Minha vida em quatro temporadas

11 de novembro de 2021

por Edmon “Augustus” García

Minha vida nesta terra começou, quando as flores precedem a primavera. Esta é a minha história, a história que compartilho com vocês hoje. Desde muito jovem, sempre soube o que queria e amava. Eu me considerava um menino muito maduro para a idade que tinha, e aos 4 anos meu gosto por meninos já era algo que se tornou consciente em mim e na minha identidade.

Eu era uma criança muito doce e solitária. Não saía nem interagia com ninguém por medo de ser ignorado ou, talvez, por medo de ser ridicularizado pelo modo como falava. Então, quando criança, eu não socializava com as pessoas ao meu redor, apenas meus pais e alguns parentes muito próximos a mim.

Também me lembro de ter notado coisas que me diferenciavam das outras crianças, assim como a geada do inverno é diferente do calor do verão. Gostava de brincar com as meninas. Sempre fui atraído por coisas femininas. Sempre tive uma mentalidade completamente diferente dos outros. Não gosto de pensar que meninos só podem brincar com meninos e meninas com outras meninas. Isso parecia completamente ridículo. Não prestei atenção às normas sociais.

Quando cheguei à adolescência, percebi plenamente que estava atraído por outros meninos. Não ousei contar a ninguém por medo de ser rejeitado. Minha mãe me perguntava de quais garotas eu gostava, mas me esquivei de suas perguntas. Minha família era rígida e conservadora. Meu pai serviu no exército. Minha mãe era muito religiosa.

O tempo passou e com ele, as estações. Invernos tristes tornaram-se cada vez mais rigorosos. Minha solidão e meus medos eram como facas de gelo. Quando entrei no ensino médio, não me sentia atraente para os outros nem confortável comigo mesmo. Cheguei a sentir que o Pai Celestial não me aceitava, muito menos me amava. Essa foi uma das piores fases da minha vida dentro do armário. Uma temporada fria e solitária onde enfrentei a crueldade do bullying. Meu caos emocional e espiritual era como uma nevasca.

Apesar disso, senti o calor de um sussurro me dizendo que eu não estava errada. Eu era diferente, mas não errado. Eu senti isso no fundo. Eu sabia que Jesus Cristo me aceitava, embora eu tivesse uma orientação sexual diferente da maioria. Eu não estava machucando ninguém. Enfrentei um inverno doloroso que incluiu espancamentos, humilhações e desprezo. Sentindo-me inútil, tentei tirar minha vida três vezes. Eu não sentia que pertencia a este mundo. Eu não conseguia dormir Eu não consegui comer.

Quando eu tinha quinze anos, decidi dizer a minha mãe que gostava de meninos. A reação não foi a que eu esperava. O caos se seguiu. Os estranhos olhares de desgosto e repulsa tornaram-se mais frequentes. Eu fui expulso de minha casa. Dormi em lugares estranhos para ficar longe das ruas. Mesmo assim, senti um anjinho sempre ao meu lado me protegendo.

Eu me refugiei no álcool, cigarros e festas constantes. Eu me senti vazio. Eu sabia que minha vida não estava indo a lugar nenhum. Eu estava frustrado. Um dia, durante aquele inverno rigoroso, decidi orar. Recebi uma resposta de que a primavera acabaria. Comecei a assumir a responsabilidade por minha vida e seguir em frente.

Eu me tornei abertamente gay na escola. Usei minha voz e exigi respeito. Defendi outras pessoas que estavam sendo ameaçadas ou intimidadas como eu. Quando me levantei por mim e pelos outros, o bullying parou. Outros começaram a vir em minha defesa. Foi um milagre que começou quando comecei a me amar e a me defender.

Fui para casa e fiz o mesmo, mas o resultado não foi o mesmo da escola. Mas, aos poucos, as coisas foram ficando mais suaves, mais tolerantes, mais respeitosas. Aos poucos foi crescendo o AMOR. Por fim, entendi que o Pai Celestial me amava. Apesar de ter que suportar o inverno ocasional. O sol continuou brilhando.

Embora eu achasse que o inverno nunca acabaria e que meus galhos e raízes estivessem secos, continuei.

Apesar de perder meu primeiro amor, o amor da minha vida, para o suicídio como resultado de seu próprio inverno, eu continuei.

Embora eu tenha sido expulso de minha casa muito jovem por pais que não gostavam de mim, eu os amo e continuei.

Apesar dos golpes, humilhações, decepções e inimizades, continuei.

Porque agora eu abri meus olhos. Porque agora eu encontrei, no inverno da minha vida, paz.

Porque descobri que a alegria do verão sempre esteve dentro de mim, mesmo que eu não a deixasse brilhar ou saber que estava lá.

Porque eu mesmo sou a fonte do amor-próprio. O arco-íris brilha a meu favor como um símbolo da promessa de que meu Pai Celestial sempre estará comigo.

Eu finalmente me encontrei. Eu sei quem eu sou.

Não desista. Seja feliz. E o mais importante, seja feliz sendo você mesmo que nosso Pai Celestial ama.

Postado em:

Receba o boletim eletrônico da Afirmação com conteúdo como este em sua caixa de entrada!

Deixe um Comentário