Qual é o caminho?

13 de junho de 2018

História escrita por Luiz Correa

No domingo, acordei cedo, tomei banho, vesti minha melhor roupa de domingo, entrei no carro e dirigi até a capela; a mesma capela onde cresci, onde passei minha adolescência, de onde saí para servir missão e para onde retornei após minha missão. Chegando, estacionei na mesma vaga onde estacionei meu primeiro carro, mas não consegui sair. Como tem acontecido nas últimas semanas, um irmão ou irmã que passava cumprimentou-me com um leve aceno de cabeça, que retribuí, mas não tive coragem de sair do carro e entrar na capela.

Desde a última entrevista com meu bispo, tenho me sentido fora da caixa; que eu não pertencia a este lugar. Não perdi meu testemunho do Evangelho; mas, desde aquela entrevista, parece que as pessoas sorriem para mim com conhecimento de causa. É difícil não sentir que seus sorrisos vêm de um lugar de pena ou falta de sinceridade. Talvez tivesse sido melhor manter meus pensamentos e sentimentos para mim mesmo. Pelo menos, eu não sentiria que o mundo estava apontando para mim em julgamento.

Durante minha infância, adolescência e enquanto servia missão, tive sonhos e desejos para meus amigos na igreja, na escola e na missão. Mas nunca disse a ninguém. Eu nem contaria ao Pai Celestial em minhas orações, embora soubesse que Ele já sabia de tudo. Eu não queria falar sobre isso. Eu estava com medo do castigo que Ele poderia me dar.

“Por que gostar de outra pessoa foi tão ruim?” Muitas vezes me perguntei. Muitas vezes, durante as reuniões da igreja, eu observava os outros meninos e me perguntava se eles tinham os mesmos sentimentos que eu.

Eu não queria machucar ninguém. Eu só queria amar alguém e ser amado por ela. Não sei por quanto tempo posso continuar assim. Todos os sentimentos dentro de mim são como um redemoinho enquanto tento entender o conflito entre meus sentimentos e minha fé. Desejo ter alguém ao meu lado. No entanto, ao mesmo tempo, com base em tudo o que aprendi na igreja, acho que cumprir esse desejo não seria bom aos olhos de Deus.

Não pude sair do carro porque sei que não poderia continuar no Evangelho como gostaria. Ainda tenho o desejo de servir e testificar. Nada mudou; apenas que decidi que devo viver honestamente sobre quem eu sou.

Eu gostaria que eles entendessem que meu desejo é simples. Eu quero servir no Evangelho e quero amar alguém como eu. Por que é tão difícil para eles entender? Por que tenho que ser excluído apenas porque quero amar alguém?

Nestes últimos domingos, sentado em meu carro no estacionamento da capela, pensei e repensei muitas coisas na minha vida. Muitas vezes senti a presença calmante do Espírito como se Ele estivesse sentado no banco do passageiro comigo. Eu sei que minha decisão de ser eu mesma é a certa para mim. Por enquanto, só me falta coragem para sair do carro e entrar na capela.

Como faço todos os domingos, antes de todos saírem das reuniões, ligo o carro novamente e vou para casa. Levei muito tempo para me aceitar. Levará algum tempo até que eu possa assistir a uma reunião da igreja novamente.

Postado em:

Receba o boletim eletrônico da Afirmação com conteúdo como este em sua caixa de entrada!

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

1 comentário

  1. James em 16/06/2018 às 10:34 AM

    Amém, irmão. Não posso dizer onde exatamente estou nesta jornada em relação a você, mas estamos no mesmo caminho. Estou apenas voltando para a família e amigos próximos agora (meu bispo incluído, pelo menos nisso somos semelhantes), mas estou feliz em dizer que também senti que minha decisão de ser eu mesma é certa para mim .

    Sempre volto ao ensino de Joseph Smith de que é ao provar os contrários que a verdade se manifesta. Embora eu sempre pense nisso apenas em termos de teste e estudo de contários ou paradoxos do evangelho, esses últimos meses de autodescoberta e reflexão me ajudaram a apreciar paradoxos pessoais, como estar completamente convencido do evangelho e da veracidade da igreja ao mesmo tempo em que estou sendo completamente convencido de que buscar um relacionamento com alguém por quem você realmente se sente atraído traria mais alegria e crescimento do que permanecer intencionalmente solteiro durante a mortalidade. Tenho dificuldade em acreditar que “não é bom para o homem ficar sozinho” apenas se for heterossexual.

    Meu ponto é: continue provando o contrário! Eu imagino que você também experimente dias de coragem e determinação seguidos de dias de dúvida e desespero (diabos, se eu for honesto, às vezes isso varia de hora em hora em um dia ...), mas eu não acredito que a única solução para nós é "escolher um lado" e ser "totalmente" LGBT deixando a igreja (embora para alguns seja importante sair e eu não desprezo essa decisão) ou "totalmente" SUD negando sentimentos de atração romântica ( embora para alguns essa possa ser a escolha que eles acham ser melhor para eles e eu também não desprezo isso). A melhor maneira de mudar a forma como os membros da igreja veem e tratam seus associados LGBT é problematizar as caricaturas que foram apresentadas a eles ao longo do tempo, portanto, para aqueles de nós que se sentem confortáveis e até desejosos de fazê-lo, é importante que estejamos visíveis e de forma adequada vocal em nossas congregações. Continue voltando para o estacionamento e entre assim que se sentir pronto!

Deixe um Comentário