Aniversário da Política de Banimento Trans

fevereiro 16, 2021

 

Skyler e Marido no Templo

por Skyler

Há um ano, o manual mudou e poucas pessoas pensaram muito nele. Para mim, de repente, deixei de ser portador de recomendação para o templo e passei a ser um membro com restrições, mas nada em meu estilo de vida mudou.

Sempre fui um seguidor ferrenho da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, embora tenha crescido na Flórida. Minha identidade de colegial era um membro da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Freqüentei o seminário de manhã cedo e depois carreguei minhas escrituras comigo para sempre tê-las comigo (antes de ter um smartphone). Fui para a BYU como meus pais, servi em uma missão de tempo integral e depois voltei e me casei no Templo. Meus colegas de quarto e companheiros testificarão a importância da obediência e da Igreja para mim.

Depois que meu marido e eu nos formamos na BYU, compramos uma casa perto do trabalho dele e estávamos ansiosos para começar uma família e seguir em frente com nossas vidas. Não consegui encontrar um emprego ou engravidar e, em vez disso, fui deixada para enfrentar o monstro da depressão e do desespero que me atormentava desde que me lembro que geralmente me reprimia estando ocupada. Mergulhei no estudo das escrituras, no estudo geral e na freqüência ao templo, mas foi somente aplicando os princípios de confiar na medicina e terapia modernas que pude ser curado.

Aplicando esses princípios pela fé, descobri que ser trans não é uma escolha social, mas a cura para uma doença da mente e do corpo chamada disforia de gênero. Nunca houve nada sobre mim que explicitamente não se encaixasse no que é aceitável para uma mulher, mesmo que eu não fosse a perfeição feminina que faz os homens fazerem fila para encontros. Mas, ainda assim, havia algo de errado que não tinha nada a ver com ter cabelo curto ou comprido ou usar calças ou vestidos, que ainda me deixava com uma sensação de suicídio e depressão. Só depois de agir com fé, ao tentar um novo nome e pronomes em um ambiente limitado, comecei a sentir o gosto do alívio que estava reservado para mim. Foi um pequeno e simples ato de fé, semelhante à leitura do Livro de Mórmon (que agora é onde começam as restrições).

Testifico que fui curado por meio da Expiação de Jesus Cristo porque agi com fé e procurei os melhores médicos para me ajudar. Posso juntar-me a Alma e afirmar que há uma alegria que apagará toda a dor de viver do sexo errado. Desfazer a transição para me qualificar para uma recomendação para o templo seria negar a Cristo e o milagre que Ele realizou em minha vida. Eu não vou porque tanto D'us quanto eu sabemos disso, então não posso negar.

Espero que compartilhar minha história consiga corrigir alguns dos erros de quando apoiei firmemente a Igreja na oposição aos direitos LGBT. Agora sei que é errado alguém viver contra seu gênero eterno (fluido ou não, binário ou não) e que é errado alguém buscar relacionamentos contra suas atrações eternas (ou a falta delas). A confirmação que recebi após completar essa reviravolta foi a declaração do Presidente Oaks sobre a remoção da política de exclusão, “trate os homossexuais igual a heterossexuais”. Embora a Igreja não esteja aplicando isso tão completamente como todos gostaríamos, ela me permite saber que D'us está conosco e que tudo será consertado por meio da Expiação de Jesus Cristo.

Nota do editor: Para obter mais informações sobre as mudanças de 2020 nas políticas da igreja que afetam os membros transgêneros, consulte O novo manual da Igreja fornece alguma clareza, mas minimiza as identidades LGBTQ.

Postado em:

Receba o boletim eletrônico da Afirmação com conteúdo como este em sua caixa de entrada!

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

2 comentários

  1. Dallan Gordon em 24/02/2021 às 9:13 PM

    Um I wanted to ask why God is spelled Gd twice in this blog post? Is that intentional or … ? Is that some kind of temple secret lingo or code that I wasn’t made aware of? (I never received my ‘endowment’ or served one of those so-called two year full time missions. I still feel like I made the correct decision on that matter when I was around 19 years old… I had been pondering and reading my scriptures and was feeling conflicted and unsure of the truth everyone else was claiming to know of. Up until that point I thought I knew that the church was true but when I re-evaluated and prayed about it I was unsure, so I decided not to serve a mission and I stopped partaking of the sacrament when I would attend meetings.) I’m feeling confused and curious about this. I’m kinda a new member on this website and to affirmation group, so idk what else to say but I’m glad you’ve had this personal ‘revelation’ so to speak I guess and I hope all is well with you moving forward. I’m still feeling upset at church leaders to be honest, and there are many who are upset with them. I feel led astray specifically by their policies and doctrines and lies of omission so to speak and I know I’m not the best writer. I know this website is more of a formal writing space and I may be speaking in too informal of a manner. I don’t like the end of that last sentence either, but I’m trying my best here I guess. I feel like I should just be willing to try and post this comment as is without worrying too much about over revising or overcorrecting it. That feels what is best for me today, this is the internet after all, okay bye

    • Joel McDonald em 28/02/2021 às 12:15 PM

      Hi, Dallan! The author’s use of “Gd” is intentional. I didn’t ask why, but they specifically asked that it remain unchanged. This is fairly common among many Jews in America, not to write out “God” as a sign of respect and a nod to an interpretation of their commandments.

Deixe um Comentário