nenhum estranho para mim, nenhum homem atrás dos portões.

O galo canta, mas eu o nego. Lágrimas.
Eu me demoraria, lutando para provar o contrário,
Mas o tempo pisca, eu me viro e ele se foi.

Avancei uma dúzia de anos de Cincinnati em minha jornada de fé e me vejo em Eugene, ainda um mórmon ativo e crente e agora abertamente gay, servindo na família de minha ala. Eu acreditava que a igreja estava permitindo que eu fizesse tudo. E então a mudança de política SUD excluindo famílias LGBT de participar plenamente na igreja aconteceu em novembro de 2015. Eu simplesmente me levantei e disse: “NÃO, acho que esta política está errada!” E então o uníssono do meu mundo gay mórmon começou a se desfazer lentamente.

Mais sobre o tema identidade. O que fazemos quando começamos a perceber que nossa identidade em evolução, a identidade genuína que nos faz felizes, aquela para a qual nos sentimos chamados, aquela que é honesta, não se encaixa mais ou se enreda em uma cultura? Reprimimos essa identidade e nos conformamos com a cultura ou continuamos em um novo caminho de descoberta?

Convido você a pensar em quem você é neste mês do Orgulho, que é realmente uma celebração de sermos nós mesmos e de afirmarmos as identidades únicas uns dos outros. É mais do que uma festa para gays.

“E se eu apenas for um estranho na terra, deixe-me olhar para Sião, enquanto gentilmente fecho meus olhos e espero no Senhor”. O poema #3 me pegou de surpresa… veio como um ditado, durante um período em que comecei a questionar o que estava ao meu redor… o que me parecia maravilhoso, a confiança que sentia na minha religião, era capaz de causar danos e ilusões! Portanto, isso é o que chamo de meu “poema de protesto”,… Gentilmente Feche meus olhos. O poema começa e termina com a primeira e única oração infantil que aprendi, ensinada por minha mãe.

Feche meus olhos suavemente

Agora eu me deito para dormir,
E ore ao Senhor para que minha alma guarde.

Observei as crianças brincarem na poça da rua.
Eu os observei andando de bicicleta pelo meio,
Pulverizando um no outro com grandes gotas de riso.

Observei a ovelha molhada na encosta, na garoa.
Eu observei como eles pastavam despreocupados ao lado do
Lama morta que os vigiava há anos.

Observei o forasteiro sentar-se sob a árvore gotejante.
Observei como todos passavam por ele, apesar
Seus apelos de papelão encharcados por ajuda e comida.

Observei o gelo úmido se formar em torno de galhos dormentes.
Eu assisti seu aperto pesado puxar os galhos
E estremeceu quando as árvores finalmente se separaram.

Observei as lágrimas subirem suavemente em seus olhos.
Eu o observei silenciosamente embalar sua esperança em um pequeno
Mala, uma vida inteira tentando fazer alguma conexão.

Vimos a tenra planta morrer por falta de água.
Vimos suas folhas enroladas sob
E lentamente fica marrom. Não fizemos nada além de observar.

E se eu morrer antes de acordar,
Rogo ao Senhor que minha alma tome.

A mensagem chocante desse poema para mim é que eu sou o cônjuge gay, deixando o cônjuge heterossexual, que é a igreja, por algo que não tenho certeza, porque não há intimidade, não há confiança e não há mais uma conexão. Como sabemos quando não somos mais aceitáveis? É aquela realidade nascente de ser julgado, rotulado e rejeitado, mesmo que eles digam que amam você. Esta é uma maneira segura de saber que você não é reconhecido por quem você escolheu ser. A lição de tudo isso é que precisamos respeitar o direito de cada um à autodeterminação! "Quem são meus irmãos?" Jesus perguntou. E então Ele disse: “Quem faz a vontade de Deus é meu irmão, irmã e mãe”.

Isso levanta a questão: "Qual é a vontade de Deus?" É para amar, não é? Para abraçar um ao outro como iguais. Esse é o maior mandamento de Deus. Aceitação e Amor foram o que nos trouxeram aqui e nos manterão aqui. Sou muito grato por esta linda Comunidade de Cristo, onde só sentimos amor!

O quarto e último poema surge das palavras de Isaías 40:31:

Mas os que esperam no Senhor renovarão suas forças; eles subirão com asas como águias; correrão e não se cansarão; e eles caminharão, e não desmaiarão.

Só posso dizer que meu testemunho de nosso divino Criador é real para mim e baseado em minhas experiências pessoais com eles. Sei que Deus vive porque tenho sentido repetidamente seu amor e direção em minha vida. Sei que somos todos “filhos de Deus”, irmãos e irmãs conectados em uma família humana que continua indefinidamente. Tenho fé e esperança quanto a isso, acima de tudo.

Espere no Senhor

E quem devo enviar? Estrelas se reúnem em galáxias
Sem número, tão grande que não consigo compreender.
Pai, mãe, vocês se foram, mas ainda estou conectado.
Sua matéria se torce e se conforma em moléculas que direcionam
Meu próprio ser, vivo em um universo de células e tecidos e

Fé e desejo. Pois não há espaço em que haja
Sem reino. Menor ou maior, minha alma é o fogo branco,
Oxidando a matéria da vida, espalhando elétrons sem
Sentindo o caos além. Onde está o coração rítmico
Isso entende silenciosamente? O Bálsamo de Gilead reúne

As resinas de que falamos. Devemos cantar novas canções.
O refrão está ocupado ensaiando nossas harmonias, todas únicas.
Esperar?! Eu não posso ficar parado, mesmo que minha parte comece em
Vinte e três medidas. Feche meus olhos, sonhe minhas visões,
Mas não reprima o movimento inconsciente do meu coração

Batendo seu próprio caminho para a virtude. Na fornalha da aflição
A canela quente emite novamente sua essência familiar.
E ainda devo estar - tremo de expectativa. Paciência espera
Com tendões de esperança, subindo como asas de águias.
Oh Senhor, quantas vezes tua vara e teu cajado me consolam!

Postado em:

Receba o boletim eletrônico da Afirmação com conteúdo como este em sua caixa de entrada!

Deixe um Comentário