Juanita, uma líder transcendental

9 de setembro de 2019

Juanita Ortiz e o trabalho da Fundação Lili Elbe

Juanita Ortiz e o trabalho da Fundação Lili Elbe

por Juanita Isabel Ortiz Márquez

Aqui em Soledad, Colômbia, estou comprometido com um ativismo LGBTQ forte e visível como um líder transgênero na comunidade.

Minha experiência em ativismo e liderança começou muito cedo. Quando eu tinha onze anos, comecei a me reconhecer como mulher. Este foi um momento difícil para mim, ainda mais difícil devido ao divórcio dos meus pais e à minha mãe deixar-me com o meu pai, que não era capaz de me apoiar. Mais tarde, encontrei dois missionários que estavam visitando minha vizinhança. Aprendi sobre a igreja deles, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, e fui convidado a ir à Igreja por um grande amigo.

Todos os domingos, dedicamos um dia de descanso para nosso Pai Celestial e eu aprendi mais sobre o Evangelho Restaurado. Isso me levou a ser batizado como membro da igreja. Fiquei motivado a pregar o evangelho em minha vizinhança, com os missionários sendo meu exemplo. Eu preguei para meus amigos em minha casa. Por fim, fui chamado como missionário de estaca. Conheci a palavra de Deus e senti o amor dos meus irmãos na fé e a aceitação das pessoas. No entanto, no fundo, no meu coração, eu não me sentia completamente realizada porque não estava vivendo como a mulher que sabia que realmente era. Foi doloroso e confuso, e me senti pecador. Comecei a fazer pequenas mudanças no início. Meu pai percebeu, e os da igreja começaram a notar também. Comecei a usar maquiagem, explicando aos outros que era porque eu tinha problemas de acne. Com o passar do tempo, comecei a ser tratado de maneira diferente, pois as mudanças que estava fazendo foram se tornando mais perceptíveis.

Depois de muita oração e dor, decidi deixar a Igreja. Eu não me sentia parte disso. Eu estava sendo excluído porque era diferente. Eu não era o homem que eles esperavam que eu fosse. Embora isso fosse doloroso, eu simplesmente não conseguia continuar a esconder quem eu realmente era para agradá-los ou atender às suas expectativas. Sempre me senti mulher.

Eu também abandonei a escola. Lá também não fui aceito. Eu não conseguia cumprir as regras da escola sobre conformidade de gênero. A escola não entendia as questões dos transgêneros. Fui rejeitado por professores e colegas de classe. Por fim, fui morar com minhas mães, pois meu pai também me rejeitou e ninguém na minha vizinhança seria associado a mim.

Por muito tempo, não tive amigos. As únicas pessoas com quem tive contato foram minhas mães, meu irmão mais velho e minha irmã mais nova. Eu tinha duas outras irmãs, mas elas moravam com meu pai e não falavam comigo. Meu irmão mais velho me batia e me tratava muito mal, causando muitos danos físicos, emocionais e mentais.

Havia um cabeleireiro que trabalhava em um quarto da casa da minha mãe. Comecei a passar um tempo lá, conhecendo gays e querendo ser mais parecida com eles. Eles se tornaram pessoas especiais para mim. Eles também gostavam de usar substâncias psicoativas. Essas drogas se tornaram um refúgio para mim enquanto lutava contra a pressão social e os desafios de não serem sua definição de normal. Eu também tive dificuldades financeiras e me voltei para o trabalho sexual. Eu não tinha nenhuma outra habilidade, como cortar cabelo, para confiar. As pessoas trans frequentemente se prostituem porque conseguir outros empregos na Colômbia é difícil para elas. Perdi muitos amigos para doenças e violência enquanto a sociedade nos marginalizava.

Sem acesso a aconselhamento médico ou medicamentos adequados, procurei maneiras de fazer a transição cultivadas em casa. Tomei remédios que não foram prescritos e me injetei silicone líquido. Como outras pessoas transgênero, os profissionais médicos não consideraram minha transição para mim importante e o acesso a cuidados médicos adequados era limitado. Só quando fiquei gravemente doente com tuberculose é que finalmente recebi tratamento médico, mas mesmo esse tratamento foi impedido devido a suposições feitas a meu respeito. Inicialmente, fui diagnosticado com HIV, embora nenhum teste tivesse sido feito. Foi simplesmente presumido por eu ser transgênero e doente que deveria ter HIV. É assim que a comunidade médica era preconceituosa. Eventualmente, fui devidamente diagnosticado e tratado, mas o atraso causou danos permanentes às minhas cordas vocais. Até hoje, minha voz está muito rouca.

Encontrei trabalho em um salão de cabeleireiro e aprendi a ser esteticista. Diminuí a frequência do trabalho sexual e parei de usar drogas e hormônios ilícitos. Compreendi que essas coisas arriscavam minha saúde e minha vida. Esta foi uma nova etapa na minha vida, onde vi as coisas de uma perspectiva diferente. Minha experiência me ajudou a entender o impacto de ser marginalizado nas pessoas com quem interagi. Compreendi o mal que a sociedade e a Igreja infligem quando marginalizam as pessoas. No início, fiquei quieto, pois não queria arriscar mais rejeição por expressar minhas opiniões. Abstive-me de espaços públicos com medo de ser atacado. Fiquei dentro de casa principalmente. Eu, junto com aqueles ao meu redor, apenas sonhei com uma sociedade onde pudéssemos viver sem medo. Pouco a pouco, porém, houve uma faísca acendendo dentro.

Essa faísca levou a uma chama, e essa chama me levou a arriscar participar do carnaval da cidade de Soledad, onde surpreendentemente fui coroada rainha. Foi bonito. Essa experiência me impulsionou a começar a fazer algo sobre as questões que me perturbavam, como a falta de cuidados de saúde adequados disponíveis para pessoas trans e outras populações vulneráveis. Comecei a me reunir com líderes que tinham conhecimento sobre a prevenção do HIV e outras doenças sexualmente transmissíveis. Aprendi muito e esse conhecimento me capacitou nessas áreas. Queria fazer mais e percebi que havia sido vítima de um sistema hierárquico, sistêmico, político e social patriarcal. Também percebi que tinha os mesmos direitos que qualquer pessoa na sociedade civil.

Comecei o trabalho no qual estou engajado desde então, trabalhando com organizações sociais para abordar as questões dos direitos à saúde e para conscientizar sobre as questões que afetam as pessoas trans. Este foi um trabalho árduo, pois vi lacunas no que essas organizações estavam oferecendo. Mulheres transgênero estavam sendo deixadas para trás. Meus amigos estavam morrendo e ninguém estava fazendo nada para ajudar. Estávamos sendo excluídos de nossas famílias, das instituições de ensino e de uma sociedade que nos impedia de ser livres nos espaços públicos. Eu queria fazer mais, e um grande amigo e ativista me incentivou a me fortalecer e me preparar para ser um líder em minha comunidade e ajudar melhor a população transgênero.

Assim nasceu a Fundação LILI ELBE. Foi inspirado na vida de uma mulher dinamarquesa sobre a qual se escreveu no romance de David Ebershoff A garota dinamarquesa. O romance conta a história de Einar Wegener, um pintor que foi uma das primeiras mulheres a se submeter a uma cirurgia de redesignação sexual. A Fundação LILI ELBE foi a primeira organização a trabalhar pelos direitos das pessoas trans na região caribenha da Colômbia. Foi uma experiência maravilhosa fazer parte do início desse trabalho. Era necessário tanto porque não havia mais ninguém nos dando apoio. Batemos nas portas dos escritórios dos prefeitos em Barranquilla e Soledad buscando recursos. Viajamos para divulgar o trabalho que estávamos fazendo. Trabalhamos com várias secretarias de saúde. Gerenciamos a distribuição de preservativos para mulheres transexuais. Asseguramos espaços com outras organizações para realizar programas educacionais e construir liderança na comunidade. Trabalhei especificamente como coordenadora em um projeto internacional para garantir benefícios estrategicamente para mulheres trans. Infelizmente, esse projeto falhou e eu deixei essa posição. No entanto, não desisti. Eu ainda trabalhava incansavelmente em questões importantes para mim. Identificamos todas as pessoas trans em Soledad e trabalhamos com o prefeito para criar uma ligação com a comunidade, o que produziu resultados muito bons.

Trabalhei muito e fui nomeado funcionário público no gabinete do prefeito da minha cidade. Trabalhando com o primeiro e último, garantimos quarenta mudanças de nome e sexo nos cartões de cidadão, garantindo que as identidades de gênero fossem respeitadas. Ajudamos uma mulher transexual a se tornar a primeira a concluir o ensino médio. Quebramos barreiras. Conseguimos realizar a primeira marcha do Orgulho LGBT onde mulheres e homens transgêneros foram muito visíveis. Garantimos que o direito do manifestante de estar no espaço público fosse cumprido.

Passei por anos de sofrimento, desafios e mudanças em minha vida. Por ter sido santo dos últimos dias e ter aquele legado de pioneiros em meu coração, tive um exemplo de perseverança nas lutas. Nunca parei de orar e abençoar minha comida. Ainda me apego a muitos princípios que aprendi na Igreja. Hoje, vejo como fui capaz de impactar a vida de muitas pessoas, assim como os missionários tiveram um impacto sobre mim. Agora procuro me tornar membro do Conselho Municipal de Soledad e continuar a trabalhar para fortalecer a Fundação LILI ELBE para melhorar a vida da população LGBT em termos de saúde, educação, esportes e emprego para pessoas como eu. Eu quero apoiar a educação sobre questões de gênero e aumentar a compreensão das pessoas sobre a realidade das pessoas trans e as realidades que elas enfrentam.

Sei, sem dúvida, que meu Pai Celestial me ama e me deu forças para me levantar. Sei que todas as minhas ações são como diz a escritura: “E eis que vos digo estas coisas para que aprendais sabedoria; para que aprendais que, quando estais a serviço de vosso próximo, estais apenas a serviço de vosso Deus. ” (Mosias 2:17)

Postado em:

Receba o boletim eletrônico da Afirmação com conteúdo como este em sua caixa de entrada!

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

1 comentário

  1. Michael H em 15/09/2019 às 6:19 PM

    Trabalho maravilhoso e uma jornada corajosa. Obrigado por tudo que você faz.

Deixe um Comentário